O Robert Pattinson Brasil é um site sem fins lucrativos criado em 2008 de fãs para fãs, e que reúne diversos conteúdos sobre o ator e sua carreira. Todo conteúdo aqui disponibilizado foi desenvolvido pela nossa equipe, portanto, ao fazer uso de algum de nossos materiais, por favor, credite. Viu alguma coisa sua por aqui e quer seus créditos? Entre em contato com a gente! Desde já, obrigado pela sua visita, aproveite nosso conteúdo e volte sempre!



Categoria: Notícias

Robert Pattinson está passando por mudanças significativas em sua vida. Depois da namorada Suki Waterhouse anunciar que está grávida, o ator vendeu sua residência de longa data em Los Angeles. A casa nunca esteve oficialmente no mercado, mas, de acordo com informações do TMZ, divulgadas nesta terça-feira (19), o imóvel foi vendido discretamente, por US$ 3 milhões — cerca de R$ 14,7 milhões na cotação atual.

A casa, que era propriedade de Robert há quase 10 anos, possui quase 180 m², dois quartos e dois banheiros. A decoração conta com pisos de terracota exclusivos e tetos com vigas expostas. A parte exterior inclui um pátio de tijolos que abriga uma área de refeições ao ar livre, com um pequeno gramado e uma piscina subterrânea. Os grandes portões tornam a área mais segura e privada.

Vale lembrar que no ano passado, Rob já havia comprado uma outra casa também em Los Angeles. No próximo post vamos mostrar um pouco mais dela para vocês. Veja à seguir imagens da antiga casa.

Fontes: 1, 2 e 3

Juntamente com a designer Nicole Gordon, a estrela de The Batman projetou uma peça para conversação aconchegante o suficiente para manter as pessoas conversando a noite toda.

Robert Pattinson, em suas próprias palavras, é “bem romântico” em relação à decoração. Portanto, quando ele começou a pensar sobre o seu sofá dos sonhos, ele se pegou fantasiando sobre um móvel sem muitas linhas duras. Algo no qual as pessoas pudessem abraçar – e que as abraçassem de volta. Ele tinha algum tempo livre em mãos depois que as filmagens do filme The Batman (2022) finalizaram, então ele fez alguns rabiscos.

“Eu comecei fazendo esboços de móveis que eu pensei que fariam com que as pessoas interagissem de forma brincalhona e informal,” ele contou à AD. “Todos eles tiveram elementos desproporcionais e grandes demais, que eram bem divertidos. E no processo de fazer alguns modelos de argila, descobri que curvas orgânicas sobrepostas tinham um efeito semelhante.”

O sofá, retratado no showroom da JF Chen, tem cerca de 2,70 metros de comprimento e 1,20 centímetros de profundidade. Além de orelha, Pattinson disse que também se inspirou em formas cotidianas, como uma piscina ou um feijão.

Uma vez que ele se aprofundou no processo de design, o autor deu um passo para trás e percebeu que sua criação – com suas curvas sobrepostas e apêndices suavemente no formato de lobos – se parecia muito com uma orelha. Para um sofá destinado a acomodar conversas íntimas, enquanto sendo uma peça de conversação inovadora por si só, isso foi perfeito. Ele começou trabalhando com a designer Nicole Gordon, que foi quem decorou duas de suas casas e fez alguns trabalhos na casa de seus pais em Londres. “Rob queria um móvel onde você pudesse se aninhar para ler,” ela contou à AD, “mas que também fosse resistente e estável o suficiente para um número de pessoas se sentar durante uma festa.”.

Gordon disse que eles trabalharam duro na “curvatura do braço que forma um U, para que você possa aninhar suas costas ali e ficar confortável.” Os braços não giram, mas suportam até cerca de 158kg cada. A dupla pegou seus modelos em argila e fez representações em 3D, e então eventualmente passaram para uma planta. Eles trabalharam com a arquiteta e designer Andrea Cadioli para construir uma moldura em madeira recoberta em musselina, e começaram a ajustar e modelar a forma com um estofador do tipo Claudia Bracamontes. Uma vez que Pattinson queria um efeito “flutuante”, Gordon disse que, “A parte técnica mais desafiadora foi projetar isso de modo que pudesse suportar pessoas e não vir a tombar. Então nós construímos um modelo de metal dentro da armação do sofá, que o permite colocar 158kg em cada um dos braços flutuantes.”

