Robert Pattinson na revista Premiere; veja fotos e leia a entrevista

Já começando a divulgação de seus novos filmes, bem como a nova fase de sua carreira, Robert Pattinson falou com a revista Premiere. Num photoshoot pra lá de diferente, o ator mostra que definitivamente deu passos a frente, rumo ao sucesso.


x Scans > Internacionais > 2014 > Maio 2014 – Premiere (França)

14 abril de 2014. Foram 14 minutos desde que Robert Pattinson desapareceu em um dos quartos deste enorme armazém, transformado num estúdio de fotografia para fazer sua maquiagem. Quando ele finalmente sai, com o rosto coberto de tinta preta e branca para desaparecer momentos depois quando terminamos de entornar litros de água e Gatorade no seu rosto. É claro que o ídolo adolescente da saga Crepúsculo desapareceu completamente. Ele deixou em seu lugar um ator que é cada vez mais fascinante, um artista – ele é aquele que imaginou uma diferente encenação da sessão com o fotógrafo Danielle Levitt – cuja filmografia está a começar a impressionar a sério. Desde o início do ano, ele filmou com Werner Herzog (Queen of the Desert) e Anton Corbijn (Life), ao que logo vai adicionar Harmony Korine e James Gray (The Lost City of Z).

Depois de apresentar Cosmopolis, lá em 2012, ele vai fazer a sua volta a Cannes com dois filmes: Maps to the Stars , que marca o seu reencontro com David Cronenberg, e The Rover, o novo filme do prodígio australiano David Michôd (Animal Kingdom, 2011). Um Western em que Pattinson, mais desconcertante que nunca, prova que o futuro lhe pertence.

Deixamos você dois anos atrás na parte de trás da limusine em Cosmopolis e o encontramos mais uma vez num no novo filme de David Cronenberg, Maps to the Stars . Foi de propósito?
ROBERT PATTINSON: Talvez nós estejamos construindo uma trilogia sobre limousines… Eu não sei se foi uma decisão consciente da sua parte ou não.

O aspecto recorrente é que em cada filme, dorme com uma atriz talentosa…
ROBERT:
Aquela cena com Julianne Moore foi muito engraçada. E nós tínhamos acabado de nos conhecer antes de filmarmos.

Foi também o caso com Juliette Binoche quando filmou a cena de sexo em Cosmopolis. É a sua nova forma de acolher atrizes no set?
ROBERT:
Eu lembro de ver a Juliette antes de começarmos a filmar a cena. Ela estava a me dando conselhos: “Mantenha a escolha de projetos de classe e filmes inteligentes”,  e de repente, David diz: “Ação!” e começamos a fazer sexo como animais no carro. Muito elegante, definitivamente… (risos). Em cima disso, estava muito quente. Eu estava suando como louco com enormes gotas de suor escorrendo na testa. Eu perguntei se eu não estava tendo um ataque cardíaco. Toda vez que uma gota caía, estava tentando impedi-la de cair nas costas de Julianne. Era ridículo. Depois de um tempo ela se virou para mim, preocupada e perguntou: “Tudo bem? Você está tendo um ataque de pânico?”. Eu estava fora do ar, completamente encharcado, enquanto isso a ela, não.

Você não parece o tipo de ator que só faz metade do trabalho.
ROBERT: Exatamente. É o meu próprio suor que se vê na tela. Em The Rover, o meu problema eram as moscas. Eu nunca tinha visto nada parecido. Estávamos constantemente cobertos de sangue falso e uma vez que saiamos, cinquenta moscas começavam a nos rodear . Durante todo o dia, não parava.

O lado glamouroso do deserto australiano.
ROBERT: Nós realmente gravamos o filme no meio do nada. A maioria das pessoas que se vê no filme foram recrutadas no mesmo dia, como esse tipo pequeno que vende uma arma a Guy Pearce e ainda e resmunga: “Porra, porra, porra”. Ele realmente era assim. Houve também um tipo com cara de louco que vemos na loja. Encontraram ele enquanto eles estavam olhando para o lugar. Ele entrou na casa achando que estava deserta e ficou cara a cara com esse tipo e a sua esposa, que estavam nus –  descobriram mais tarde que ela era naturista.

