Photoshoot + Entrevista traduzida para a GQ: Narrativas do isolamento

Robert Pattinson, que atualmente está em quarentena em Londres, é a capa da GQ Magazine edição junho/julho 2020. Provando que é multitalentoso, Robert foi quem tirou as próprias fotos para o artigo e capa da revista! As fotos foram tiradas no apartamento que ele está em isolamento desde o final de março uma vez que as gravações de The Batman foram paralisadas devido a pandemia. Confira a tradução completa da entrevista que Robert concedeu para GQ Magazine (por vídeo chamada) e as fotos de sua própria autoria:

Robert Pattinson: Narrativas do isolamento
Ninguém em Hollywood é mais adequado para crescer durante o confinamento do que Robert Pattinson, a estrela de cinema, que já foi relutante, mas  está voltando aos holofotes com um novo sucesso de bilheteria de Christopher Nolan e depois, The Batman. Isso se ele puder encontrar o telefone. Ou ligar o computador. Ou conseguir não queimar sua cozinha.
Por Zach Baron

Robert Pattinson: [embaçado, pixelizado, com a barba por fazer] “Não sei como isso vai funcionar. Meu telefone quebrou, a internet quebrou, tudo quebrou. Eu sou tipo: ‘O que? Por que tudo está atualizando e como faço para parar?’”

GQ: Você não pode atualizar nada. Isso é perigoso.
Robert Pattinson: “Eu sei. Acho que nunca pressionei “atualizar” na minha vida. Eu sempre adio para amanhã. Nunca atualizei! Espere, deixe-me tentar com o meu, deixe-me tentar e conectar o meu ah, na verdade, você sabe o que? Eu nem vou tentar fazer um Bluetooth. Eu vou silenciar da maneira antiga. Meus fones de ouvido. Hum, como você está? Onde você está?

No outro dia – ou foi essa semana? Um mês atrás? Robert Pattinson luta com dias e datas, mesmo nas melhores circunstâncias – A produção de O Batman, que Pattinson estava filmando, foi paralisada, junto com a maior parte da civilização humana. “Quase imediatamente perdi totalmente a noção do tempo”, diz Pattinson. Ele tem esse sentimento, o que todos temos agora, de girar no espaço, na ansiedade e na história. Ele diz que era algo realmente muito familiar se sentir assim. “É uma reclamação que muitas pessoas têm sobre mim. Essa noção … não tenho noção do tempo. Eu acho que algo que aconteceu há dois anos atrás poderia realmente ser uma semana atrás. Definitivamente, é uma reclamação sobre minha personalidade.”. Ele diz que três pessoas diferentes ligaram para ele, para lembrá-lo de me ligar.

Ele está em Londres com a namorada, no apartamento que o pessoal do Batman alugou para ele. Ainda comendo as refeições que o pessoal do Batman está oferecendo, embora no outro dia ele tenha ficado nervoso, que eles possam parar ou esquecer. Ou se os donos do apartamento dele precisariam dele de volta ? Ele veio para Londres com, tipo, três camisetas. O resto de suas coisas, ele diz, está em sua casa em Los Angeles, onde ele realmente vive. Sua internet em Londres está entrando e caindo. Seu laptop não está funcionando. Ele tem dois telefones, um deles está recebendo um bom sinal, e agora todo o sistema está funcionando com duas ou três barras de sinal: “Todo dispositivo de Internet está operando neste 3G, como em um iPhone 4.”

O estúdio contratou um treinador que deixou Pattinson com uma bola Bosu, um único peso e um pedido sincero de usar as duas coisas, mas agora, ele diz, ele está ignorando p pedido. “Acho que se você está malhando o tempo todo, você faz parte do problema”, diz ele, suspirando. Por “você” ele quer dizer outros atores. “Você estabeleceu um precedente. Ninguém estava fazendo isso nos anos 70. Até James Dean, ele não foi exatamente malhado”. Ele diz que, quando era a estrela da franquia Crepúsculo, “a única vez em que me disseram para tirar minha camisa, logo me que me disseram para colocá-la novamente”. Mas Batman é Batman. Pattinson chamou outra atriz do filme, Zoë Kravitz a Mulher Gato, outro dia, e ela disse que estava se exercitando cinco dias por semana durante o exílio. Pattinson, bem: “Literalmente, mal estou fazendo qualquer coisa”, diz ele, suspirando novamente.
É possível que você não consiga construir uma pessoa mais adequada a essa experiência. Pattinson, que completou 34 anos em maio, passou a vida adulta se separando do resto do mundo. Ele tinha 21 anos quando foi escalado no primeiro filme da Saga Crepúsculo, como o vampiro principal do que se tornou uma saga de cinco filmes cada vez mais populares sobre a luxúria adolescente no noroeste do Pacífico. A parcela final da franquia, que transformou Pattinson e sua co-estrela, Kristen Stewart, em duas das pessoas mais famosas do mundo, saiu em 2012 e arrecadou mais de US$ 800 milhões em todo o mundo. Mas a essa altura, ele já havia sumido.

Ele estava estrelando filmes de David Cronenberg. Ele estava em sets na Austrália, no Canadá ou na cidade de Nova York, onde passeava pelas ruas disfarçado, tentando desenvolver o sotaque certo para o bairro de Josh e Benny Safdie. Ele estava interpretando inocentes, rivais, forasteiros, pessoas que babavam, choravam e se masturbavam, nos filmes de Werner Herzog, James Gray, Anton Corbijn. Ele estava se tornando, filme por filme, um dos atores mais interessantes do mundo. E quando ele não estava trabalhando? Ele estava se escondendo. De paparazzi, às vezes. Do sistema de estúdios de Hollywood, para outros. De todas as coisas estranhas que o mundo joga contra jovens atores que já têm muito. Ele estava andando por casas grandes demais em Los Angeles, em bairros onde não podia sair. “Passo tanto tempo sozinho, porque você sempre é praticamente forçado a isso, que não consigo me lembrar de como era não ter esse tipo de estilo de vida”, diz Pattinson. Agora ele está conversando com seus amigos e familiares, que estavam tendo que fazer a mesma coisa. “Eu apenas percebo que todo mundo é tão vulnerável ao isolamento”, diz ele. “É muito chocante.”

Claire Denis, que dirigiu Pattinson em High Life em 2018, diz que mandou uma mensagem para ele no outro dia, fazendo um check-in. “Eu perguntei pra ele, se não estava muito terrível ficar confinado. E ele disse: ‘Oh não, Claire. Eu aguento. ‘É tão bom poder dizer isso. ”

Pattinson está em Tenet, dirigido por Christopher Nolan, que deve sair em julho. Ele tem um filme menor, o gótico noir The Devil All the Time, que será lançado na Netflix neste outono. O Batman deveria sair no verão do próximo ano, mas já foi transferido para outubro de 2021. Depois de anos evitando filmes de grande orçamento e os holofotes que os acompanham, Pattinson está no meio de alguns filmes gigantes seguidos. Então o mundo parou e, com ele, suas ambições, por mais tentativas que sejam ou possam ter sido. Ainda assim, ele teve a sorte de superar esta experiência peculiar incólume, pelo menos até agora. Ele tem sorte de saber como ficar sozinho. O que ele ainda não descobriu é como fazer qualquer outra coisa, como sair. “Fui dar uma volta pelo parque hoje”, diz ele. “Estou com tanto medo de ser preso. Você pode correr por aqui. Mas o terror que sinto disso é extremo”. Ele está nervoso assim mesmo. Apenas voltando ao mundo, mas só assim que o mundo finalmente voltar? Essa pode ser a parte mais difícil. “Ontem eu estava apenas pesquisando no Google, estava no YouTube para ver como fazer macarrão no microondas. (risos)”

GQ: Isso não existe.
Robert: “Coloque em uma tigela e coloque no microondas. É assim que se faz. E também, realmente, realmente não é uma coisa que existe mesmo. O que é realmente revoltante. Mas, quero dizer, quem teria pensado que realmente faz com que o gosto seja realmente nojento?”

GQ: Como você está realmente sobrevivendo?
Robert: “Estou essencialmente em um plano de refeições para o Batman. Graças a Deus. Não sei o que estaria fazendo além disso. Mas quero dizer, sim, além disso – eu posso sobreviver. Como aveia com proteína de baunilha em pó. E eu mal vou misturo tudo. É extraordinariamente fácil. Como, como de latas e outras coisas. Vou literalmente colocar o Tabasco dentro de uma lata de atum e comê-lo da lata.”

GQ: Você treinou toda a sua vida para isso, aparentemente.
Robert: “Eu … é estranho, mas minhas preferências são … meio que como um animal selvagem. [risos] Tipo, de uma lata de lixo”.