Pattinson também queria um tanto de contraste para a base do sofá, então ele escolheu uma laje de ônix rosa em um pátio de pedras e os dois a esculpiram para corresponder com a curvatura da base. Eles incorporaram bandejas de bebidas de ônix rosa em cada apoio de braço.

Escolher o tecido foi todo um processo, mas Pattinson enfim optou por um veludo de linho branco da Otis Textiles. A maior dificuldade, explica Gordon, foi a escolha do tecido. “Eu tenho um labrador cor de carvão chamado Mason,” ela disse, “e Rob foi tipo: ‘Eu quero que se pareça com os pelos do Mason!’ Então começamos a procurar por cores cinza e lã de novilho. Mas então ele disse: ‘Não, eu quero algo mais listrado.’” No final da contas, ele acabou escolhendo veludo de linho branco da Otis Textiles.

Uma vez que o sofá estava pronto, Gordon convenceu Robert Pattinson à vender uma série limitada em algum lugar. Ela queria mostrá-lo para Joel Chen, que é proprietário da JF Chan em Los Angeles. Chen ficou emocionado com o que viu.
“Eu fiquei admirado do design um tanto complicado,” Chen contou à AD. “O sofá é inteiramente único, e o forte senso do Rob para formatos angulares interpretados a partir de objetos do dia a dia, é incrível. Esse é o primeiro protótipo de uma série limitada que ele está fazendo, e certamente pertence à JF Chen – onde mergulhamos em artistas emergentes.”

O sofá original de Pattinson está no momento a mostra na JF Chen, que está vendendo seis peças feitas sob encomenda. Quanto a Pattinson, a existência desse sofá é uma nova marca de quão longe ele chegou. Quando questionado sobre o pior sofá que ele já teve, sua resposta foi apropriadamente contraditória.

“Meu menos favorito poderia ser também meu maior favorito,” Pattinson reflete. “Houve uma época em que o único móvel que eu possuí por cerca de seis meses foi um bote inflável, que eu dobrava como um sofá, cama e mesa de jantar. Eu amava muito, mas me causou muitos problemas nas costas.” O bote talvez tenha feito mal às costas, mas ele partilhava ao menos uma coisa em comum com o novo sofá de Pattinson: era uma fabulosa peça para conversação.

Fonte | Tradução: Amanda Agostinho

Adam McKay não irá mais dirigir “Average Height, Average Build”, uma comédia sobre um serial killer que seria estrelada por Robert Pattinson, Amy Adams e Robert Downey Jr. Segundo fontes seguras da Variety, a Netflix não tem interesse em dar continuidade ao projeto sem o seu maior idealizador. Em vez disso, o escritor e diretor irá se concentrar em um novo filme sobre as mudanças climáticas, porém até o momento não se tem maiores informações, não sabemos se quer se a Netflix estará envolvida.

McKay não apenas usou seu trabalho para falar sobre a emergência das mudanças climáticas ao longo dos anos (como em Don’t Look Up de 2021), mas também tem atuado fora da indústria para divulgar essa ameaça. No início deste ano, ele lançou a organização sem fins lucrativos Yellow Dot Studios para fazer vídeos e outros materiais destinados a aumentar a compreensão do público sobre a emergência climática e questões relacionadas, após o sucesso viral de seu anúncio paródico da Chevron em setembro passado, que teve mais de 4,5 milhões de visualizações em seu primeiro 24 horas.

Quanto à Average Height, Average Build, o Deadline deu a notícia em Maio deste ano, de que a Netflix havia entrado no projeto repleto de estrelas com um elenco que incluía Robert Pattinson, Amy Adams e Robert Downey Jr. Pattinson foi escalado para interpretar um assassino em série que recruta uma lobista (Adams) para trabalhar em seu nome em segredo, para mudar a lei dos assassinatos para que ele possa sair impune de seus crimes. Já Downey Jr., foi escalado para interpretar um policial aposentado, que fica obcecado em levar esse assassino à justiça.

É uma pena, pois o projeto parecia ser ótimo. Vamos torcer para que ele seja “tirado da geladeira” em breve.

Fonte 1 e 2| Tradução: Ana Paula Oliveira

No último sábado, 21/10, rolou no Citizens News Hollywood em Los Angeles edição do Go Gala 2023, que é um jantar com leilões beneficentes em prol da Go Campaing, que tem Robert Pattinson como um de seus embaixadores. Robert é claro não poderia ficar de fora! Ele e Suki Waterhouse compareceram ao evento e posaram para fotos no tapete vermelho. Em nosso twitter, você pode ver os vídeos, aqui e aqui.

