Robert concedeu uma entrevista para a F Magazine e falou sobre seu papel em Life e o que acha sobre papparazi’s e mídia. Leia a entrevista traduzida pela nossa equipe:

“Eu acho que enlouqueci.”

Ele não estava procurando o caminho mais fácil… Um papel que foi mais como uma armadilha e seu progresso como ator é muito diferente do usual. E ele também é insuportavelmente bonito!!! Olhos, sorriso, cabelo e um talento que se esforça para ser relevado, mas que eu sei que com certeza existe!!!! ‘LIFE’ vai ser seu próximo filme, e vai ser a prova. Pare tudo que você está fazendo e preste atenção: Robert Pattinson fala…

P: Você deve saber que há semelhanças entre a vida de James Dean e a sua.

Rob:Para mim a história de James Dean e a de Dennis Stock são histórias completamente diferentes. A história de James Dean, talvez porque eu tenha vivido até certo ponto, não me interessa particularmente. Desde o principio eu me identifiquei mais com o personagem de Dennis Stock.

P: Como você vê James Dean? Você estava inspirado nele?

Rob:Quase todos os atores passam por essa fase onde eles tem uma obsessão pelo James Dean. Seus filmes tiveram uma grande influência. Algumas coisas são exageradas, mas tem a ver com o fato de ele apenas ter começado. Você consegue ver as experiências de medo dele. Alguns dos seus momentos são muito gentis, como movimentos de balé, mas outros são descaradamente fortes. Eu tenho visto muitas de suas fotos e é interessante que ele nunca tenha tirado uma foto ruim. Isso não tem a ver com seu rosto. Ele sempre soube como ficar em frente da câmera. Em 1955 as pessoas não eram constantemente fotografadas e ele ainda não era famoso, mas ele apenas sabia que sua cara daria boas fotos. Ele era muito bom em controlar isso.

P: Como é ser fotografado? Você gosta?

Rob: Eu sou muito ruim nisso. Teve um tempo, quando o primeiro filme de “Crepúsculo” foi lançado, que eu queria mostrar certo tipo de perfil. Quando você consegue controlar tudo bem, mas quando eles te fotografam toda hora você perde o controle. De repente você tem medo de se tornar introvertido. No momento eu estou nessa fase ‘Não tire nenhuma foto minha’.

P: Como é trabalhar junto com Dane DeHaan?

Rob: Eu não teria participado do filme se eles não tivessem achado a pessoa certa para retratar James Dean. Quando eu descobri que ia ser o Dane, eu quis fazer o filme, porque eu gosto dele e também eu raramente tenho a chance de trabalhar com alguém da minha idade. O papel dele é difícil. Especialmente a maquiagem e a peruca. Ele tem até lóbulos falsos na orelha. É maluco! Mas ele é um cara legal. Na realidade o relacionamento entre James Dean e Dennis Stock foi muito estranho. Eles era tão diferentes, eu e o Dane também, mas eventualmente nós nos demos muito bem.

P: Tem algum lugar no mundo ou alguma pessoa na sua vida, que você pode ser você mesmo, que são uma base estável pra você?

Rob:Eu só tenho essa experiência com meus amigos e minha família. É impossível pra mim achar um lugar estável eu me mudo em tordo de oito meses por ano. Eu tenho minha casa em Los Angeles, para onde eu me mudei recentemente, já fazem dois anos e eu nem a terminei.

P: Você já teve uma relação próxima a um fotógrafo ou um repórter como Dean teve?

Rob: Não com um fotógrafo. Quando ‘Crepúsculo’ foi lançado existiram alguns repórteres que eu tive uma boa relação. Teve um editor da ‘Entertainment Weekly’ que fez minha primeira entrevista e foi muito bom porque eu realmente gostei dele. Nós fomos a um bar juntos e ficamos bêbados; Com certeza não é algo que eu faria agora. Quando você já deu entrevistas suficientes, um editor pode te levar para diferentes caminhos para arrancar alguma noticia de você que seria ruim para você.

P: Você sente falta de poder ir em um bar relaxar?

Rob:Também tem a ver com a imagem que você quer mostrar ao público. Quando você se sente muito pressionado, você entende que o publico não liga para algo diferente. Tudo deixa eles loucos. Você diz algo e a reação com qualquer coisa que eu faço é enorme.

P: Como você se sente quando sua vida pessoal é projetada como uma novela?

Rob: É estranho. Embora eu tenha feito esforços imensos para não falar da minha vida pessoal, não faz a menor diferença. Eles só criam e soltam várias coisas. Quando você se torna parte da história, um artigo que alguém escreve, você não vai poder fazer nada. Mesmo quando eles não tiram fotos suas, eles simplesmente usam fotos antigas. Ano passado eu estava pensando no fato de que eles se eles não tirassem mais fotos então eles não iriam escrever mais histórias sobre mim, porque o publico não estaria interessado em um artigo sem uma fotografia.

P: Dennis Stock fez muitos sacrifícios em sua vida pessoal por causa de sua carreira. Você faz isso?

Rob: Eu não sei, mas eu acho que Dennis Stock fingiu que sacrificou muito. Mas o que acontece que é que ele mesmo estava com medo de não ser um artista tão como ele pensava que era. Então ele procurava por desculpas. A primeira coisa que me atraiu nesse roteiro foi o fato de ser sobre um pai que não queria seu filho. Ele é um personagem trágico.

P: Você gostaria de voltar para os anos 50? É uma era que você gostaria de viver?

Rob:Eu não sou realmente o tipo de pessoa anos 50. Eu não teria problema com os 60. Eu não sou muito bom em me negar coisas e era isso que os anos 50 eram. Uma era com restrições.

P: Então você também teria entrado em uma discussão com o diretor do estúdio como James Dean fez?

Rob: Sim, mas provavelmente eu teria dito algo como “Eu não sou rebelde, Eu não entendi, por favor…”

P: Então você gostaria mais da era auto-indulgente dos anos 80 ?

Rob:Não, não. Nem essa era é pra mim. Eu sou muito preguiçoso para esse tipo de estilo de vida.

P: Você já usou disfarce alguma vez?

Rob:Nas últimas duas semanas eu disse que não usaria boné ou disfarces, porque realmente pode ficar louco quando você sempre tem que se vestir com o propósito de se esconder; te influencia psicologicamente. Eu entendi isso nas últimas semanas e eu vou dar conta disso.

P: Então é melhor encarar os paparazzi?

Rob:Para ser honesto os paparazzi não são realmente o problema. Eu lembro que durante anos eu tive medo. As pessoas olham para você o tempo todo, você sente que eles te julgam, e esse é o problema do que eles fazem. Você não deve checar o que eles dizem de você na internet. Essa é a pior coisa de todas.

P: Você já fez isso? (procurar na internet sobre ele mesmo)

Rob:Qualquer um faria isso. É o pior hábito. Se por exemplo, eles falam de você no quarto do lado do seu, você provavelmente vai tentar ouvir o que eles estão falando. E no final você vai acabar não saindo mais do seu quarto e navegar pela internet. Acho que você tem que fazer isso para se lembrar quem você é porque no final você vive em outra realidade estranha, você vive num quarto de hotel o tempo todo e se torna mais ou menos um eremita…

P: Você não tem ninguém com você? Amigos ou Família?

Rob:Sim, alguns levam seus amigos e sua família com eles. Meus amigos e minha família tem seus próprios trabalhos. Mas eu não quero eles comigo de qualquer forma. Com certeza ia destruir nossa amizade. É como dizer para o seu amigo: “Vem ser meu assistente!”

P: E como você se mantem psicologicamente são?

Rob:Eu acho que enlouqueci… (risadas)

P: Quantas propostas semelhantes você conseguiu depois de ‘Crepúsculo’ e quão importante foi para você desempenhar outros papéis?

Rob:Depois de ‘Crepúsculo’ eu apenas fiz coisas que me interessavam. Os últimos oito anos tiveram apenas 2 ou 3 roteiros que eu gostei e que no final eu não consegui o papel. Mas não é como se eu estivesse tentando seguir uma direção. Apenas aconteceu!

P: Qual foi a lição de vida mais importante que você teve nesses últimos anos?

Rob:Alguém me perguntou qual conselho eu daria para mim mesmo quando mais jovem. Eu não sei. Se você dizer pra si mesmo “Não se preocupe com isso ou com aquilo”, é claro que você sempre vai se preocupar com outra coisa. Nós precisamos desse medo. Eu prefiro ser alguém que tem que confrontar seus diversos medos ao ser alguém que tem a ilusão de que não sente medo de nada. Eu gosto de encarar obstáculos, por mais pequenos que eles possam ser.

P: Do que você tem medo?

Rob:De tudo (risos). Até de andar na rua.

TraduçãoFonte: Gabriela Araujo

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.