Uma das forças do filme é seu minimalismo. Foi dessa forma no papel?
ROBERT: Sim, essa impressão de desolação estava no roteiro, que havia atingido com o lado “com fome”. O filme é extremamente nu, mas consegue criar um mundo extra-terrestre próprio. A qualidade, o que de certa forma, me fez lembrar de Cosmopolis.

Este filme marcou claramente um ponto de virada na sua carreira. Disse uma vez que tinha “lhe dado bolas”. Ainda estão em crescimento?
ROBERT: Quando se está em um blockbuster, contribui para um conjunto sem realmente saber como. Com os pequenos filmes que faço agora – e provavelmente é por causa dos seus lados ambiciosos – sinto como se eu estivesse a criar algo. É a maneira mais palpável. David Michôd deixou-me tentar muitas coisas diferentes em The Rover, como ter dentes podres ou rapar a parte de trás da minha cabeça, porque eu pensei que fez o personagem mais vulnerável a ter a nuca exposta dessa maneira.

The Rover parece ser uma nova etapa da sua carreira. Também é como você se sente?
ROBERT: A primeira vez que eu senti como se estivesse vendo um adulto quando olhei para mim mesmo na tela, foi quando eu descobri o anúncio Dior que eu filmei no ano passado, dirigido por Romain Gavras. The Rover confirmou esse sentimento, que continuou na vida. O filme eu só filmo com Corbijn. Acho que tenho mais confiança em mim mesmo e essas seleções de Cannes ajudam muito. Depois de ser humilhado por anos por causa de Crepúsculo, o meu ego estava um pouco machucado.

Vê esse festival como uma honra?
ROBERT: Você não faz ideia… É um reconhecimento enorme. Durante muito tempo, eu queria papéis sem realmente saber se eu poderia faze-los. Hoje, sinto-me pronto para assumir riscos e assumir essas escolhas.

Dois anos atrás, você dizia que estava desesperadamente tentando contatar Romain Gavras. Finalmente conseguiu.
ROBERT: O anúncio para Dior foi a única maneira que eu encontrei para contatá-lo com sucesso. Disse a mim mesmo: “Agora, ele finalmente vai responder” .Eu sinto que eu comprei essa chamada… (risos)

Onde surgiu a ideia de fazer parecer como um jovem Belmondo?
ROBERT: Da Dior, até mesmo o conceito original era muito mais sofisticado. Nós realmente mudamos as coisas ao longo do caminho. A maneira que Romain trabalha com o seu diretor de fotografia dá esse resultado extremamente animado. Você tem que saber que não estávamos realmente com permissão para filmar a parte onde eu estou a guiar na praia. Romain fez isso às 7 da manhã, e ele não parava de gritar: “Anda, estamos perdendo a luz!” Que luz? São 07:00! A areia estava molhada, o carro foi ficando preso. Então, eu tive que dirigir à 100 km/h, com as duas modelos na parte de trás, enquanto Romain gritava: “Estamos a perdendo a luz! Estamos a perder a luz!“. Eu nunca pensei que eu já me encontrava nesse tipo de anúncio, mas eu tenho que admitir que foi uma experiência muito positiva. A Dior nos deu uma quantidade muito incrédula de liberdade.

Durante a nossa última entrevista, você disse que um dos seus sonhos era trabalhar com James Gray, o que está para acontecer em breve. (Pattinson em breve vai aparecer ao lado de Benedict Cumberbatch em “The Lost City of Z”)
ROBERT: Eles mudaram as gravações para janeiro, mais uma vez, e eu sou do tipo de ficar cansado de esperar. Será realizado na Colômbia, vai ser uma loucura. Nesse meio tempo, eu poderia filmar algo com Harmony Korine, com quem eu tenho sonhado trabalhar desde os 17 anos, como com James Gray. Eu continuo a perguntar-lhe sobre o que o filme é, mas ele não quer dizer.

Você acabou de adicionar Werner Herzog para o seu currículo! (“Queen of the Desert”, com Naomi Watts!)
ROBERT: Eu não esperava nada disso. É um papel muito pequeno, mas eu adorei trabalhar com ele. Seja qual for o assunto, ele sempre terá uma história improvável ou uma anedota para contar. Nós estávamos a filmar quando o julgamento de Amanda Know (uma americana acusado de matar um de seus companheiros de quarto em Itália) foi reaberto e Herzog disse-nos muito a sério: “Eu vi os documentos que o público nunca viu e eu posso lhe garantir que ela é culpada” (risos). Evidentemente, eu não acredito.