Um dia, pergunto a Robert Eggers, que dirigiu Pattinson no filme O Farol do ano passado – no qual Pattinson interpreta um homem levado à loucura e ao homicídio aviário por isolamento e solidão – por que ele escolheu Pattinson em seu filme. “Bem”, Eggers diz, de sua própria solidão em Belfast, “essa qualidade paranoica do Rob que você sente na vida cotidiana, eu acho, que é o motivo pelo qual Josh e Benny o queriam em Good Time e por que eu achava que faria isso muito bem em O farol. Embora ele seja bom o suficiente para se transformar. Mas acho que a qualidade paranóica é algo especial para ele. ” E você sente essa qualidade paranoica. Mesmo quando você está olhando para ele através do vidro, distância e tempo. Pattinson tem uma energia generosa, mas completamente caótica. Hoje ele está usando um chapéu preto da Carhartt e uma camiseta branca, e alterna pedaços de coca-cola com pedaços de chiclete da Nicorette – apenas um após o outro após o outro. “Tão nojento”, diz ele alegremente. Ele começa e para frases no meio como um quebrado. Às vezes, ele perde tantas palavras seguidas, intercaladas com tantos suspiros pesados e risadas nervosas, que você, momentaneamente, pensa que ele está falando um idioma completamente diferente.

Pattinson já tem idade suficiente para admitir que existe um método para o modo nervoso como ele aborda o contato humano, uma espécie de cálculo por trás dele. “Sinto que preciso de adrenalina apenas para funcionar”, diz ele. “Caso contrário, eu literalmente fico sentado lá. Eu sou apenas um grogue. Eu me exalto em um estado de tensão nervosa antes de quase qualquer coisa. Eu tive o mesmo processo em todos os trabalhos. Eu fico super empolgado, tenho muitas idéias sobre as coisas e, quanto mais perto você chegar do trabalho, é o mesmo ciclo em que sua confiança cai completamente, você se odeia e então procura alguma desculpa. Você está procurando a estratégia de saída antes mesmo de começar. “. Ele diz que seus agentes nem sequer ouvem suas chamadas de pânico para esse efeito. Eles dizem a ele: Este é apenas o seu processo. “Ele tem essa capacidade muito natural de fazer parecer que tudo é caos, estilo livre, ele está apenas saindo ao vento e seguindo instinto”, diz John David Washington, com quem estrela Tenet. “Mas ele é muito concentrado no que está tentando fazer, apesar de suas histórias e sentimentos.”

Pattinson diz que costumava beber 5.000 xícaras de café antes de entrevistas como essa, e depois desmaiar “e dormir por dois dias”. Ele diz que faria questão de dizer a coisa mais louca que ele pudesse pensar. “Gostava de dizer coisas provocativas porque achava engraçado. Fico muito desconfortável por fazer coisas sérias.”. De repente, ele se vira para o computador quebrado. “Literalmente, pouco antes disso, eu estava tentando encontrar minhas anotações sobre o filme, e aquilo, como …”

Leva um momento para eu perceber o que está acontecendo. Que anotações? Que filme? Acontece que ele quer dizer Tenet, ele quis dizer as anotações que escreveu no ano passado, quando ele estava começando o filme. “Quando eu estava olhando as notações”, diz Pattinson, “eu estava pensando: ‘Ah, sim, são ideias muito boas’. E era disso que se tratava. ’ É engraçado, porque eu esqueci totalmente, tipo, eu esqueci totalmente muitas das coisas dos personagens. Você já viu o filme, a propósito?

“Não.”

“Eu também não vi.”

“Você quer me dizer do que se trata?”

“Mesmo que eu já tivesse visto, realmente não sei se seria capaz … estava pensando, liguei para minha assistente há 20 minutos: ‘Que porra eu digo? Eu não faço ideia.’

“O que seu assistente disse?”

“Ela é muito mais inteligente do que eu. Como, ela foi para a faculdade e outras coisas. E eu sou como posso dizer … todas essas coisas, e fiquei tipo, ‘Oh Deus, não. Eu não posso nem fazer besteira no meio caminho. ‘

Por um minuto, ele tenta, no entanto. “Isso é tão insano”, diz ele. Ele diz que eles tinham uma tripulação de cerca de 500 pessoas, e 250 deles voariam juntos, apenas pegando aviões para diferentes países. “E em cada país há uma enorme cena de peça, que é como o clímax de um filme normal. Em todos os países. ” Alguns dias depois, ligo para o próprio Christopher Nolan, para perguntar se Pattinson estava brincando comigo por dizer não saber o enredo do filme que ele acabara de terminar.