A Go Campaing é uma organização sem fins lucrativos com sede na Califórnia que tem vários famosos como colaboradores/embaixadores. A instituição de caridade aumenta a conscientização e arrecada fundos para ajudar órfãos e crianças vulneráveis ​​em todo o mundo.

PS: Estão circulando na internet, rumores entre fãs e sites internacionais, que o casal estaria à espera do primeiro filho, pois Suki tem sido vista com frequência usando roupas mais largas, o que a ajudaria a esconder a barriguinha. Vale lembrar, que por enquanto são apenas especulações, ambos ainda não se pronunciaram sobre o assunto. Por outro lado, as roupas largas podem ser apenas uma mera coincidência… Mas fala pra nós, o que vcs acham sobre isso?

 

 

A GKIDS Films atua como distribuidora do Studio Ghibli no mercado norte-americano e acaba de anunciar o elenco de voz da versão em inglês de “The Boy and the Heron” também conhecido como How Do You Live (em português “O Menino e a Garça”) de Hayao Miyazaki. O filme será dublado por grandes nomes como: Christian Bale, Dave Bautista, Gemma Chan, Willem Dafoe, Karen Fukuhara, Mark Hamill, Robert Pattinson, Florence Pugh, Luca Padovan, Mamoudou Athie, Tony Revolori e Dan Stevens. Veja a página oficial do filme no IMDb.

Abaixo, você confere os personagens que os artistas citados anteriormente interpretarão:

Christian Bale será Shoichi Maki
Dave Bautista será The Parakeet King (O Rei Periquito)
Gemma Chan será Natsuko
Willem Dafoe será Noble Pelican (O Nobre Pelicano)
Karen Fukuhara será Lady Himi
Mark Hamill será Granduncle (O Tio-avô)
Robert Pattinson será The Gray Heron (A Garça Cinzenta)
Florence Pugh será Kiriko
Mamoudou Athie, Tony Revolri e Dan Stevens serão Parakeets (Os Periquitos)

Anteriormente, o filme estava sendo provisoriamente chamado de How Do You Live?, que é a tradução literal do título original em japonês (Kimi-tachi wa Dō Ikiru ka) e o nome do livro que inspirou a trama. Mas ao anunciar o lançamento nos cinemas norte-americanos para 2023, a distribuidora GKIDS revelou o título oficial em inglês.

Takeshi Honda (Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar, Rebuild of Evangelion) é o diretor de animação. Joe Hisaishi (A Viagem de Chihiro, Princesa Mononoke, Meu Amigo Totoro) compôs a trilha musical, enquanto Kenshi Yonezu, conhecido pelos temas de abertura de Chainsaw Man e My Hero Academia, interpretou a música-tema intitulada “Chikyūgi” (Globo).

Do que se trata a história?
Um jovem garoto de 12 anos chamado Mahito, em luto após a morte de sua mãe durante um bombardeio incendiário, é enviado por seu pai, Shoichi, para morar com sua tia, Natsuko, em uma remota casa de campo. Mahito avista uma garça e a segue por um túnel. Depois de sair do túnel para um grande salão, o menino vê a imagem de sua mãe. Junto com a garça, Mahito explora um país das maravilhas imaginativo, “ um mundo compartilhado pelos vivos e pelos mortos”. Uma fantasia semiautobiográfica sobre vida, morte e criação, em tributo a amizade, da mente de Hayao Miyazaki. A trama do filme é inspirada no romance de Genzaburō Yoshino, publicado no Japão em 1937.

Lançamento sem marketing
Antes de sua estreia nos cinemas japoneses, o filme não recebeu trailers, sinopses ou imagens promocionais. O único material de marketing divulgado foi um pôster. O co-fundador e vice-presidente do Studio Ghibli, Toshio Suzuki, que também atuou como produtor do longa, foi o responsável pela ideia. Suzuki afirmou querer resgatar a época quando se ia no cinema sem saber muito sobre o filme, ao contrário dos tempos atuais com excesso de informação, e disse estar empolgado para surpreender os fãs. Miyazaki demonstrou receio com a estratégia, mas decidiu confiar em Suzuki. No final, deu tudo certo. A produção arrecadou US$ 13,2 milhões nos primeiros três dias, tornando-se a maior estreia da história do Studio Ghibli, batendo o recorde de A Viagem de Chihiro. Esta também foi a primeira animação do estúdio a receber lançamento simultâneo em IMAX e conseguiu a maior bilheteria de abertura em salas do formato no Japão. Vale lembrar que segundo o próprio Suzuki, The Boy and the Heron pode ter sido o filme mais caro da história do Japão, superando O Conto da Princesa Kaguya, que custou cerca de US$ 49,3 milhões.

The Boy and the Heron, tanto na versão em japonês quanto na em inglês, chega aos cinemas dos Estados Unidos em 8 de dezembro deste ano. A exibição no Brasil ainda não foi confirmada.

Confira à seguir o trailer com a dublagem japonesa original.

Fontes: 1 e 2 | Tradução: Ana Paula Oliveira

Nos últimos dias 08, 12, 14 e 16 de Outubro, Rob foi fotografado em Los Angeles. Nos dias 08 e 16 ele foi visto fazendo compras, no dia 12 saindo de um café, e no dia 14 estava com uma mochila nas costas se dirigindo ao seu carro. Veja à seguir as fotos em nossa galeria.

Como postado anteriormente aqui no site, Robert Pattinson entrevistou o ator Jordan Firstman recentemente para a Interview Magazine. A entrevista, foi mais um bate papo entre amigos, onde Rob inclusive fez muitas revelações sobre seus medos e como ele se sente sendo parte da indústria cinematográfica, vale a pena ler. Leia na íntegra a matéria postada no site da revista e traduzido com exclusividade pela Equipe do RPBR.

FIRSTMAN: Ei, e aí?
ROBERT PATTINSON: Como você está?

FIRSTMAN: Você ainda está em Londres?
PATTINSON: Sim. Estou tão confuso. Sinto que estou com jet lag, mas não estou. Você está em L.A?

FIRSTMAN: Estou de volta a L.A.
PATTINSON: Essa é a primeira vez que você está promovendo algo no sentido cinematográfico convencional?

FIRSTMAN: Sim. Já fiz imprensa tradicional antes, mas nunca tive que falar sobre o mesmo projeto para 50 meios de comunicação diferentes e ouvir as mesmas perguntas repetidamente. Ninguém te ensina como fazer isso.
PATTINSON: Eu estava pensando nisso esta manhã enquanto fazia minha pesquisa para essa entrevista, no qual era olhar seu Instagram enquanto eu estava no banheiro por cerca de cinco minutos. [Risos]

FIRSTMAN: Esse é o lugar perfeito para ver meu Instagram. Olhando para a merda enquanto você está cagando.
PATTINSON: [Risos] Mas eu percebi nas últimas semanas, que seu entusiasmo e capacidade de promover coisas são muito diferentes, e estou curioso para saber como você se sentiu vindo de trabalhos nas redes sociais, onde está mais inextricavelmente ligado a tentar ganhar viralidade e outras coisas, se o entusiasmo vem disso. Porque você vê tantos atores que ficam sentados lá e literalmente tentam ser o mais chatos possível em uma entrevista, e eu acho que todos os seus trabalhos são realmente divertidos. A quantidade de pessoas que conhecem esse filme pela forma como você o está promovendo é realmente interessante.

FIRSTMAN: É estranho. Eu mesmo fiz um curso intensivo de marketing por causa do Instagram, porque pude ver instantaneamente o que o público respondia e o que não respondia. Mas é estranho quando estou fazendo isso, porque até Mubi fica tipo: “O que você está fazendo? Pare de fazer tanto.” Mas eu penso: “Eu sei como comercializar isso um pouco melhor do que vocês”.
PATTINSON: [Risos] Por favor, pare!

FIRSTMAN: Eu acho que a maneira como estou falando sobre esse filme é pelo menos fazer meus seguidores quererem vê-lo, mas o outro lado da moeda é que eu sei que eles querem ver meu pau e meu corpo nu, e o filme é muito mais do que isso. Espero que eles possam realmente assistir e ver o que estou tentando dizer, porque eles são muito culpados pelos problemas que tenho na minha vida e que estão refletidos no filme, e espero que eles também possam assumir alguma culpa por isso.
PATTINSON: Como porcentagem de público, quantos deles você acha que vão ver especificamente só para ver seu pau?

FIRSTMAN: Rob, não estou dizendo isso para me glorificar, mas as minhas DMs, na maioria das vezes são “Me mostra seu pau”.
PATTINSON: Acho que é todo mundo, não?

