“Life”, teve sua primeira exibição mundial no Berlinale – Festival de Filmes de Berlim, e alguns críticos já divulgaram o que acharam do desempenho de Robert! Veja abaixo:

por Gone with the Movies

“Para Robert Pattinson, seu papel como o icônico fotógrafo Dennis Stock é igualmente impressionante como quando ele entra no mundo de Hollywood do outro lado do tapete vermelho (e na parte inferior). Notando o talento de Dean cedo, Stock consegue fotos de Dean durante o tempo de duas horas corridas antes que a fama entre. Prazos, pressão e constrangimento logo se amontoam e Pattinson apresenta isso habilmente na tela.”

por Little White Lies

“Robert Pattinson impressiona neste drama elegante sobre a relação entre celebridade e os meios da comunicação.”

“Uma multidão intensa formada em torno da triagem da imprensa no Berlinale por Life de Anton Corbijn – tal é o fascínio continuado dos fãs de Robert Pattinson para além do festival, e terá o prazer de ouvir que seu desempenho frágil como fotógrafo da revista Life, Dennis Stock, acabou ofuscando Dane DeHaan. Renderização de James Dean, embora este último é pungente o suficiente para animar este conto de homens ajudando uns aos outros para dar um salto para a grandeza. “
(…)
“O desempenho de Pattinson é tão nítido como a camisa branca e preta e ternos que seu personagem sempre usa. Esta é uma camuflagem para seus próprios problemas que lentamente aparece, acrescentando cor e melhora no filme.”
(…)
“Pattinson intensifica, permitindo que mais de entranho de seu personagem para sair. Com Life, prossegue o ritmo e pega no terceiro ato, é uma dramatização convincente de uma aliança artisticamente fascinante.”

por Canvas

(…)
“Stock (o show de roubo de Robert Pattinson) encontra pela primeira vez Dean em uma festa em Los Angeles, hospedado pelo diretor Nicholas Ray.”
(…)
“Como isto, as principais coisas que você vai se lembrar serão da melhor performance de Pattinson e a cena mais fino vômito projétil  que você já viu.”

por Boston Herald

“Robert Pattinson está perfeitamente moldado como armazém, um homem à deriva com uma ex-esposa de um casamento na adolescência e cheio de culpa sobre o jovem filho que ele nunca vê.”

por The Hollywood Reporter

“Enquanto Pattinson tem sofrido uma série de contusão gratuita após Crepúsculo, ele dá a performance mais equilibrada aqui, mesmo que o personagem seja desenhado de forma inconsistente. Os desafios do fotógrafo parecem ser mais ligados com sua própria insegurança do que com o descamação do sujeito. Mas o conflito sobre se James vai ou não se entregar para a câmera de Dennis não embala muita urgência.”

por Variety

“DeHaan e Pattinson atuarem lindamente este anti-romance, cada um olhando para o outro com dicas e direções, enquanto recuam timidamente do escrutínio. Pattinson, traz camadas intrigantes de disfunção infantil de um personagem que é o mais certo na parceria.”

por The Playlist

“Para ser justo, Corbijn faz um trabalho impressionante de reestadiamento desses momentos, tanto assim que pode-se suspeitar que ele não está realmente interessado nas pessoas, esses caras eram tanto quanto ele está interessado nas imagens – no jogo de claro e escuro , a composição, o vestuário, os locais. É onde ele parece vir à vida, e de repente eu me perguntava se todo o resto do filme foi realmente apenas uma cortina de fumaça para uma experiência em imitação. Se assim for, ele pode ter sido bem-sucedido, mas ao custo do filme à sua volta. “

por Screendaily

“Os dois principais convencem como atores; são os personagens que são o problema. O personagem deprimido de Pattinson é definido por uma mudança na qual, após Dean dizer que está desapontado com ele, ele responde “você não é o único.””

 

Fonte | Tradução: Barbara Juliany

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.