Você ainda é popular com paparazzi ou a histeria diminuiu?
ROBERT: Eu sou melhor em não ser visto. A última vez que fui para Londres, eu não fui fotografado uma única vez. O meu melhor amigo me disse: “A próxima vez que tirar uma foto, lembre-se deste período de tempo em que você esteve sozinho. Não pense nisso como um prolongamento de todos os anos que tiraram fotos, mas como um incidente isolado“. Ele está certo. Antes, eu enlouquecia, por vezes, quando a minha foto era tirada nas ruas. É diferente quando se é um tipo, porque além da invasão de sua vida privada, é também a sua masculinidade que é ridicularizado de alguma maneira. Acaba cara a cara com os tipos que tiram fotos com nenhum cuidado no mundo e não pode fazer nada sobre isso… Haviam momentos em que eu literalmente queria matá-los. Eu acalmei desde então .Bem, eu acho que sim, mas pode ser apenas porque é mais raro. O que está mal em tudo isso, é que o meu trabalho é pago para fazer de outras pessoas. Como quer que o público o vá encontrar credível, se, a cada dia, o meu rosto está num tablóides a mostrar-me nas compras de um supermercado?

Então acaba com as suas compras sendo entregues em casa?
ROBERT: Não, eu encomendo no Domino Pizza todos os dias. (risos)

Muitas vezes vemos atores aceitarem blockbusters entre filmes independentes, explicando que é necessário, a fim de ser capaz de estar em mais projetos “artísticos”. No seu caso, decidiu abandonar grandes filmes de estúdio…
ROBERT: Sim, porque eu não acredito nessa ideia que tem de alternar entre os dois. O público não se importa se faz um filme “grande” ou um filme “pequeno”. As pessoas só querem vê-lo num bom filme. Às vezes, alguns atores deslocam-se de um grande filme para outro, até que um dia em que tudo pára imediatamente. E nesse momento, eles acabam desamparados: “Eu não entendo, eu fiz o jogo”. Exceto que não há regras. Tudo pode desabar a qualquer momento. A vantagem se isso acontecer comigo é que eu posso sempre fazer algumas centenas de dólares, assinando autógrafos em convenções de Crepúsculo. (Risos)

Quanto tempo acha, que vai demorar Hollywood para refazer a saga?
ROBERT: Eu não faço ideia. Eu acho que a era dos vampiros é mais, não é? É engraçado, há poucos dias eu me lembrei de filmar uma cena de Crepúsculo com alguém. Eu acho que é a primeira cena do último filme, quando Bella acorda e vê Edward, um pouco como uma aparição. Estávamos filmando a um mês no Canadá no frio, eu estava tão perto de ficar deprimido, e a única coisa que eu encontrei para me sentir melhor foi tomar meu café da manhã no McDonald todas as manhãs. Após quatro semanas, chegou o momento de filmar aquela cena e eu estava vestindo uma camisa branca com a luz vindo de trás de mim. Quando eu assisti a cena logo depois, eu percebi que poderia ver o contorno dos meus pneuzinhos recém-adquiridos. Recentemente, vi o filme na TV e eles ainda estão lá agora.

Depois de todos estes anos, eu estou surpreso de ver ainda há histórias para contar sobre Crepúsculo…
ROBERT: Quando eu acho que o primeiro filme saiu há seis anos e que eu consegui o papel em 2007, parece loucura a mim. A maior parte dos meus vinte anos terá sido focada nisso. Quando o segundo filme saiu, eu entendi que me levaria pelo menos dez anos para ser eu mesmo novamente e passar para outra coisa.

Os dois filmes que vai apresentar no Festival de Cannes provam que vai ter precisado de menos de dez anos para alcançá-lo …
ROBERT: Estou realmente animado com a idéia de voltar ao festival. Eu adoraria se todos os meus filmes fossem selecionados. Por enquanto, os três últimos filmes que eu fiz desde o final de Crepúsculo foram. Eu farei tudo o que puder para manter este objetivo.

Foram divulgadas também as fotos originais do ensaio para a revista. Veja à seguir em nossa Galeria de Fotos!


x Photoshoots > 2014 > Premiere

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo