Em entrevista para o francês Le Parisien, Robert contou como foram as gravações e set de The Rover, falou sobre Maps to The Stars e novos/futuros projetos.

O pós-apocalíptico ocidental, The Rover, exibido fora de competição, se passa no deserto australiano. Mas o filme foi sensação no Festival de Cannes, graças ao seu elenco hollywoodiano: Guy Pearce (LA Confidential) e Robert Pattinson, estrela de Crepúsculo, interpretam homens sem lei lutando para sobreviver.

Ontem, encontramos o ex-namorado de Kristen Stewart, que tem 28 anos, e também está no Festival de Cannes para Maps to The Star, pelo canadense David Cronenberg.

Nós não esperávamos você em The Rover (que estreia em 4 de junho), esta viagem violenta pelo diretor australiano David Michôd…
ROBERT PATTINSON:
Nem eu… Tive muita sorte desde que eu terminei a Saga Crepúsculo. Você não pode imaginar o número de roteiros interessantes que recebo, como The Rover. Eu amei Animal Kingdom, o último filme de David Michôd. Então, quando me ofereceram o personagem de Rey, este jovem americano gravemente ferido por soldados deixados no deserto, que acaba confrontado com um fazendeiro australiano amargo e aposentado interpretado por Guy Pearce, eu corri para a aventura. É um cara a cara impiedoso!

Foi difícil filmar no deserto da Austrália?
Muito pelo contrário, foi ótimo! Passamos sete semanas nas áreas mais bonitas e selvagens, completamente distantes da civilização. À nove horas de carro de Adelaide. Apenas nós, sem celulares, sem TV, etc… E sem paparazzi! Era como uma outra vida, nas profundezas do deserto. Este ambiente desumano é sentido no filme todo, essa sensação de fim do mundo, como em Mad Max.

Você também está em Cannes com “Maps to The Stars”…
Eu acho que eu iria fazer todos os filmes de Cronenberg se ele me pedisse. Dois anos depois de Cosmopolis, onde meu personagem viveu permanentemente em sua grande limusine, me divertiu ele ter me dado o papel de um motorista das estrelas de Hollywood. É um papel secundário, mas, oh, tão significativo, ao lado da grande Julianne Moore.

Para um ator do seu calibre, o que Hollywood significa para você?
Uma espécie de fogueira de vaidades. Um lugar feroz, cheio de dinheiro, onde o ego e a inveja são terrivelmente intensificados. Onde todo mundo quer ser famoso a qualquer custo. É muito, muito difícil de viver lá. Especialmente se você não tem um ambiente profissional sério e verdadeiros amigos para mantê-lo de todas as tentações. Eu, estou indo bem. Consegui lidar com viver minha vida e a fama. Provavelmente, porque eu conheço os seus perigos e armadilhas…

Crepúsculo é bem e definitivamente acabado…
Ah, sim! Bem e definitivamente finalizado! Estou muito velho agora para interpretar vampiros! Há tantos diretores com quem eu realmente quero trabalhar.

Quais?
Brady Corbet, um jovem diretor que vai dirigir-me em The Childhood of a Leader, Harmony Korine (Spring Breakers) em breve. E o diretor francês Olivier Assayas para um filme de gangster que eu vou filmar no final do ano nos Estados Unidos. Espero também trabalhar um dia com Quentin Tarantino…

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.