Robert Pattinson e Zoë Kravitz voam em The Batman
As estrelas do Batman e o diretor Matt Reeves nos levam para dentro deste novo capítulo sombrio da história do Cavaleiro das Trevas.

Assim como Batman e Mulher-Gato, Robert Pattinson e Zoë Kravitz têm um pouco de história: as estrelas de The Batman (nos cinemas em 4 de março), se conhecem há mais de uma década. Você consegue ver como eles provocam um ao outro sobre suas habilidades de flerte (ou a falta delas) em sua sessão de capa da EW no centro de LA no final de janeiro, ou pela forma como Pattinson despreocupadamente coloca um casaco de camelo sobre os ombros trêmulos de Kravitz depois que eles se enrolam em um telhado frio enquanto o sol se põe.
Mas sua história como o Cavaleiro das Trevas e a ladra mais famosa de todos os tempos não começou até o teste de elenco e química em um estúdio da Warner Bros. em Burbank em outubro de 2019.
Ambos os atores estavam sentindo a pressão daquele dia. “O teste de química foi muito intenso”, disse Kravitz, 33, à EW. Eles tiveram que realizar uma série de caricias íntimas que Batman e Selina têm no filme, a cena também foi a audição de Kravitz porque o diretor de The Batman, Matt Reeves, escolheu se encontrar com ela antes que a estrela de Big Little Lies lesse uma única linha.
“Rob estava vestindo o Batsuit, e foi um teste de câmera adequado com o DP lá e tudo em um estúdio. Não era apenas ler as falas em uma sala. Então foi intimidante, para dizer o mínimo”, diz ela. Sua primeira tarefa? O ato aparentemente simples de tirar um capacete de moto. “Isso me deixou com um pouco de ansiedade”, lembra ela. “É muito complicado tirar um capacete e parecer legal, não ficar preso na cabeça ou o cabelo ficar estranho. Eu estava convencida de que isso seria minha queda.”
Enquanto isso, Pattinson estava passando pelo seu próprio ataque de ansiedade, mesmo já tendo sido escalado. De acordo com a tradição da Warner Bros., ele já havia completado um teste de tela solo em um Batsuit clássico – o de Val Kilmer de Batman Forever, mamilos e tudo – mesmo que estivesse um pouco apertado. Mas ele também ainda tinha que proferir uma palavra como seu personagem. “A primeira vez que eu disse falas do roteiro foi no teste de Zoë”, diz o ator de 35 anos. “Eles tinham essa ideia de que eles queriam que eu fosse mais alto de início, então eu basicamente usava tênis de salto alto e fiquei cambaleando com essa estranha roupa de Batman. A câmera nem estava em mim, estava na parte de trás do minha cabeça, e estava literalmente tendo um grande ataque de pânico, apenas procurando apoio emocional em Zoë, que está tentando conseguir o papel.”
Quaisquer que fossem os medos e nível de pânico que estivessem percorrendo as mentes das estrelas, eles não eram aparentes para Reeves. “Eles realmente se conectaram”, diz Reeves, mais conhecido por dirigir Dawn of the Planet of the Apes e sua sequência War for the Planet of the Apes. “Todo mundo podia ver que havia algo realmente especial entre eles.” E assim, Reeves encontrou seu Morcego e sua Gata, um momento crucial para sua história de amor torturada, ele diz, “é absolutamente central” para o filme.”.
Tão intensa quanto a energia de Kravitz e Pattinson, foi que o projeto que os uniu implora por uma questão maior: Em um mundo de franquias, e IPs existentes e cansaço de super-heróis, por que precisamos de outro Batman? O que faz essa iteração diferente da, vamos dizer, versão gótica e teatral de Tim Burton em Batman e O Retorno do Batman, ou da Trilogia do Calheiro das Trevas de Christopher Nolan, que encenou uma guerra entre o caos e a ordem? Para Reeves, foi sobre questionar um aspecto específico do mito do Batman.
“Eu senti que era importante examinar essa ideia de ele ser um emblema de vingança. Essa é realmente a abordagem correta para tudo isso?” diz Reeves. ‘[Eu queria] que o filme os levasse em uma jornada onde você começa tendo um ponto de vista sobre o que ele está fazendo, e então seja desafiado de tal forma que vocês soubessem que, pelo fim, ele teria um despertar e ele mesmo tivesse uma mudança para enfrentar.”
Seis anos após Batman vc Superman: O Despertar da Justiça, estrelando Ben Affleck, a última tentativa da Warner Bros de relançar o Cruzado de Capa em uma franquia cinematográfica definitivamente não é uma história original, mas o Batman e a Selina não estão completamente formados ainda, nem estão eles próximos de se tornarem o casal apaixonado e casado que eles são nos quadrinhos dos dias atuais. The Batman acontece durante o segundo ano da guerra de Bruce Wayne contra o crime e foca no lado detetive do Batman (mais pistas para decifrar, menos festas de gala). Selina, enquanto muito apegada a gatos e invasões casuais, ainda não adotou o codinome de Mulher-Gato.
Colocar a conexão entre Batman e Selina no âmago do novo filme faz sentido, porque é uma parte integral da mitologia. Selina foi introduzida em Batman #1, em 1940, no qual foi a primeira serie em quadrinhos solo do herói após sua estreia em Detective Comics #27, em 1939. Na maior parte dos seus 82 anos de história, eles tiveram um romance vai-e-volta que é complicado, uma vez que ambos estão em diferentes lados da lei.
Em The Batman, o par o par se encontra enquanto o Batman está caçando o Charada (Paul Dano), um serial-killer mascarado cujos alvos são as figuras mais proeminentes – e provavelmente corruptas, afinal é a cidade de Gotham – de Gotham. Sua investigação o leva para o Clube Iceberg (liderado pelo tenente da máfia de Collin Farrel, Oswald Cobblepot, também conhecido como o Pinguim), onde Selina faz a vida como garçonete e eventual traficante de drogas. A colega de quarto de Selina logo desaparece, e ela e o Morcego percebem que precisam um do outro para um mistério cada vez mais sinistro.
“Eles têm uma conexão um tanto forte bem rápido, e eu acho que os dois estão tentando ignorar isso,” diz Kravitz. “Ambos estão muito surpresos por sentirem uma conexão com alguém, porque isso é muito raro para eles. Isso nos tira da nossa zona de conforto.” Adiciona Pattinson: “O Bruce criou o Batman nessa visão de mundo bem binária onde ele [acredita] que estão os caras maus e há as vítimas. A Selina aparece e ele fica tipo, ‘Bom, você é uma ladra. Você é basicamente o mesmo que o Pinguim, ’ e ainda assim…há algo nela que eu reconheço. Isso vai contra seu julgamento afiado”.
Selina não é a única a desafiar o código do Batman. À medida que a contagem de corpos do Charada cresce, o maior detetive do mundo em formação segue, diligentemente, as pistas, resolvendo uma charada provocadora após a outra e desenterra a história secreta de Gotham – do qual uma parte envolve seus amados pais. Isso mexe com ele até o âmago. “Eu queria um Batman que ainda estivesse se tornando um,” diz Reeves, que escreveu o roteiro com Peter Craig (The Town). “Eu não queria, Aqui está uma série de personagens patifes, e aqui está o Batman, e eles não são incríveis, e ele [Batman] vai derrotar todos eles. Eu queria que isso fosse muito mais psicológico para o personagem ter um lugar para ir.”
The Batman começa a terceira franquia do Batman do século 21. Originalmente, era uma parte do segundo, porque o filme começou como uma sequência para o filme de 2016, Batman: O Despertar da Justiça, estrelado por Ben Affleck, como uma versão mais velha e endurecida do protetor de Gotham. Affleck estava previsto para estrelar e dirigir em The Batman, mas em janeiro de 2017 ele diminuiu as suas responsabilidades para apenas estrelar. Warner Bros. ligou o batsinal para encontrar um novo leme para guiar o projeto, e escolheu Matt Reeves. (Ridley Scott e Fede Alvarez também foram reportados na pré-seleção do estúdio.) Mas inicialmente o diretor não respondeu ao(s) chamado(s) porque ele estava afundado na árdua pós-produção de Planeta dos Macacos: A Guerra.
