A Style Magazine Itália traz uma matéria especial sobre o Robert e novo perfume da Dior “I’m Your Man” na sua edição fevereiro! Confira a tradução completa da matéria e os scans na nossa galeria:


SCANS > INTERNACIONAIS > 2021 > FEVEREIRO 2021 – STYLE MAGAZINE (ITÁLIA)

Robert Pattinson e o perfume de um homem em formação.

“I’m your man” e a nova sensualidade masculina: uma história de criatividade, paixões e personalidade bem mesclada.

“Se você quiser um amante, farei tudo o que me pedir, se você estiver procurando outro tipo de amor, eu usarei uma máscara por você, se você quiser um parceiro, me pegue pela mão, e se você quiser me bater com raiva, aqui estou: eu sou o teu homem”

Em 1988, quando os comerciais ainda eram atormentados pelo machismo absorvido, o então Leonard Cohen de 53 anos já demonstrava, na música que deu o título ao seu “álbum de retorno” I’m your man, uma formidável figura masculina à sua disposição. Pronto para ser explorado, para se transformar de acordo com as necessidades e desejos do outro, para absorver qualquer papel: parceiro, brinquedo de pelúcia ou saco de pancadas. A boa notícia, 33 anos depois, é que a voz cálida e cavernosa de Leonard levou a melhor: Hoje “I’m your man” age como uma reivindicação e é a trilha sonora de um perfume masculino que retrata o homem contemporâneo, com o rosto de Robert Pattinson. A matéria nesta edição da Style conta a história do processo de elaboração de um comercial da Dior Homme. Com um elenco particularmente alimentado por personalidades, referências e inspirações.

Sensualidade na embalagem e no design: ao centro, o novo frasco Dior Homme, em vidro e acrílico.

Robert Pattinson, um Marlon Brando versão 2021. Mais imagens anexadas na brochura da Style.

Todos os homens da Dior Homme, portanto: vindos de diferentes áreas da criatividade, e envolvidos não apenas no lançamento de um perfume, mas numa operação muito mais ambiciosa: a tentativa de repensar as linhas de uma nova sensibilidade masculina.

A fragrância e seu criador.  Se para o perfume Dior Homme podemos falar de um “pai”,  esse título só pode ir para François Demachy, o atual diretor de perfumes do grupo LVMH, e desde 2006 o “nariz” dos perfumes Dior.  Cresceu no sul da França em Grasse, centro de destilação de lavanda que se tornou o epicentro mundial da perfumaria, ele é um guru mundial do olfato, que por toda a vida mergulha em tubos de ensaio e alambiques para destilar, em equilíbrio entre ciência e poesia, a personalidade de cada fragrância individualmente.  Em Dior Homme, Demachy quis dar “uma assinatura viril evidente, que não o impede de desenvolver toques ternos e sensuais” como notas de bergamota, pimenta rosa e elemi (resina semelhante ao incenso), em um núcleo sólido e quente de madeira: cedro de Atlas, vetiver do Haiti, patchouli;  arrematado por Iso E, um composto aromático caro aos “narizes”. Eau de Toilette, o coração da Dior Homme, é ladeado por Cologne (mais fresca), a versão Sport (com um elemento extra cítrico) e Homme Intense eau de parfum (com notas esfumadas). No geral, é “o retrato de um homem moderno”.

Uma canção sublime, uma “overdose de madeiras quentes” e uma estrela que vira homem, em um comercial cinematográfico.

Um filme e sua estrela. “I’m your man”: desde 2006, o homem da Dior tem sido o ator de 34 anos, Robert Pattinson, de Londres. Na campanha de imagem, e em particular no comercial de 75 segundos, ambientado em uma noite nova-iorquina, sobre um remix da música de Cohen, segundo o sociólogo da mídia Nello Barile se trata de “um imaginário retrô de Hollywood (com referências de James Dean a Marlon Brando) que encarna a própria figura da imagem sugerida: masculina, sensual e aberta à brincadeiras, mas também protetora (na cena breve e significativa em que caminha em direção a três figuras indistintas que avançam ameaçadoras).  Uma virilidade não arrogante, mas compreensiva. Imagem refletida nas cenas de casal, em que ele flerta no restaurante, no abraço contra a ponte de Queensboro, e naquele beijo deitado (como Paul Newman e Joanne Woodward na famosa foto de 1963). E em suas sequências “solo”: um pouco boxeador, e um pouco dançarino.

Os diretores e o homem. Dirigindo o comercial, Guillaume e Jonathan Alric, uma dupla de primos franceses que, com o nome artístico de The Blaze, exploram, entre a música e o vídeo, um mundo de fisicalidade e impulsos (de Virile a Territory). Recrutados para a campanha da Dior Homme, eles se uniram imediatamente a Pattinson. “Demos a ele nossa playlist e um treinador de dança; nós o envolvemos de luz e colocamos dois operadores, um com uma câmera atrás dele e outro com uma SteadyCam: lentamente ele fez gestos e movimentos incríveis ”. E ele, que dança sozinho, e irradia uma personalidade quente, sem rodeios, mas sim desejando e amando já não é ator, é o homem da Dior Homme.

Fonte: @sallyvg | Tradução: Amanda Gramazio e Maya Fortino

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.