FIRSTMAN: Sim, acho que talvez seja verdade.
PATTINSON: Isso realmente não é verdade. [Risos]

FIRSTMAN: Mas o Instagram é um lugar muito sexualizado, e tenho certeza que as atrizes, se olharem para seus DMs, estão cheias de merdas nojentas e pervertidas. Mas acho que porque eu me sexualizo, isso deixa a porta aberta para as pessoas dizerem o que quiserem para mim. Às vezes me sinto desconfortável com isso, mas também tenho que assumir alguma culpa porque deixei a porta aberta para isso.
PATTINSON: Em termos de você interpretar você mesmo, eu sempre achei interessante, porque acho que é impossível. Não acho que as pessoas possam ter percepção suficiente para realmente entender quem são, de qualquer forma. É quase como se eles precisassem ser ultra-esclarecidos para saber. Você acha que há um eu diferente que você está retratando em uma entrevista ou em sua vida, ou o personagem que você interpreta em Rotting in the Sun é uma espécie de eu que você construiu especificamente para o filme?

FIRSTMAN: Não, acho que é um personagem que vem se desenvolvendo durante toda a minha vida. Mas não é isso que é uma personalidade?
PATTINSON: Exatamente, isso estava prestes a sair da minha boca.

FIRSTMAN: Você tem essas experiências em sua vida que moldam quem você é, então você também tem que construir personalidades diferentes para interagir com diferentes tipos de pessoas. A maneira como falo com você é um pouco diferente da maneira como falo com meus amigos gays com quem eu saio.
PATTINSON: Uma coisa interessante em que estive pensando – pelo menos eu acho que é interessante – é que quando você está assistindo ao filme, há um cinismo que é empurrado para o primeiro plano, sobre as redes sociais e sobre as pessoas nas artes, mas isso tem esse estranho efeito inverso de sentir muito carinho depois. Você acaba gostando muito de todos. Essa foi minha primeira impressão.

FIRSTMAN: Acho que você está mais bem ajustado do que provavelmente parte do público. Eu acho que é uma coisa gay também. Os gays não saem do filme com um sentimento caloroso. Eles se sentem tristes e atacados.
PATTINSON: Sério?

FIRSTMAN: Sim.
PATTINSON: Essa era a outra pergunta que eu ia fazer. Você acha que este é um filme gay?

FIRSTMAN: Sebastian odeia que as pessoas estão chamando de filme gay, não é. Quando as pessoas me perguntam sobre o que é o filme, eu digo que é sobre esse período de tempo especifico, e esse período de tempo tem muitas contradições, muita confusão e dor. E Sebastian é um homem gay, então ele está escrevendo sobre sua experiência na sua própria vida, e um lado disso é gay, mas o outro lado é o suicídio, e essa doméstica que ele tem – interpretada por Catalina Saavedra, que, aliás, merece um Oscar –
PATTINSON: Ela realmente merece.
FIRSTMAN: —esta vida artística que parece tão autoindulgente. Então, eu diria que o filme trata de seis a oito coisas, e gay é uma delas. Mas os gays estão realmente se relacionando com isso também porque tem tido muita representação de artistas suicidas e deprimidos no cinema, mas não tem tido muita representação gay dessa forma que pareça muito fiel à cultura de agora. É por isso que está atingindo de forma diferente. Então não, eu não chamaria isso de filme gay, mas chamaria de filme que captura a experiência gay moderna, além de muitas outras coisas.

PATTINSON: Você acha que é um filme perigoso? Eu realmente não sei como colocar isso. É controverso em alguns aspectos, mas, ao mesmo tempo, quando o vi, meu primeiro pensamento foi: “Isso parece mainstream para mim”. Quão controverso você acha que é?
FIRSTMAN: Citando Harry Styles, “o filme parece um filme.” É disso que eu gosto e acho que é por isso que as pessoas estão achando isso um pouco mais convencional. Mas isso realmente depende para quem você mostra, porque somos pessoas que estamos na cultura e você tem o controle de cada subcultura ainda menor, o que é algo que as pessoas podem não saber sobre você. Ao conhecê-lo um pouco, suas referências são de uma pessoa de 25 anos, muito bem informada.

