‘Mapas para as Estrelas’ nas mídias brasileiras

A nova parceria de Robert Pattinson com o diretor canadense David Cronenberg, ‘Mapas para as Estrelas’, foi exibido no Festival do Rio e houveram algumas repercussões e críticas nas mídias brasileiras. Leia abaixo alguns trechos e toda a matéria nos links de origem!

Adoro Cinema:
O próprio título já é uma dica e tanto sobre o filme: trata-se de uma referência ao local onde os astros residem em Hollywood ou, ainda, um meio de chegar até eles. O grupo de personagens apresentado por Cronenberg não é formado propriamente por astros – o mais próximo disto é um garoto de 13 anos (Evan Bird) que estrela uma série de TV de relativo sucesso -, mas principalmente por pessoas que estão dispostas a se tornar celebridades. Entre eles estão um chofer que tenta se tornar ator (Robert Pattinson), uma atriz de meia idade desesperada por um papel que lhe dê visibilidade (Julianne Moore) e uma jovem com várias queimaduras que está escrevendo um roteiro (Mia Wasikowska). A grande sacada do diretor é mostrar a luta pela ascensão deste trio com um olho na obsessão cada vez maior existente nos dias atuais em ser famoso e o outro analisando de forma sarcástica a própria Hollywood – ou ao menos uma de suas vertentes, a que está repleta de picaretagem e vulgaridade.

Diário Cinema:
O longa é uma crítica à atual sociedade viciada em astros e obcecada pela fama, mesmo que por cinco minutos. Acompanha a família Weiss, que tem pseudo-astros problemáticos e polêmicos. A direção é de David Cronenberg, que dirigiu Cosmopólis, filme em que Robert Pattinson atuou.

Inclusive o ator também está no elenco de Maps to the Stars, deixando pra trás as histórias envolvendo vampiros. O elenco também tem Mia Wasikowska, Olivia Williams, Sarah Gadon, Ari Cohen, Carrie Fisher, Joe Pingue, Niamh Wilson, Jonathan Watton, Evan Bird e Kiara Glasco.

Sidneyrezende:
No entanto, quem realmente se destaca, ao ponto de ter chances reais de concorrer ao Oscar, é Julianne Moore (Havana Segrand), que está dando shows de interpretação em todas as cenas. A atriz se entregou à personagem de corpo e alma, literalmente, despindo-se de toda vaidade e pudor para dar vida a uma profissional em franca decadência, vulgar e de aparência horrorosa.

“Mapas Para as Estrelas” é interessante, sobretudo para quem não conhece o lado obscuro da indústria cinematográfica. Vale a pena assisti-lo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo