Robert está em Berlim para a estreia mundial de Life que acontece hoje, dia 9 no Berlinale. E por isso, está concedendo algumas entrevistas para sites. Confira a entrevista dele para a NWZ Online já em português:

 

Robert Pattinson está igualmente representado com dois filmes no Festival de Berlim deste ano. No primeiro ele está no filme de James Dean, o fotógrafo. Na entrevista, o ex-vampiro, diz como era antes, na lenda de Hollywood.

Em Berlim Hotel de Rome, hotel de luxo no centro de Berlim, escondido em um salão de beleza na área atrás do lobby, onde é a entrevista Robert Pattinson na segunda-feira por seu filme “Life” no Berlinale. Barba, cabelo desgrenhado, sobre a mesa diante dele uma garrafa de Coca. Antes de ir para a primeira pergunta errada, o astro de 28 anos, se tornou mundialmente famoso como o vampiro Edward Cullen nos filmes “Crepúsculo”, pedindo para trazer rapidamente goma de mascar.

Em “Life”, de Anton Corbijn, Pattinson interpreta o jovem fotógrafo Dennis, que descobriu James Dean antes de sua descoberta em Hollywood. Do chão até o momento é o famoso retrato de James Dean, onde ele corre com o cigarro na boca e gola do casaco arrebitado sobre a chuvosa Times Square em Nova York. Para a entrevista, Pattinson fala sobre Dean, as fases de James e da sua imagem como um galã para a agência de Imprensa da Alemanha.

 

James Dean é um dos grandes ícones do nosso tempo. Qual é a sua impressão sobre ele?
RP: Acho que todo ator tem finalmente uma fase com uma certa obsessão por James Dean. Quando eu tinha 16 ou 17 anos, tinha sempre uma imitação de James Dean – não importa qual o papel. (…) Eu acho que James Dean gostava quando as pessoas olhavam para ele. Mas há também os outros atores que não sabem exatamente por que eles são atores. (risos) Acho que eu pertenço mais parecido com ele.

O que você faz quando você imita James Dean?
RP: Principalmente sobre a linguagem corporal. Por exemplo, algo como isto: (Ele põe oss cotovelos nas coxas e coloca a cabeça brevemente na mão). Quem via como eu imitava James Dean, provavelmente se perguntava o que eu estava fazendo!

Desde o final da Saga Crepúsculo que você tem trabalhado com diretores como David Cronenberg, Werner Herzog e agora acabou de fazer um com Anton Corbijn. “Crepúsculo” abre a porta para novos projetos ou é mais uma maldição, e não menos importante, por que assim que sua imagem é criada como um galã?
RP: É, realmente fez-me muito bem. Todo mundo tem de lidar com qualquer coisa. Isto também tem uma coisa boa quando as pessoas acusam-no de ser escalado para um tipo particular. Isso irá ajudar a experimentar a ser proferido por coisas diferentes. (…) Dá-lhe energia, por assim dizer. (…) É divertido, de modo a refutar uma imagem.

 

Fonte  | Tradução: Barbara Juliany

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.