A Reinvenção de Robert Pattinson

Segundo a publicação, Robert Pattinson está no caminho certo da sua carreira, escolhendo grandes papéis com diretores renomados da indústria cinematográfica, completando com a evolução interpretativa do ator.

A Grã-Bretanha está prestes a ter um novo protagonista.

Robert Pattinson, que fez seu nome há mais de uma década atrás no Reino Unido nos filmes de Harry Potter, e então nos EUA nos filmes de Crepúsculo, finalmente emergiu como uma genuína estrela do cinema adulto. Após seu papel em Tenet, o blockbuster de Christopher Nolan que salvou o cinema, Pattinson estará nas telas da nossa sala de estar em setembro ao lado de Mia Wasikowska em O Diabo de Cada Dia no Netflix, um thriller psicológico produzido por Jake Gyllenhaal. Então, em 2021, ele aparecerá em seu maior papel até o momento: O Batman. Ao vestir o traje e capa pretos do icônico super-herói, Pattinson se juntará a uma lista histórica de atores que inclui George Clooney, Michael Keaton e Christian Bale.

A ascensão de Pattinson de um promissor arrasador de corações de 18 anos para um peso-pesado de Hollywood de 34 anos demorou muito. Em 2004, em um estúdio vasto, escuro e permanentemente frio em Hertfordshire, eu me vi trabalhando ao lado de Pattinson no set de Harry Potter e o Cálice de Fogo. O adolescente “Rob”, como era conhecido na época, estava fazendo sua estreia no cinema no quarto episódio da franquia, juntando-se a um elenco impressionante da A-Listers de britânicos consagrados, como Ralph Fiennes, Alan Rickman e Maggie Smith.

Apesar disso, a incrível boa aparência de Pattinson e seu senso de humor incomum causaram um impacto definitivo no set. “Ele será Bond um dia”, disse-me, do nada, um assistente de diretor americano bem relacionado. Então me ocorreu claramente: a estrela de Pattinson estava em ascensão. Mas mesmo com esse começo inesperado, como alguém realmente faz uma jornada de ator adolescente em um filme para Batman – talvez até mesmo Bond?

Os filmes Crepúsculo, onde Pattinson interpretou um vampiro quente e sombrio, foram sem dúvida um primeiro movimento astuto para fora dos portões de Potter, permitindo que Pattinson se mudasse para Los Angeles e construísse uma base de fãs significativa na América. No entanto, Pattinson nem sempre foi capaz de ver as vantagens desse passo crucial no início da carreira – acabou sendo uma espécie de faca de dois gumes.

“É estranho fazer parte disso – meio que – representar algo que você não gosta particularmente”, disse ele à Vanity Fair, em 2011. Ele também odeia seu apelido “R-Patz”, outro símbolo da Era Crepúsculo: “Eu gostaria de quebrar as mãos e a boca da pessoa que inventou”. Em outra entrevista, ele foi questionado se havia pegado alguma lembrança do filme final de Crepúsculo. “Minha dignidade”, respondeu ele.

É bastante justo. Qualquer plataforma profissional que Pattinson ganhou nos filmes Crepúsculo foi indiscutivelmente contrabalançada pela intensa apuração da mídia que se seguiu, bem como aquela marca da fama muito particular e, nada legal, que se apega a um ator quando eles estrelam em uma franquia voltada principalmente para adolescentes. Pattinson também começou a namorar sua co-estrela americana e interesse amoroso na tela, Kristen Stewart, o que foi o combustível para o fogo dos fãs obsessivos de Crepúsculo. (Pattinson mais tarde namorou – e temporariamente ficou noivo – da cantora e compositora britânica de vanguarda “FKA Twigs”, e recentemente tem visto, com a modelo britânica Suki Waterhouse).

Stewart e Pattinson não deram certo. Stewart eventualmente traiu Pattinson com Rupert Sanders, o diretor casado de seu próximo filme. Will Ferrell chamou Stewart de “vagabunda”. Stewart emitiu um pedido público de desculpas. Pattinson, um jovem originalmente criado em Barnes, no sudoeste de Londres e ex-aluno da The Harrodian School, encontrou-se no centro de um circo ligeiramente juvenil de Hollywood em Los Angeles.

“Eu tive um pouco de dificuldade no início porque minha vida realmente se contraiu e eu não conseguia fazer muitas das coisas que costumava fazer”, disse Pattinson ao Telegraph em 2014, refletindo sobre a montanha-russa Twilight. “Mas depois que passei por isso, um ou dois anos atrás, simplesmente aceitei que minha vida era outra coisa e agora não consigo me lembrar como era antes, então é muito mais fácil de lidar.”

Colocando a fase Crepúsculo firmemente para trás, Pattinson abandonou o público adolescente e passou a viver o sonho de cada ator – interpretando uma variedade de personagens totalmente legais em filmes indie e art-house de diretores lendários, como David Cronenberg, Werner Herzog e os irmãos Safdie (famosos por Uncut Gems). De fato, entre 2012 e 2019, Pattinson acumulou um currículo muito bom de atuação. “Eu nunca fui para a escola de atuação, então sou apenas eu tentando melhorar”, disse à Esquire

Na verdade, a atuação de Pattinson melhorou visivelmente na última década. Em Cosmópolis de Cronenberg (2012), Pattinson interpreta Eric Packer, um bilionário de Wall Street de 28 anos. Quase todo o filme se passa na limusine branca de Packer, e nós o vemos sendo levado pelas ruas de Nova York enquanto suas transações com moedas entram em colapso e os motins aumentam nas ruas. É um filme difícil e altamente conceitual, e a descrição de Pattinson de Packer como um sociopata frio e vazio é ocasionalmente difícil de se conectar. Na verdade, Pattinson dificilmente é ajudado pelo roteiro do filme, que é inútil e fiel ao romance de Don DeLillo.

Desde Cosmópolis, no entanto, Pattinson foi ganhando força e é particularmente adepto de retratar personagens com alguma escuridão interna. Com os Safdie Brothers, em Bom Comportamento (2017), Pattinson é totalmente crível como o criminoso desleixado e desprezível Connie Nikas, que cria confusão em Nova York, enquanto tenta tirar seu irmão deficiente da prisão. Mais recentemente, Pattinson roubou o show do Rei Henry, de Timothée Chalamet, em O Rei de David Michod, (2019), como o carismático, mas malévolo, Dauphin da França.

E assim, chegamos a Tenet. Com mais maturidade, uma série de atuações legítimas e, é claro, aquela boa aparência ainda intacta, parece óbvio que era o momento certo para Pattinson retornar aos sucessos de bilheteria. Também era algo que o próprio Pattinson estava pensando. “O problema que eu estava encontrando era, por mais que eu gostasse dos filmes que fazia, ninguém os via. E então é meio assustador, porque eu não sei o quão viável isso é para uma carreira … Eu não sei quantas pessoas realmente existem na indústria que estão dispostas a te apoiar sem qualquer viabilidade comercial ”, Disse à GQ, no início deste ano.

As preocupações de Pattinson sobre a segurança no trabalho são cativantes, embora desnecessárias. Christopher Nolan, um dos diretores mais reverenciados do mundo – da trilogia Cavaleiro das Trevas, A Origem e Dunkirk – estava observando o desenrolar da carreira de Pattinson e ficou satisfeito com a direção que tomava: “Rob parecia estar exatamente no lugar certo em sua carreira para querer vir e inventar comigo”, disse Nolan recentemente.

Em Tenet, Pattinson interpreta Neil, um inglês “ligeiramente malandro” (cita Nolan) oficial da inteligência britânica, que usa lenços de seda e ternos trespassados ​​e (alerta de spoiler) ajuda o “Protagonista” de John David Washington a completar sua missão de salvar o mundo. Apesar do diálogo limitado e da falta de história de fundo, Pattinson consegue criar um personagem crível e divertido, enquanto seu belo sotaque inglês encanta. Claramente, este é um trabalho com o qual Pattinson agora está confortável, e seu dom para personagens excêntricos e sombrios sem dúvida fará uma abordagem fascinante do Batman no próximo ano.

A carreira de Pattinson, até agora é nada menos que uma super sala de aula, e eu me pergunto o quão perto ela foi planejada e gerenciada para ele, desde seus dias de Harry Potter. Quanto a saber se isso vai lhe trazer Bond, o talentoso Pattinson tem uma competição acirrada, particularmente com seu colega britânico James Norton (Happy Valley, McMafia e The Trial de Christine Keeler), que como um ex-aluno da RADA, teve uma rota muito mais tradicional para o indústria.

Minha memória pessoal de Pattinson é de nós, relaxados depois do almoço na “sala de recreação” de Potter, jogando tênis de mesa com outros atores e equipe dos filmes. Pattinson era amigável e engraçado – mesmo que eu nunca tenha entendido bem a graça de suas piadas peculiares. Ele tinha uma presença inegável. Robert Pattinson sempre foi uma estrela, e se ele acabar sendo o próximo James Bond, não será absolutamente nenhuma surpresa.

Fonte: Life Spectator | Tradução: Amanda Gramazio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo