Há alguns dias postamos o ensaio fotográfico de Robert Pattinson e Matt Reeves para o Los Angeles Times. Agora, trazemos a entrevista completa traduzida, onde o ator e o diretor falam sobre o filme ‘The Batman’ (já disponível nos cinemas!) e sobre a pandemia ter afetado as gravações, seu lançamento exclusivo nos cinemas e mais! Confira:

Quando o diretor Matt Reeves anunciou que havia escolhido Robert Pattinson para interpretar Batman em seu tão esperado reboot da franquia em 2019, fãs de todos os cantos da internet imediatamente começaram a afiar suas facas.

Não importa que Pattinson tenha passado anos dando uma marretada em sua imagem de galã adolescente em uma série de papéis artísticos sem glamour, de um ladrão de banco no sujo “Good Time” a um solitário faroleiro do século 19 no alucinante “The Lighthouse.” Para muitos, a ideia do antigo vampiro de “Crepúsculo” abordando um dos personagens mais icônicos do cânone de super-heróis em “The Batman”, que estreia na sexta-feira, parecia uma potencial bat-catástrofe em formação.

Pattinson levou as reações iniciais na esportiva. “Na verdade, fui menos zombado do que normalmente sou”, disse o ator, sentado ao lado de Reeves, pelo Zoom em uma tarde recentemente. Ele riu. “Fiquei bastante chocado. ‘Apenas 70% negativo? Um A+!’.”

Nem Reeves, que entrou no projeto depois que seu diretor e estrela inicial Ben Affleck desistiu, estava particularmente preocupado. “Quando você entra em um filme do Batman, você só precisa se endurecer no começo”, disse Reeves, que ganhou o trabalho em grande parte com a força de seus dois filmes de sucesso comercial e de crítica, “Planet of the Apes”. “É um personagem de 80 anos. Toda vez que você entra nisso, você está entrando em algo em que todo mundo já tem uma pré-concepção.”

A escalação de Pattinson está longe de ser o único aspecto de “The Batman” que pode abalar noções preconcebidas. Com duração de três horas, uma narrativa densa e um estilo que varia do noir arenoso ao psicodrama angustiante e ao terror de serial-killer, o filme de Reeves retorna Batman às suas raízes como “o maior detetive do mundo”. Dispensando a história de origem excessivamente familiar, o filme acompanha a perseguição de Batman, auxiliado pela Mulher-Gato (Zoë Kravitz), ao indescritível Charada (Paul Dano), que está espalhando pistas sobre uma conspiração de corrupção – junto com cadáveres – por toda a conturbada cidade de Gotham.

Chegando em um momento repleto de riscos e ansiedade, não apenas para a indústria cinematográfica, mas para o mundo inteiro, “The Batman” recebeu críticas amplamente positivas dos críticos. Mas resta ver como o público receberá o filme sinuoso, violento e mortalmente sério de Reeves, que está mais próximo em espírito dos clássicos dos anos 70 como “Chinatown” e “The French Connection” do que do seu estereótipo brilhante, slam-bang super-herói.

O Times conversou com Reeves, 55, e Pattinson, 35, sobre como criar uma nova visão de um personagem antigo, criar uma Gotham para os nossos tempos e tentar salvaguardar não apenas o futuro da franquia Batman, mas também a indústria cinematográfica como a conhecemos.

Rob, você passou a última década trabalhando com diretores como David Cronenberg, Claire Denis e os irmãos Safdie em filmes menores e mais artísticos. Não parecia que você estava em uma trajetória em direção a um filme de quadrinhos. Então, o que chamou sua atenção sobre a proposta aqui?

Pattinson: Mesmo cinco anos atrás, eu era a última pessoa que eu pensaria que seria escalada como Batman. Eu normalmente nunca estou em consideração para papéis de super-heróis. Normalmente [nesses papéis] você é um total desconhecido ou alguém que, eu não sei, parece mais óbvio.

Eu não entendo o que havia sobre o Batman, mas fiquei realmente fixado nele e continuei pressionando meu agente sobre isso. Eu amei tanto o trabalho de Matt nos filmes “Planeta dos Macacos”, e muito do trabalho de Matt, e eu estava pensando, se você conseguiu essa performance de um macaco… [risos] Então eu conheci Matt e ele tinha uma visão tão interessante do personagem, e parecia muito diferente e meio perigoso. Parecia uma grande, grande montanha para escalar.

Reeves: Por causa de todos esses filmes que você mencionou, eu pensei que Rob poderia não estar interessado em estar nessa lista [de elenco de super-heróis]. Mas por alguma razão, na minha cabeça, era Rob. Do trabalho que eu tinha visto ele fazendo, eu fiquei tipo, ‘Uau, ele é um camaleão.’ Especificamente no filme dos irmãos Safdie [“Good Time”], havia um tipo de desespero e motivação e também uma vulnerabilidade que eu pensei que era muito Batman, e eu pensei que a mistura era tão poderosa.

Dadas todas as iterações anteriores do personagem em filmes, TV, videogames e quadrinhos, quais foram seus pensamentos iniciais sobre como você poderia abordar o Batman de uma maneira que parecesse nova?

Pattinson: Em nosso primeiro encontro, Matt mencionou que Kurt Cobain era um dos pilares do personagem. Só isso já colocou algo na minha cabeça. Há algo sobre esse tipo de tormento autoimposto que sempre achei muito interessante e também herdar uma vida que você não tem certeza de que quer, mas também sente que não pode desistir. Lembro que também conversamos muito sobre Michael Corleone.

Reeves: Uma das coisas boas do Batman é que, porque ele não tem superpoderes, é extremamente psicológico. Ele está realmente fazendo isso como uma forma de lidar, porque algo aconteceu com ele [na infância] que ele nunca superou. Ele está exorcizando esses demônios noite após noite após noite.

Ele é um personagem que essencialmente é atrofiado. Ele está meio que emocionalmente preso aos 10 anos de idade, e isso é exacerbado pelo fato de ele ter essa rede de segurança de ser incrivelmente rico. Mas ele escolhe fazer essa coisa muito corajosa, ousada, imprudente, quase suicida, tentando dar sentido à sua vida saindo e fazendo justiça com as próprias mãos.

Este é um filme de três horas com temas obscuros e adultos e um enredo intrincado que requer muita atenção. Você está confiante de que o gênero de quadrinhos, como o conhecemos, evoluiu a ponto de o público abraçar um filme como este?

Reeves: Há um ponto com esses tipos de filmes em que você precisa colocá-los na frente de uma audiência para saber se eles funcionam ou não. E eu lembro que tive que mostrar ao chefe do estúdio, [presidente da Warner Bros.] Toby Emmerich, o primeiro corte do filme na frente de um público de teste. Eu não estava nem perto de terminar com o corte, e era muito mais longo do que é agora. E eu pensei: “Isso é suicídio. Este é o momento em que fica claro que a ideia de desafiar o público dessa maneira é insana.” E eles adoraram.

A única coisa que senti no começo foi que não havia como fazer um filme do Batman que parecesse apenas mais um filme do Batman. Tivemos que cumprir as coisas que as pessoas esperam dele: você sabe, a perseguição de Batmóvel e todas aquelas coisas que recebem uma resposta tremenda. Mas cabia a nós fazer algo diferente. E eu estava muito animado que o público de teste realmente amou as partes do filme que eles não esperavam. Então, nesse sentido, estou confiante.

Qualquer grande filme é desafiador, mas aqui você estava fazendo essa tomada de Batman inspirada em Kurt Cobain, filmando muitas vezes à noite e na chuva, em meio a uma pandemia global. Em um ponto, a produção teve que ser pausada, porque Rob contraiu COVID. Eu tenho que perguntar, vocês estavam realmente se divertindo?

Pattinson: Há um prazer estranho em passar muito tempo no traje e no escuro. Você está bastante isolado de todos os outros quando está dentro do capuz, e é bastante meditativo. Você está sozinho a maior parte do tempo. Ninguém está conversando com você porque você está com a máscara e não consegue ouvir. Ela permite que você entre nesse estado bastante zen.

Havia tanto caos acontecendo na vida real todos os dias, assim que você saía daquele estúdio e olhava para o seu telefone, você tinha que realmente silenciar muitas dessas coisas para se concentrar no que estava fazendo em primeiro lugar. Da mesma forma que Bruce vestindo o traje, você entra nesse tipo de estado estranhamente simplista, onde você pode realmente se concentrar em uma coisa. Você está apenas pensando: “Se ainda houver um mundo depois que terminarmos este filme, ainda haverá fãs do Batman nele, então é melhor não estragar isso”.

O mundo fictício de Batman sempre foi repleto de violência e corrupção. Mas, ao longo dos cinco anos que você passou trabalhando neste filme, o mundo real ficou cada vez mais caótico, fraturado e fora de controle. Tudo isso alimentou sua concepção de Gotham?

Reeves: Comecei a trabalhar no roteiro em 2017, então foi há muito tempo. Havia eventos reais em que eu estava pensando, mas era como Watergate. Achei emocionante a ideia de fazer um filme como “All the President’s Men”, onde havia uma conspiração que ia até o topo da cidade.

A ideia era fazer de Gotham uma versão aprimorada. Então, enquanto estávamos fazendo o filme, havia tanta coisa acontecendo no mundo que houve momentos em que o mundo parecia mais intensificado do que Gotham. E pensamos: “Uau, esse filme vai ser muito leve?” [risos]

Me lembro de filmar a cena em que Jayme Lawson [que interpreta uma candidata a prefeito de Gotham] está fazendo aquele discurso sobre como precisamos reconstruir não apenas nossa cidade, mas nossa fé nas instituições e uns nos outros. Naquele momento, essas coisas de repente pareciam ressoar de uma maneira que eu nunca pretendi diretamente.

As apostas para este filme já seriam enormes, mas está sendo lançado em uma pandemia de dois anos que causou estragos na indústria cinematográfica e colocou em dúvida o futuro da experiência nas telas grandes. Isso aumenta ainda mais a pressão sobre este filme para provar que os filmes ainda importam?

Reeves: Com certeza. É absolutamente uma situação existencial. Se você olhar para trás até cinco anos no negócio do cinema, é radicalmente diferente. Quando comecei minha carreira, os filmes que estavam sendo feitos eram tão diferentes de muitas maneiras. Agora, há todas essas grandes questões: o que vai funcionar na tela grande? O que vai estar no espaço de streaming? Haverá mesmo uma experiência teatral?

Este filme foi feito como uma experiência imersiva de tela grande. Foi feito para colocá-lo em uma experiência subjetiva – uma experiência propulsora, uma experiência psicológica – que realmente deve oprimi-lo. Portanto, absolutamente não seria, e não será, o mesmo no streaming. Eu realmente espero que sejamos um dos filmes que podem provar que ainda existe um negócio viável de cinema.

Espero que, quando a pandemia começar a recuar ainda mais, não pareça tão existencial. Há uma sensação de que talvez estejamos começando a deixar isso para trás, e “Homem-Aranha” e “Venom” e outros filmes de super-heróis funcionando são muito encorajadores para nós. Mas, no momento, isso acontece. Você quer acreditar que essa experiência na tela grande, que foi a razão pela qual queríamos fazer filmes em primeiro lugar, ainda existirá.

Pattinson: Todo filme é uma aposta completa, toda vez. Mas é uma coisa totalmente diferente quando ninguém se importa ou sabe o que você está fazendo e você precisa despertar interesse. Quando as pessoas estão esperando algo, definitivamente há alguma apreensão. Parece que você está entrando no ringue. Você está entrando no Coliseu.

x Scans > Internacionais > 2022 > Los Angeles Times – 3 de março

Fonte | Tradução: Bruna Rafaela – RPBR

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.