PATTINSON: Quando estávamos fazendo as exibições dos formadores de opinião, convidamos especificamente pessoas de todos os lugares, e todos pareciam ter a mesma reação. Ninguém parecia sair da exibição dizendo: “Estou muito chateado com isso”. Você pensaria que seria mais chocante para alguém que está entrando no cinema, sem esperar ver nada do que está prestes a ver. Não entendo muito bem como você conseguiu equilibrar esse tom tão bem.
FIRSTMAN: As pessoas ficam chocadas com o quão nada disso é chocante. Eles estão confusos com eles mesmos. Eles ficam tipo, “Espera, acabei de ver todos esses paus e vi um ator chupando um pau tatuado e não senti nada”. Acho que normaliza o sexo, mas também normaliza as micro-observações sobre assuntos muito perigosos. Mesmo a personagem de Catalina não sendo uma pessoa brilhante, isso é a coisa mais controversa do filme para mim. Acho que qualquer outro filme seria como “Essa pobre empregada mexicana. Ela é apenas uma vítima. Ela não fez nada de errado. Somente a sociedade tem sido ruim para ela.” E é verdade. Todas as probabilidades estão contra ela, e ela realmente não tem chance neste mundo, mas também constantemente comete erro após erro e não consegue descobrir nada.

PATTINSON: Você não sente que está sendo manipulado pelos cineastas, e isso parece extremamente honesto. Ok, espera. Onde estão minhas anotações? Minhas perguntas são tão chatas porque eu já sei as respostas. Eu estava dizendo: “Como você mantém sua energia em um nível tão alto?” mas é tipo, eu sei o que você vai dizer. [Risos] Eu ia dizer: “De onde você tirou sua confiança corporal?” Mas então acho que isso é um pouco ofensivo.
FIRSTMAN: [Risos] Não, estou interessado em saber como isso soa para você. No último dia do meu primeiro trabalho como redator de TV, um dos redatores principais disse: “Jordan, devo lhe dizer, nunca conheci alguém tão confiante e tão inseguro ao mesmo tempo, e ensinei na UCB por oito anos.” Isso me matou. Minha mãe estava visitando no dia seguinte, eu contei a ela e comecei a chorar. Acho que sou bastante aberto sobre minhas inseguranças, mas para o público, talvez isso seja visto como confiança ou arrogância. Mas a questão do corpo definitivamente vem tanto de insegurança quanto de confiança, porque sinto que preciso provar que estou confiante em meu corpo, então mostro isso.

PATTINSON: Novamente, é o tom do filme todo. Não parece que você está tentando fazer o público pensar uma determinada coisa, simplesmente é assim que as coisas são. Isso é interessante. Qual é a diferença para você entre ser aberto sexualmente e ser viciado em sexo? Onde está a linha para você?
FIRSTMAN: Oh meu Deus, uau. Acho que a linha é como você se sente. Você sabe o segundo em que se sente bem com alguma coisa e o segundo em que se sente mal com alguma coisa. Eu sigo essa linha com muitos outros homens gays. Às vezes estou em uma festa e estou cercado por pessoas transando, e penso: “Isso é uma utopia. Isso é ser homem. Isto é o que os gregos estavam fazendo. Isso é fabuloso.” E então, às vezes, você vai embora de uma experiência sexual e se sente tão profundamente depravado e tão nojento consigo mesmo. Acho que essa é a experiência gay, navegar no sexo. Estamos indo contra essas estruturas heteronormativas, mas como não existe nenhum sistema que nos tenha ensinado como viver de outra maneira, temos que encontrar isso por conta própria, e isso vem com muitas tentativas e erros. E na experiência gay, muitos erros. Eu diria 80% de erro e 20% de tentativa. Eu olho ao redor da comunidade gay agora, e acho que isso está representado no filme, mas vejo muita escuridão, muita dissociação, muito uso de sexo e drogas como meio de lidar com a situação.

PATTINSON: Você acha que isso mudou recentemente?
FIRSTMAN: Notei uma diferença desde a pandemia. Às vezes eu brinco que você tira o sexo dos gays por um mês durante a quarentena, e eles vão compensar nos próximos seis anos. Mas acho que os gays lidam com isso de maneiras diferentes das outras pessoas. Além disso, as drogas se tornaram muito mais modernas do que antes. Nos meus primeiros anos festejando em Los Angeles, havia cocaína por aí, você usava um pouco de molly, mas era como se você fosse festejar e depois fizesse uma pequena pausa para as drogas. E agora eu olho em volta e é como se você usasse drogas e fizesse uma pequena pausa para a festa. Não estou entusiasmado com isso e não gosto de partes de mim onde me vejo ficando preso nesses ciclos, mas espero que seja uma fase. Isso também está começando a ser falado dentro da comunidade, então esperamos que possamos nos unir e resolver essa situação.

PATTINSON: A maneira como você fala sobre sua vida sempre parece tão selvagem, e então você é incrivelmente profissional. Você realmente parece muito, muito sensato o tempo todo. Não posso confundir as duas impressões. É muito estranho. Mesmo quando fomos à exibição em Londres, eu pensei: “Todo mundo está tão calmo, sentado em silêncio total”. Eu esperava que fosse absolutamente louco. [Risos]
FIRSTMAN: Sim, durante a exibição, estou tomando doses de G para me preparar para fazer minhas perguntas e respostas, mas consigo realmente permanecer bastante lúcido. É meu presente ou minha maldição.

ROBERT PATTINSON: E sempre parecendo saudável. É bizarro. [Risos]
FIRSTMAN: Vamos rezar para que continue assim. Quero falar sobre algo que você disse. Foi no seu aniversário e você disse: “Jordan, você é tão talentoso, mas não tenho ideia de como será sua carreira. Não tenho ideia se há um lugar para você na sociedade.”

PATTINSON: [Risos] Eu não disse isso!
FIRSTMAN: Sim, você disse.

PATTINSON: [Risos] Isso é horrível! Essa seria uma das minhas perguntas!
FIRSTMAN: “Onde diabos é o seu lugar na sociedade?”

PATTINSON: Quero dizer, é assim que eu vejo tudo. Estou constantemente pensando que vamos passar a maior parte da nossa vida desempregado e desesperado e se sentindo um fracasso total. Acho que é isso que a vida é. [Risos]
FIRSTMAN: Se Robert Pattinson está dizendo isso, não há esperança para ninguém nunca estar satisfeito.

PATTINSON: Eu acho que é apenas parte disso.
FIRSTMAN: Mas acho que a maioria das pessoas está silenciosamente conformadas com suas vidas. Existe um tipo específico de doença que as pessoas do show business têm, essa síndrome do nunca ser suficiente. Mas não acho que sejam todos no mundo. Há algumas pessoas que estão contentes.

PATTINSON: Eu não sei, eu sinto que você está especificamente no máximo na maior parte do tempo em que está fazendo um trabalho e está empregado por três meses. Essa é a coisa mais estressante do mundo.
FIRSTMAN: Você tinha outra pergunta muito boa. Eu pude ver em seus olhos.

PATTINSON: Oh Deus. É irritante porque continuo tentando fazer perguntas sobre redes sociais, mas literalmente nem sei o que perguntar porque não tenho nenhum compromisso com isso, então não consigo imaginar o processo de você fazer essas coisas. Eu acho que isso choca de você como um ovo. Você acha que está abordando fazer um filme de maneira diferente de como faz um esboço nas redes sociais? Não consigo imaginar que seja tão diferente.
FIRSTMAN: Acho que é um pouco a mesma coisa, mas tenho uma coisa em que, quando supero alguma coisa, a energia não me deixa mais fazer isso. Não consigo gravar um vídeo porque simplesmente não me importo. Então, se minha convicção não estiver lá, isso fica evidente. Eu olho para o filme e penso, eu quero me sair bem e estou tão interessado nisso, então vou com força total. Foi assim que me senti com os vídeos naquele primeiro ano. E eu olho para esses vídeos, mesmo aqueles que não considero mais engraçados, e penso: “Caramba, eu estava comprometido”. E não estou mais comprometido com eles. Às vezes ainda tenho ideias muito engraçadas para os vídeos, vou gravar e penso: “Simplesmente não estou lá. Eu não posso fazer isso.” Você já teve que fazer um projeto no qual não gostava nem um pouco?

PATTINSON: Na verdade não. Tenho um medo muito profundo de humilhação. E também, você meio que sabe que depende de você. Você pode dizer que é um roteiro de merda ou que o diretor é um idiota ou blá, blá, blá, mas no final das contas, ninguém vai se importar com os motivos. Você é aquele que todo mundo vai dizer que é ruim. E a grande maioria das pessoas dirá que você é ruim, mesmo quando deu o seu melhor.
FIRSTMAN: Sim. Mesmo quando você é incrível nisso.

PATTINSON: Sim. Você se importa mais ou menos em ser relevante fazendo um filme ou fazendo coisas no Instagram?
FIRSTMAN: Aprendi muito sobre ser relevante na internet. Fiz uma lista de prós e contras no final do ano, e uma das minhas saídas foi ser consistentemente relevante. Eu acho que você pode ter um momento de relevância a cada dois anos, e essa é a melhor maneira de fazer isso. As pessoas que são relevantes o tempo todo, não é o jeito de viver. Você vai se esgotar e morrer cedo. A pandemia foi minha primeira experiência de relevância e é uma droga muito viciante. Já tomei quase todas as drogas e nada bate como quanto a relevância. Mas quando vai embora, a abstinência é uma loucura. Acho que é aprender a aproveitar esses momentos intermediários e não enlouquecer. É mais fácil falar do que fazer, e ainda me sinto muito desconfortável. No último ano e meio, sinto que estive em baixa com a relevância e tem sido um desafio.

PATTINSON: É sempre difícil saber como não saturar tudo, ou quanto tempo esperar. E então, às vezes, se você esperar muito tempo e então tentar causar um grande impacto, se não funcionar, você estará em uma situação muito, muito perigosa depois.
FIRSTMAN: Adoro como você está preparado. São muitas perguntas e são muito boas. Você é melhor do que a maioria dos jornalistas com quem conversei.

PATTINSON: Na verdade, de repente tenho muito respeito pelos jornalistas. Eu literalmente não sei como fazer isso. Tenho mais alguma? Estou ficando sem. Merda.
FIRSTMAN: Eu me sinto bem. Você se sente bem?

PATTINSON: Na verdade, eu escrevi muitas anotações, e quando olho para elas penso, “O que você está tentando dizer?” Estou olhando para um deles agora, não é nem uma pergunta. É apenas um longo e complicado fluxo de consciência, que nem eu entendo o que estou tentando dizer.
FIRSTMAN: Mas tenho certeza de que é inteligente.

PATTINSON: Em algum lugar bem no fundo dos recessos. Mas sim, estou tão feliz que as pessoas estejam se conectando ao filme.
FIRSTMAN: Estou tão feliz que você faz parte disso. É tão aleatório, mas também faz todo o sentido.

Fonte | Tradução: MaLu

Robert Pattinson teve o seu dia de entrevistador para a revista Interview, onde conversou com o comediante Jordan Firstman. Durante a entrevista, eles falaram se já tiveram algum projeto que simplesmente “não gostavam”. Em resposta, Pattinson disse: “Na verdade não”, mas explicou que ele realmente tem medo de não ser capaz de se comprometer totalmente com um papel e dar tudo de si, que é algo que ele tem que pensado bastante antes de decidir desempenhar um papel.

“Tenho um medo muito profundo de humilhação”, disse ele. “E também, você meio que sabe que depende de você. Você pode dizer que é um roteiro de merda ou que o diretor é um idiota ou blá, blá, blá, mas no final das contas, ninguém vai se importar com os motivos. Você é aquele que todo mundo vai dizer que é o fracassado. E a grande maioria das pessoas dirá que você é uma vergonha, mesmo quando deu o seu melhor.”

A estrela de Crepúsculo já falou sobre a ansiedade que sente em torno de sua carreira e a pressão para permanecer ativo em Hollywood. Embora adore fazer filmes independentes, ele disse à revista GQ em 2020 que percebeu que queria mais segurança depois de começar o ano sem empregos definidos.

“O problema que descobri foi que, por mais que eu adorasse os filmes independentes que eu estava fazendo, ninguém os via”, disse ele ao canal na época. “E então é uma coisa assustadora, porque não sei até que ponto isso é viável para uma carreira… Não sei quantas pessoas realmente existem na indústria que estão dispostas a apoiá-lo sem qualquer viabilidade comercial.”

Agora, anos depois, a ideia de encontrar o seu lugar em Hollywood, ou na sociedade em geral, ainda está na mente de Pattinson. “Estou constantemente pensando que vou passar a maior parte da minha vida desempregado, desesperado e se sentindo um fracasso total”, disse ele a Firstman. “Acho que a vida é isso.” O ator acrescentou: “É como se você estivesse dando o seu máximo na maior parte do tempo em que está fazendo um trabalho e tem um emprego por apenas três meses. Essa é a coisa mais estressante do mundo.”

Embora Pattinson se sinta assim, ele definitivamente fez seu nome na indústria, desde estrelar projetos independentes como The Lighthouse, Tenet e Damsel, até assumir o papel de Batman no filme de Matt Reeves de 2022.

Fonte | Tradução: Ana Paula