“[A Warner Bros.] voltou a insistir. Eu estava quase ficando irritado. Eu estava tipo, ‘Espera, qual parte do fato que eu estou fazendo esse filme eles não estão entendendo? ’” diz Reeves, que pensou que a WB queria apenas marcar uma reunião geral, até que o seu agente foi direto com ele: O estúdio o queria para dirigir The Batman. “[Meu agente] disse, ‘Se você tem algum interesse, você vai querer achar um tempo para ter essa reunião.”
Ele achou. E leu o roteiro que Affleck, Geoff Johns (Stargirl) e Chris Terrio (Liga da Justiça) estiveram trabalhando. De acordo com Reeves, era uma história de “ação James Bondiana”, intimamente ligada ao Universo Estendido da DC (DCEU) pela aparição de “outros grandes super-heróis.”
“Era uma visão totalmente válida a história,” ele diz. “Eu apenas senti que eu não seria a pessoa certa, porque lendo isso [o roteiro], eu pensei, ‘Uau, eu não sei se posso encontrar um caminho emocional nessa versão. ’ Não dizendo que não era bom, mas eu não saberia onde pôr a câmera, o que dizer aos atores, porque eu tenho que achar algum jeito de fazer isso pessoal para mim.”
Para sua surpresa, o estúdio estava não apenas disposto a ouvir o tipo de filme do Batman que ele gostaria de fazer, mas estava disposto a esperar por ele terminar Planeta dos Macacos: A Guerra. A sua história inicial era muito emocional, um conto pós-origens que manteve o Batman no centro e estava conectada ao DCEU sem propriamente servi-lo. Essa última parte foi discutível, uma vez que Affleck desistiu do filme completamente. “Foi quando eu comecei a pensar em um Batman mais jovem, que estava além de suas origens, mas era imperfeito,” diz Reeves.
Um fã de longa data da serie de TV Batman estrelada por Adam West, nos anos 60 (“Eu não vi um acampamento nisso. Eu pensei que era totalmente sério”), Reeves se jogou na escrita. Em termos de quadrinhos, ele consultou os suspeitos habituais e comumente referenciados Batman: Ano Um, de Frank Miller e David Mazzucchelli, e Batman: O Longo Halloween, de Jeph Loeb e Tim Sale, que inspiraram O Cavalheiro das Trevas de 2008. Ele também referenciou de uma forma menos óbvia títulos como Batman: Ego, de Darwyn Cooke (“Ego realmente mostra a ideia de uma besta dentro dele e a luta.”) Olhando para além do material fonte, Chinatown influenciou a conspiração municipal de The Batman, e o neo-noir Klute, de 1971, foi um grande ponto de referência para a relação entre o Batman e Selina, especialmente em como o investigador privado titular de Donald Sutherland inicialmente julga a garota de programa de Jane Fonda, Bree Daniels.
“Eu não queria inflar demais o ego [do Reeves] sobre isso, mas eu ficava dizendo para mim mesmo, ‘Ah, eu nunca vi nada disso,” diz o produtor Dylan Clark (Planeta dos Macacos: A Guerra), enquanto se lembra de suas conversas com o diretor durante a fase de escrita do roteiro.
“Aquilo foi uma verdadeira saída daquilo que vimos no passado, mas ao mesmo tempo, foi um retorno às origens dos quadrinhos, que está fundamentado no mistério e trabalho de detetive,” diz Jeffrey Wright (Westworld), que interpreta o aliado primário do Batman, o Tenente Jim Gordon. O ator estava também impressionado por quão oportuna a história foi. “Há uma consciência de instabilidade em Gotham que eu penso refletir o momento. Há uma consciência de certa tensão de classes e desconfiança difusa em Gotham. Na forma que o Matt moldou o Charada aqui, isso fala de uma espécie de viralidade atual que nós vemos ser usada na comunicação de certas ideias e propaganda.”
Para Reeves, era importante que o filme não fosse sobre os vilões; Batman devia permanecer como o foco. “O Charada é onipresente, quase como um fantasma,” fala Reeves sobre o antagonista inspirado no assassino do Zodíaco, que deixa mensagens pessoais para o Batman em suas cenas de crime, o roubando, portanto, de uma de suas grandes vantagens: o anonimato. “O Batman ou o Bruce estão em quase todas as cenas do filme” – semelhante ao investigador privado de Jack Nicholson em Chinatown, J.J. Gittes – “o que não é a forma habitual desses filmes serem feitos. É um tipo de ponto de vista muito hitchcockiano, onde você está apegado à experiência dele.”.
O nome de Pattinson surgiu cedo durante o processo de escrita. “Bom Comportamento foi um filme que [eu e Matt] vimos, ‘Uou,’” diz Clark sobre Pattinson aclamado pela crítica como um criminoso moralmente conflitante, no suspense policial de Josh e Benny Safdie, de 2017. “Aquele é um filme em que ele está mostrando muitas coisas que, para nós, parecem com o Bruce Wayne.” Coincidentemente, Pattinson queria fazer o Batman, e começou a tentar o papel sozinho quando descobriu que o Reeves estava envolvido.
“Você está sempre procurando pelo próximo desafio,” diz a estrela, que evitou blockbusters depois de a Saga Crepúsculo e escolheu, principalmente, projetos indies, como Cosmópolis, de David Cronenberg, e O Farol, de Robert Eggers. Mas havia algo sobre esse filme de super-herói em particular que não o deteve. “O interessante sobre o Bruce nisso é que ele ainda não tem a sua personalidade de playboy. Ele é um estranho como Bruce e um estranho como Batman,” diz ele. “Há muita loucura nisso. O personagem está indo atrás de um sonho que é completamente impossível, e ele não consegue viver de outro jeito.”
Kravitz foi uma das várias atrizes que a diretora de elenco Cindy Tolan apresentou a Reeves para Selina Kyle. Ao contrário de Pattinson, Kravitz não tinha interesse em um filme de super-herói – ela já havia feito X-Men: Primeira Classe – mas a perspectiva de enfiar suas garras na complexa anti-heroína era difícil de resistir. “Eu realmente acho que Catwoman teria sido a única [personagem de super-herói] que eu consideraria, só porque me sinto realmente conectada a ela emocionalmente e também esteticamente. Acho que há uma autenticidade e uma vantagem nela que me atrai. “, diz Kravitz.
“Os personagens são tão míticos, e eu queria que [eles] fossem de carne e osso. Ela realmente entendeu isso”, diz Reeves, lembrando de sua primeira reunião de teste pré-tela. “Nós tivemos uma conexão imediatamente.”
Kravitz foi particularmente atraída pelo fato de Selina ser “uma mulher incrivelmente forte e não se vitimizar”, diz ela. “Nós vamos conhecê-la em um momento realmente crucial em sua vida. Eu acho que o foco dela é realmente se libertar de muita dor, trauma e muita raiva.”
A versão de Gotham City de Reeves é decadente, escura e chuvosa, o sol visível apenas ao entardecer. O diretor queria que parecesse um lugar onde você poderia encontrar qualquer personagem folclorico se abrisse a porta certa. Daí a inclusão de Selina e Pinguim de Farrell ao lado de pilares como o tenente Gordon. Da mesma forma que Selina ainda não se tornou a Mulher-Gato, Cobblepot não é um grande chefe do crime e Gordon não chegou a comissário. “O Charada se autodenomina o Charada neste filme. Esse personagem ainda não existia no mundo, mas ele está se apresentando”, diz Reeves. “Então, eu queria que isso fosse preenchido com todas aquelas pequenas provocações em que o frescor estava encontrando os personagens de maneiras que você ainda não tinha visto. Eles ainda não eram as versões míticas icônicas do que se tornaram.”
Gotham não precisaria ser salva, não existe tal esperança em The Batman. Pattinson revela que uma das primeiras coisas que ouvimos seu personagem dizer é que as coisas só pioraram na cidade desde que ele entrou em cena. “Ele está basicamente dizendo ‘Estou fazendo isso há dois anos, e tudo piorou.'” Adiciona Reeves: “Gotham nunca deixará de ser corrupta, porque é como o nosso mundo.”
Um raio de luz para a escuridão? Sempre haverá mais histórias para contar. Mesmo que The Batman não seja ambientado no DCEU e tenha sido concebido como uma história independente, Reeves espera continuar expandindo o mundo além da tela grande. Ele é produtor executivo de dois spin-offs em desenvolvimento na HBO: um drama sobre o Departamento de Polícia de Gotham City e outro sobre a ascensão do Pinguim ao poder.
“O que eu realmente queria que este filme fizesse era criar um Batverso”, diz Reeves. “Você não faz uma história e diz ‘Este é o Capítulo 1’ porque você pode não conseguir fazer o Capítulo 2. Então, a história teve que se sustentar por conta própri. Mas a coisa sobre isso é que o mundo do Batman é tão rico em personagens que quando você está começando a chegar ao fim, você já pode começar a pensar na próxima coisa que pode fazer. Porque a ideia, claro, é que a história de Gotham nunca termine.”
“Foi uma das coisas mais difíceis que fiz na minha vida”, diz Pattinson sobre as longas filmagens de um ano e meio de The Batman que começaram em Leavesden, Inglaterra, em janeiro de 2020.
Não apenas por causa dos desafios únicos de atuar em um Batsuit (“Você está quase manipulando de certa forma – você realmente precisa passar pela máscara”), mas por causa dos muitos obstáculos que o filme enfrentou devido à pandemia de COVID-19 acontecendo. Como todo o resto do mundo, a produção foi paralisada em março de 2020. Durante o intervalo, enquanto Pattinson experimentava brevemente macarrão para micro-ondas, Reeves e Clark revisaram as imagens que já haviam gravado para reafirmar sua fé na visão do diretor.
Eles receberam sinal verde para retomar em setembro; no entanto, Pattinson contraiu o vírus, levando a outra pausa até que ele fosse liberado para voltar ao trabalho. “Quando o COVID chegou, foi muito difícil para nós nos reunirmos fora do set”, diz Kravitz, acrescentando que ela e Pattinson tiveram que depender do roteiro, da orientação de Reeves e de sua conexão natural para construir sua química na tela.
Filmar o Batman também não foi fácil para as emoções: Esta versão de Bruce Wayne é uma das representações mais fatalistas até agora, e como o filme não mostra a morte de seus pais, Pattinson se esforçou para usar a culpa e o trauma duradouros. O rosto de Bruce em todas as cenas.
“Normalmente, eu não tenho problemas [para sair do personagem no final do dia], mas isso foi tão abrangente. Eu fiquei em um hotel a semana inteira ao lado do estúdio porque tinha que chegar lá às 4h30 para começar a treinar, e então gravar depois, então termina às 21h30 da noite. Você está constantemente nesse mundo”, diz Pattinson. “Quando vejo fotos minhas do teste de maquiagem no último dia, nem pareço humano no final. Pareço um chiclete que está preso nas ruas há três anos e acabou de ser raspado e colocado em uma roupa de Batman.”
Kravitz também estava pronta para se despedir de Selina no final. “Foi a solidão e a rotina que foi realmente difícil”, diz ela. “Eu sei que todos nós estávamos em confinamento e foi intenso para todos, mas eu estava longe de casa e completamente isolado por causa do COVID e não querendo ficar doente por causa do filme”. Parte dessa ansiedade se infiltrou em sua performance: “Foi realmente interessante contar uma história sobre uma cidade em turbulência enquanto o mundo era do jeito que era, ou é agora. Tornou quase mais fácil se conectar com os personagens e entender como altas são as apostas.”
Mas agora, aqui estão Kravitz e Pattinson, quase um ano após o término da produção, olhando nos olhos um do outro em uma sessão de fotos glamourosa. Parece que eles eram Batman e Selina ontem, mas também anos atrás. Talvez isso seja uma coisa boa porque eles rapidamente superam um breve ataque de risos na primeira tomada da capa de movimento, canalizando a conexão intensa de seus personagens como se estivessem de volta ao set de The Batman.
“Pode haver muita coisa acontecendo em uma cena, mas se eu conseguisse me conectar com Rob e olhar em seus olhos, isso me traria imediatamente para o momento”, diz Kravitz, que se lembra da cena final de Batman e Selina no filme. . “Eu vi um olhar em seus olhos que eu não tinha visto antes. Ver algo novo e muito vulnerável também foi muito bonito.”

O Morcego e o Gato até o fim. The Batman estreia nos cinemas em 4 de março.

VIA EW
Tradução: Amanda Agostinho / Amanda Gramazio

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.