“O interessante de Rob é que ele está levemente brincando com você”, diz Nolan, rindo um riso inglês reservado. “Mas ele também está sendo incrivelmente honesto. É o tipo das duas coisas ao mesmo tempo. Quando você assistir o filme, entenderá. A leitura de Rob no roteiro foi extremamente aguda. Mas ele também entendeu as ambiguidades do filme e as possibilidades que surgem na mente em torno da história. E assim as duas coisas são verdadeiras. Sim, ele está brincando com você, porque ele teve uma compreensão completa do script. Mas uma compreensão completa do roteiro, no caso de Tenet, é aquela que entende e reconhece a necessidade desse filme viver na mente do público e sugerir possibilidades na mente do público. E ele era muito bom com nisso.”.
Pattinson: [tentando novamente descrever o enredo de ‘Tenet’], esqueci muitas coisas no começo do filme. Eu estava tão obcecado em assistir os debates de Christopher Hitchens. Você conhece Christopher Hitchens?
GQ: Claro.
“Muitas coisas do meu personagem, eu estava tentando fazer uma representação de Chris Hitchens, e esqueci completamente que estava fazendo isso até ver minhas anotações. Eu sou tão curioso. Quero dizer, eu literalmente não vi nenhuma imagem desse filme. Agora, estou imaginando Christopher Hitchens como um viajante do tempo. Ele não é um viajante do tempo. Na verdade, não há viagens no tempo. [risos] Essa é a única coisa que eu posso dizer.” Juliette Binoche me envia um e-mail, tentando descrever Pattinson, e parte do que ela diz faz muito sentido para mim. “Toda vez que vejo Rob, sempre me sinto próxima dele. Não tem nada a ver com tempo. Vejo sua solidão. , sua necessidade de conversar, sua necessidade de compartilhar experiências ”, e algumas delas me interessam. “Sua busca pela verdade é implacável”, ela escreve, e “isso explica também suas necessidades de entrar em mundos diferentes: filmes e filmes”. Acho que por filmes ela se refere às coisas de Hollywood que ele está começando a fazer novamente agora, em comparação com os filmes independentes em que ela estrelou com ele ao longo dos anos, começando com Cosmopolis de 2012.

Mas Pattinson rapidamente lhe dirá que a divisão entre os dois é apenas uma divisão para ele. Não é que ele não tenha consciência da percepção, que ele é um protagonista de um garoto bonito que passou anos repudiando tanto sua beleza quanto seu protagonismo. Só que ele não concorda totalmente com isso. “Eu olho para os filmes de Crepúsculo”, diz ele, “e acho que, de muitas maneiras, eles parecem mais com filmes existenciais artísticos do que com alguma coisas que foi intencionalmente feita para isso.” E então, o que veio a seguir, todas as coisas enfaticamente não-Twilight que ele fez – bem, ele fez esses filmes porque eram o gosto dele o tempo todo, não porque ele estava tentando provar alguma coisa. “Eu cresci gostando de filmes clássicos, e então eu realmente gostava de assistir filmes quando era adolescente”, diz ele. “Eu queria trabalhar com essas pessoas. Mas não sabia que realmente podia.

Então ele percebeu que podia. Ele percebeu que os agentes de Hollywood não sabiam mais sobre o que ele poderia fazer do que ele, Robert Pattinson, sabia. “Porque você é categorizado rapidamente, do jeito que parece”, diz ele. “E se você é um inglês alto e meio de cabelos fracos, frequentou uma escola particular e começa a atuar, bem, está em dramas de época. Mas não gosto de dramas de época. E então você luta contra isso. ” Em algum momento, ele me contou, descobriu que estava recebendo ofertas para o personagem loiro quando queria ser o outro: “Eu basicamente sempre quis os papéis que chamavam os magros com cabelos pretos.”

E foi assim que ele interpretou os papéis que exigiam homens magros de cabelo preto: irmãos mais novos chorões (The Rover), aspirantes a Hollywood e garotas de programa (Maps to the Stars, Life), exploradores desarrumados (The Lost City of Z, High Life) e bandidos mesquinhos (Good Time).

“Durante muito tempo, gostei de fazer parte da insegurança, de onde a energia vem da insegurança”, diz Pattinson. “E então ficou meio chato, então eu gostei de jogar basicamente o oposto, que são pessoas que não têm absolutamente nenhuma vergonha e nenhum medo depois. E então eles eram pessoas que estão muito no pé da frente, tipo, tomando decisões dinamicamente. É estranho. Se você continuar tocando, ele realmente começa a se espalhar depois. Então, se de alguma forma você continua jogando perdedor passivo, você se sente como um depois de um tempo. ”

Ele é honesto sobre o fato de que, de certa forma, ele estava apenas mapeando sua mudança psicológica como um ser humano em seu trabalho. Ele estava evoluindo sobre quem ele era através das partes que estava interpretando, de alguém que parecia não pertencer a alguém que estava começando a se divertir, fazendo o que fazia, a alguém que se sentia bem no controle pela primeira vez. E então, no ano passado, ele bateu em uma parede. Não um muro de trabalho, por si só, mas um muro da vida, um muro da carreira. “Comecei o início do ano passado sem emprego. E eu estava ligando para o meu agente e só estava tipo – eu tinha recebido boas críticas nas coisas – e eu fiquei tipo, ‘Que porra é essa? Eu pensei que este era um ano muito bom, e estou começando o ano como se tivesse acabado de fazer uma pilha de lixo. ‘”E o que os agentes dele disseram foi: você não está na lista. Aquela lista mítica de atores da lista A considerados para partes da lista A. Não necessariamente porque ele não era procurado. Mas porque disseram a ele: “Todo mundo acha que você não quer fazer nada disso”.

Mas o que Pattinson estava percebendo era: na verdade, ele queria. Ele queria mais segurança, menos dúvida. “Apenas algo em que você poderia confiar um pouco mais”, diz ele, suspirando. “O problema que eu estava encontrando era que, por mais que eu adorasse os filmes que estava fazendo, ninguém os vê. E isso é meio assustador, porque não sei o quão viável isso é para uma carreira … Não sei quantas pessoas existem na indústria que estão dispostas a apoiá-lo sem qualquer viabilidade comercial. ” Foi nessa época, no início do ano passado, que Christopher Nolan, o único diretor que faz o que são essencialmente filmes de arte – em sua singularidade de visão e pureza de execução – nos maiores e mais comerciais dos níveis de Hollywood, ligou. Nolan disse que viu as coisas que Pattinson estava fazendo em Good Time e The Lost City of Z e ficou fascinado com isso. “Rob parecia estar exatamente no lugar certo em sua carreira para querer vir e inventar comigo”, disse Nolan. E Pattinson descobriu que ele era. Ele estava pronto para tentar a lista novamente. E então, talvez no primeiro dia de filmagem de Tenet, Pattinson também foi escolhido como Batman.

GQ: Posso perguntar por que o Batman é algo que você queria fazer? Eu posso pensar em várias razões para querer fazer isso. Mas também posso, francamente, pensar em várias razões para não querer fazer isso.
Robert: Quais são as razões para não fazer isso? (risos)

GQ: Bem, você acabou de estrelar um filme de Christopher Nolan; Nolan já fez três filmes icônicos do Batman. Além disso, eu penso em você como um ator bastante específico, e Batman é tanto um arquétipo quanto um personagem a ser interpretado.
Robert: Às vezes, acho que as desvantagens – nas quais eu definitivamente pensei – as desvantagens parecem meio positivas. Eu meio que gosto do fato de não apenas haver versões muito, muito, muito bem feitas do personagem que parecem bastante definitivas, mas eu estava pensando que existem várias interpretações definitivas do personagem. Eu estava assistindo a produção de Batman e Robin outro dia. E mesmo assim, George Clooney estava dizendo que estava preocupado com o fato de que isso já havia sido feito, e que muito do terreno que você deveria preencher com o personagem já foi explorado. E isso está em 96, 97?

GQ: Sim, 1997.
Robert: E depois há Christian Bale e Ben Affleck. E então eu estava pensando, é divertido quando mais e mais características são exploradas. Como, onde está a lacuna? Você já viu esse tipo de versão mais leve, um tipo de versão cansada, um tipo de versão mais animalesca. E o enigma disso se torna bastante satisfatório, ao pensar: onde está minha abertura? E também, tenho algo dentro de mim que funcionaria se eu pudesse fazê-lo? E também, é uma parte do legado, certo? Eu gosto disso. Há tão poucas coisas na vida em que as pessoas se preocupam apaixonadamente com isso antes mesmo de acontecer. Você quase pode sentir esse empurrão da antecipação, e isso meio que energiza você um pouco. É diferente de quando você está fazendo uma parte e existe a possibilidade de que ninguém a veja, certo? De certa forma, não sei … Isso faz com que você fique um pouco picante. (risos)

Alô? Alô? [O telefone desconecta. Pattinson liga de volta.] O que aconteceu?
Meu telefone morreu. O que você estava dizendo?
Você estava falando sobre medo. Você estava se preparando para dizer algo que me empolgava em relação ao terror e ao Batman, mas agora perdi o fio.
Minha, hum, minha relações públicas sempre me liga depois de uma entrevista, e ela fica tipo: “Existe alguma coisa, tipo, existe algum tipo de incêndio que você acendeu agora? O que tenho que consertar para você agora? E eu fico como, “eu nem me lembro de nada que eu disse.”

Alguns dias depois, Pattinson decide cozinhar para mim. Ou cozinhar na minha frente, de qualquer maneira. No FaceTiming, concordamos, era difícil, cansativo. Estávamos um pouco cansados de nos olhar. Mas o que dois homens podem fazer juntos quando estão em diferentes continentes, em diferentes fusos horários? Pattinson pensou: cozinhar. Ele tinha noções de Top Chef, fotografando nossas respectivas geladeiras e depois lutando contra ela. (Nenhum de nós realmente viu o Top Chef.) Mas então ele olhou em sua geladeira e “os ingredientes que estavam aqui são tão totalmente independentes um do outro. Não há como reuni-los. ” Então ele foi à loja da esquina, e agora aqui está ele, com um plano.

Eu gostaria de poder dizer se o que estou prestes a descrever aqui é um pouco de, ou uma peça de arte performática, ou é de fato sincero – mesmo agora, eu não sei totalmente. Eu acho que partes dele são reais e partes não podem ser reais. “Ele não é mau”, diz Claire Denis sobre Pattinson. “Mas ele está sempre tentando escapar um pouco. Ele não quer que você coloque suas garras muito fundo nele. Às vezes eu esqueço e enviarei uma mensagem para ele com algo um pouco pessoal. E ele sempre responderá: hahahaha. “Esse é o limite, Claire. Você sabe?”
Eu sei.
De qualquer forma, a história que Pattinson conta para anteceder o que ele está prestes a fazer é aproximadamente isso: No ano passado, ele diz, ele teve uma ideia de negócio. E se, ele disse a si mesmo, “as massas realmente tivessem o mesmo tipo de credenciais de fast-food que hambúrgueres e pizzas? Eu estava tentando descobrir como capitalizar nessa área do mercado, e estava pensando: como você faz uma massa que pode segurar na mão? ” Ele diz que chegou ao ponto de projetar um protótipo que envolvia o uso de um grelhador panini e, segundo ele, foi ainda mais longe, marcando uma reunião com a realeza do restaurante de Los Angeles Lele Massimini, cofundadora da Sugarfish e proprietária da o restaurante de massas Santa Monica Uovo. “E eu disse a ele meu plano de negócios”, lembra Pattinson, “e sua expressão facial nem mudou depois. Muito menos reconhecer qual era meu plano. Não havia absolutamente nenhum sinal dele, literalmente. E isso meio que me deixou um pouco chateado. ” (Massimini diz: “É 100% verdade, tudo o que ele lhe disse.”)

No entanto, diz Pattinson, ele concebeu um nome de marca para seu produto, um apelido pequeno e macio que meio que resumia como ele pensava que sua criação de massas era: Piccolini Cuscino. Travesseiro. Ele pensou que daria outra chance ao produto comigo agora: “Talvez se eu disser na GQ, talvez um parceiro simplesmente apareça.”

Então ele agora pega a sacola que trouxe da loja da esquina, da qual produz o seguinte:
Uma (1) caixa de flocos de milho gigante, imunda e coberta de poeira. (“Fui à loja e eles não vendiam migalhas de pão. Eu fico tipo, ‘Oh, foda-se! Só estou recebendo flocos de milho. Isso é basicamente a mesma merda.’”)
Um (1) isqueiro incrivelmente grande e inovador. (“Eu sempre gostei da ideia de fazer um pouco de flambé, como o nome da marca, com um tipo de ponta queimada no topo.”)
Nove (9) pacotes de queijo em fatias. (“Eu recebi, nove pacotes de queijo em fatias.”)
Molho. (Como um molho de tomate? “Qualquer molho.”)
Ele coloca luvas de látex. Ele tira um pouco de açúcar e papel alumínio e faz uma cama, uma espécie de esfera oca, com o papel alumínio. Ele segura uma caixa de macarrão penne que tinha em casa. “Tudo bem”, diz Pattinson. “Então, obviamente, as primeiras coisas primeiro, você precisa colocar o macarrão no microondas”.
Observo enquanto ele derrama o penne seco em uma tigela de cereal, a cobre com água e a coloca no microondas por oito minutos. Ele diz que usar penne já é um novo território para ele. Geralmente ele usa … bem … “Você conhece a massa que é, tipo, um pouco, é como uma bolha, uma espécie de bolha ondulada?”
“Nhoque?”
“Não, não, não, não, parece – como você chamaria isso? Parece uma espécie de bagunça … tipo, o coque de cabelo de uma garota.
“Eu literalmente não tenho ideia do que você está falando”, eu digo.
“Havia um tipo de macarrão que funcionava. Definitivamente não era penne. ”

No entanto, penne e água no microondas por oito minutos. Enquanto isso, ele pega a folha e começa a despejar açúcar em cima dela. “Depois de muita experimentação, descobri que você realmente precisa congelar tudo em uma quantidade enorme de açúcar e queijo”. Então, depois do açúcar, ele abre seu primeiro pacote de queijo e começa a estratificar fatias após fatias na folha de açúcar. Depois, mais açúcar: “Ele realmente precisa de uma crosta de açúcar”.

Então ele percebe que esqueceu a camada externa, que deveria ser migalhas de pão, mas hoje serão flocos de milho triturados, e então ele levanta a pilha de queijo e açúcar e quebra alguns flocos de milho na folha de alumínio antes de colocar o queijo com açúcar de volta, no topo disso. Então ele adiciona molho, que é vermelho. O microondas apita e Pattinson prontamente se queima na tigela de macarrão. Ele suspira pesadamente, olhando para ele. “Não faço ideia se está cozido ou não.” Ele joga o macarrão de qualquer maneira. Neste ponto, seus espíritos começaram visivelmente a embandeirar. “Quero dizer, não há absolutamente nenhuma chance disso funcionar. Absolutamente nenhum.”

O pequeno travesseiro agora quase todo construído, ele derrama mais açúcar por cima e depois produz a metade superior de um coque, que ele esvazia, coloca-o em cima do resto do que diabos é isso, e … começa a queimar topo do pão com o isqueiro gigante novidade. “Eu só vou fazer as iniciais. …” “Parece que você está cozinhando metanfetamina”, eu digo, porque parece. “Estou realmente tentando vender esta empresa. Estou fazendo isso pela minha marca. ” Nesse ponto, ele acidentalmente acende uma de suas luvas de látex, que imediatamente derrete na palma da mão. Ele grita de dor. Depois, ele cautelosamente segura o produto acabado: alguma aproximação de um P, seguida de um C, para Piccolini Cuscino, queimado no topo de um pão de hambúrguer. Ele começa a embrulhar a coisa toda com mais papel alumínio e, em seguida, compacta e embrulha um pouco mais e depois aperta novamente. De repente, ele para: “Você pode colocar papel alumínio no forno?” Eu digo que sim, você pode, mas o que você absolutamente não pode fazer é colocar papel alumínio no microondas. E ele diz legal, legal, e depois procura seu forno, que nunca havia usado antes, e esta é uma casa agradável, então há várias opções, e a que ele instala, bem: parece outro microondas para mim. Ele me garante que não é. “Eu acho que provavelmente … 10 minutos?” Ele coloca a esfera de alumínio, o pequeno travesseiro, no que ele acha que é um forno e eu acho que é um microondas. Ele tenta ligá-lo. “Eu realmente sabia como fazer isso antes”, ele me diz. “Eu literalmente fiz isso ontem. E agora é simplesmente impossível. Vai parecer que eu não sei cozinhar. ” Ele se atrapalha com mais alguns botões. “Oh, oh, oh”, diz ele, animado agora. “Mil watts, lá vai você.” Orgulhosamente, ele está voltando para o balcão em que seu telefone está ligado quando, atrás dele, um raio irrompe do forno / microondas, e Pattinson se abaixa como se alguém estivesse abrindo fogo. Ele está rindo e agachando enquanto o forno lança cintilações dispersas de luz e som. “A porra da eletricidade … oh, meu Deus”, diz ele, ainda no chão. E então, com um estrondo final alto, o forno / microondas fica escuro. No silêncio, Pattinson e eu olhamos para a misteriosa peça de maquinaria construída na parede atrás dele. “Sim, acho que tenho que deixar isso em paz”, diz ele, suspirando novamente, levantando-se do chão. “Mas isso é um Piccolini Cuscino.” 15 de abril, 10h35 PST // 18h35 GMT

Robert: Com quem mais você conversou? Você já falou com Claire Denis ou qualquer outra pessoa?
GQ: Sim, eu realmente ia perguntar para quem mais eu deveria ligar. Quem te conhece bem? Uh … quem mais? … é sempre estranho, então, não é? Eu quase quero perguntar às pessoas que realmente não gostam de mim.

GQ: Você quer que eu fale com alguém que te odeia? Você pode me dizer quem te odeia?
Robert: Isso seria muito divertido. [risos] Isso seria tão engraçado. Alguém que eu mal conheço. “Ei, você pode fazer uma entrevista sobre mim?” Eu sempre senti que seria um insulto tão bom. Você acabou de enviar para o agente de um ator enorme para dizer: “Ei, eu só estou pensando, tipo, você gostaria de ser assistente dele?” [risos]

Não há retorno algum.
Você é um verdadeiro agente do caos.
Definitivamente, só isso em minha mente. (risos)
Finalmente, começamos a conversar, como as pessoas hoje em dia, sobre ansiedade. O padrão: como você está? Pattinson diz que está bem, sério. “Estou definitivamente muito mais calmo do que costumava estar. Se isso foi há alguns anos atrás ou o que seja, seria uma história totalmente diferente. ” Ele diz que, na casa dos 20 anos, por um tempo, não sentiu nada além de medo e incerteza, mas de alguma forma isso mudou. “Eu acho que fiquei mais velho. Sinto que tenho menos a provar ”, diz ele. “Ou parece mais divertido provar isso. Parece que é um jogo divertido, em vez de, eu não sei, apenas basicamente um pesadelo. ” Ainda há coisas que ele faz que outras pessoas consideram estranhas ou compulsivas. Muitas coisas, de fato. Robert Eggers diz que Pattinson é quase “Andy Kaufman-esque na vida real. Rob está tão além da seca que é, tipo, meta. Você fica tipo, ‘Isso é engraçado?’ Tipo, ‘Eu não tenho ideia do que está acontecendo.’ ”Ele tem o hábito de entrar em contato com as pessoas que admira repetidas vezes, mas também admite livremente que seu senso de tempo é equívocos instáveis e tão infelizes podem acontecer. “Eu recentemente enviei um e-mail para esse cara que está absolutamente aterrorizado comigo”, diz Pattinson. “Ele acabou passando meu e-mail para uma das atrizes do filme, para que ela falasse comigo, para que eu não mandasse mais e-mails. E eu pensei que tinha passado, tipo, dois anos e seis meses, entre cada e-mail, mas faltam apenas algumas semanas. ” A família dele está em Londres e “definitivamente tenho tentado ajudar minha família a encontrar uma calma, eu acho. Acho que acabei encontrando um novo nível de paciência em mim. Provavelmente, isso é provavelmente uma coisa importante. Hum, mas hum … “Normalmente, esse é o seu papel em sua família, ser a fonte de calma?” Eu pergunto. Pattinson ri disso por um longo tempo. “Oh não. Eu definitivamente tomei, eu me ungi disso. De alguma forma, me convenci de que posso ser um terapeuta de família. ” “Eles estão comprando?” “Você simplesmente nunca sabe.” Ele começa a rir novamente. “Acho que talvez seja uma das coisas em que você continua falando com alguém até que ele se esgote. Eles não têm mais energia para ficar chateados. É apenas terapia de desgaste. ” “Esse parece ser seu presente, certo? Enviar e-mail às pessoas repetidamente e assim por diante. ”E quando alguém aponta isso, eu fico tipo, ‘Oh, meu Deus!’ Ou eu nego.” E então Pattinson parece ficar sem rir. Ele olha para cima, depois para baixo e suspira um último suspiro pesado.
“Mas sim”, diz ele. “Eu acho … tipo … acho que todo mundo acha que é uma época bem estranha”.

Zach Baron é o escritor sénior da GQ.
Uma versão desta história aparece originalmente na edição de Junho/Julho 2020 com o título “O Rei da Quarentena”.
CRÉDITOS DE PRODUÇÃO: Fotografias por Robert Pattinson Produzido por MAI Productions
Fonte | Tradução: Amanda e Deia Almeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo