Robert Pattinson concedeu uma entrevista ao The Sydney Morning Herald juntamente com o diretor de ‘The Batman’, Matt Reeves, onde falaram sobre o filme e sobre sua escalação para o personagem. Robert menciona a fatídica vez em que disse – brincando – não estar malhando para o papel, e confessa que a reação das negativas das pessoas o afetou. Confira:

Robert Pattinson nunca deveria ter sido o Batman. Basta perguntar na internet. Como o cara que interpretou um vampiro brilhante nos filmes de Crepúsculo pode ser um super-herói, eles gritaram. Como aquele cara que fantasiou sobre sereias naquele estranho filme em preto e branco sobre faroleiros poderia ser o Batman, eles se perguntavam. Achei que você só queria interpretar os malucos, disse o agente dele.

Mas há o problema: Batman é uma aberração. Um total esquisito que vagueia as ruas de Gotham City em uma capa e maquiagem pretas nos olhos. De qualquer forma, não é um comportamento normal. De qualquer forma, é o papel perfeito para Pattinson.

“Batman é o único personagem de quadrinhos com o qual eu realmente me conectei”, diz Pattinson. “Há algo central nisso porque ele escolheu ser o Batman. É apenas um cara que escolhe ser o Batman e eu entendo isso. É como, ‘Você é uma aberração’, e se eu puder começar à partir disso, você meio que pode construir em torno disso.”

Pattinson e o diretor Matt Reeves estão embarcando em uma rodada inicial de divulgação para The Batman, o 11º longa-metragem sobre o cruzado encapuzado em 56 anos. Eles estão juntos para esta entrevista, mas em telas de vídeo separadas: Reeves está sentado bem perto e no centro de sua tela, enquanto Pattinson está descansando mais para trás e à esquerda dele. Eles são falantes e otimistas, dando respostas longas e ponderadas em nosso intervalo de 15 minutos, enquanto eu mantenho um olho em pânico no relógio.

“Se ele fosse apenas um personagem heroico em linha reta, eu não saberia como fazer isso”, continua Pattinson. “Todo mundo pensa que o Batman, basicamente, está entre apenas uma aberração e um incômodo. E o povo de Gotham, que ele está protegendo, também não sabe como interpretá-lo. Eles acham que ele é um criminoso também.

“Porque se você estivesse em um beco e as pessoas estivessem tentando assaltá-lo, e um psicopata completo, que está essencialmente vestido como o diabo, viesse até você, você ficaria literalmente tipo ‘Hum, por favor, não chegue perto de mim.” É mais aterrorizante do que ser assaltado, você nunca vai superar isso. Você tem que fazer terapia depois.”

Com isso, Reeves começa a rir. “Ah, vamos lá”, diz ele.

Pattinson continua: “Realmente meio que enfatiza isso no filme. Porque normalmente, quando o Batman vem em seu socorro, a reação da pessoa é tipo, ‘Oh, obrigado, Batman’. Mas eu não acho que essa seria sua reação desta vez.”

“Rob tem uma qualidade muito especial. E foi uma dessas coisas em que eu só queria que fosse Rob, antes de eu terminar o roteiro.” – Matt Reeves

Nas cinco décadas em que Batman está nas telonas, tivemos todos os tipos: Bat-maluco (Adam West); Bat-beicinho (Michael Keaton); Bat-divertido (Val Kilmer); Bat-quase-matou-sua-carreira (George Clooney); Bat-sexy (Christian Bale) e Bat-triste (Ben Affleck). E isso não inclui Bat-lego (Will Arnett). Com cinemas e serviços de streaming já inundados com histórias de super-heróis – e com a Marvel servindo não apenas super-homens, mas super-mulheres e uma vasta gama de super-heróis com diversas origens – por que precisamos de outro filme do Batman? Afinal, ele não é apenas um bilionário com ‘daddy issues’ e branco com complexo de salvador?

“Essa é a pergunta que tivemos que nos perguntar quando estávamos fazendo o filme, ou não o teríamos feito”, diz Reeves, que fez sucessos de bilheteria inteligentes e sombrios, como Cloverfield e os filmes Planeta dos Macacos, seu especialidade.

“O personagem é tão duradouro. E tem havido tantos filmes bons, que acho que o importante para nós foi poder contar uma versão definitiva. Precisávamos encontrar uma maneira de fazer uma versão do personagem que tocasse em todas as coisas que as pessoas amam no personagem – ele é um personagem mítico e icônico que durou 80 anos – mas precisávamos encontrar uma maneira de fazê-lo em uma maneira que parecia fresca. E acho que esse era o objetivo principal.”

Para fazer isso, Reeves voltou ao início. Não é o começo que todos conhecemos – o assassinato dos pais bilionários de um jovem Bruce Wayne em uma Gotham City cheia de crimes – mas o começo de Batman como um vigilante. Ele leu a HQ de quatro livros de Frank Miller, de 1987, Batman: Year One, onde o jovem Batman está lutando com sua nova identidade, sua transformação de homem em mito. Reeves então decidiu dar um passo adiante, ambientando o filme no segundo ano do “Gotham Project” de Batman.

É aqui que encontramos o tenente James Gordon (Jeffrey Wright), os gângsters Carmine Falcone (John Turturro) e Oswald Cobblepot (Colin Farrell), a ladra Selina Kyle (Zoe Kravitz) e um serial killer chamado Charada (Paul Dano). E é onde encontramos nosso jovem Batman, trabalhando ao lado do departamento de polícia de Gotham, investigando cenas de crime e atendendo ao chamado do bat-sinal. Enquanto outras cidades de Gotham parecem atemporais, esta é contemporânea, repleta de smartphones, drogas e um vilão que transmite ao vivo suas mortes e recebe ideias para máscaras de gás na internet.

“Batman está apenas tentando fazer sentido”, diz Reeves. “Como você dá sentido à luz do fato de que algo totalmente aleatório e terrível acontece com você quando você tem 10 anos, e você nunca consegue se recuperar disso? Ele está definhando.”

No Universo Estendido da DC, The Batman é classificado como um reboot. Não é tão bizarro quanto as versões dos anos 90 de Tim Burton e Joel Schumacher, nem tão presunçoso quanto a trilogia dos anos 2000 de Christopher Nolan, ou tão sombrio quanto as recentes iterações da Liga da Justiça. É denominado como um thriller noir, na veia do drama de gângster de Al Pacino dos anos 1970, Serpico, onde a polícia é tão ruim quanto aqueles que prendem. Também chove. Bastante.

“Eu queria que a história fosse uma em que o próprio Batman fosse o personagem que tinha o arco”, diz Reeves. “Onde você viu um Batman imperfeito e defeituoso que estava em crise, que estava lutando consigo mesmo, tentando descobrir como ter um efeito que ele não conseguia ter na cidade. Porque, como acontece com os noirs clássicos, não importa o que você faça, o lugar continua corrupto. E vê-lo lutar, não apenas para resolver o caso, mas também porque ele está realmente em uma grande batalha consigo mesmo, uma batalha interna.”

Aos 35 anos, Pattinson não é o ator mais jovem a interpretar Batman (era Bale, que tinha 30 em Batman Begins), mas seu Batman parece mais jovem. Seu cabelo está solto e tingido de preto e seu rosto está manchado com delineador. Ele não é um usuário de suaves roupas íntimas como Morcegos dois, três e quatro. Ele não tem o tamanho de Affleck ou a arrogância de Bale. Ele é mais reservado, tem pouco interesse em ser o bilionário Bruce Wayne e prefere passar seus dias escrevendo em seu diário. Ele é Bat-emo.

“Batman é claramente um gótico”, concorda Pattinson. “Olhe para todas as HQs. Eu acho que, nas interpretações anteriores do filme, as pessoas estavam com medo de abraçar isso, então ele acaba sendo muito mais leve. Mas em muitas das graphic novels, ele é uma alma muito torturada.”

“Você está malhando antes e depois do trabalho todos os dias… Para certas cenas, você está literalmente morrendo de fome.” – Robert Pattinson

Quando Reeves estava escrevendo The Batman, ele assistiu ao filme de Pattinson de 2017, Good Time, no qual ele interpreta um bandido em fuga. Ele soube então que tinha encontrado seu homem. “Eu estava tipo, OK, então precisamos de alguém que você possa sentir que, mesmo por trás do capuz, tenha esse nível de turbulência emocional e desespero. E [em Good Time] Rob tinha um desespero tão palpável, e mesmo que ele fosse um cara tão falho, você ainda pode simpatizar totalmente com ele e pode senti-lo basicamente em queda livre.”

“Rob tem uma qualidade muito especial. E foi uma dessas coisas em que eu só queria que fosse Rob, antes de eu terminar o roteiro. E Rob não tinha ideia.”

De sua parte, Pattinson não se intimidou em assumir um papel que tantos já desempenharam antes. Pela primeira vez em sua carreira, ele se sentiu pronto. “Nunca sei exatamente o que quero. E então, de repente, quando aparece, parece muito, muito correto”, diz ele. “E com isso, eu nunca fiquei realmente nervoso com isso. Eu conheci Matt e sabia que ele era muito receptivo e queria falar muito sobre isso também. E o roteiro era muito, muito suculento e parecia realmente diferente.

“E eu nem pensava que estava interpretando Batman a maior parte do tempo. Mesmo se você estiver no traje, você ocasionalmente se vê e diz: ‘Oh merda, é assim que eu estou.’ Só agora estou sentindo que será comparado a outros filmes do Batman. Eu nem estou tão preocupado, acho que funciona.”

Pattinson mal dá um sorriso durante as três horas do filme, seja rosnando em Gotham ou parecendo um tanto desamparado como Bruce Wayne. Mas seu Batman também é bem mais magro que os outros. Ele não tem o corpo de super-herói abertamente musculoso recentemente preferido por todos os atores para vestir um par de calças apertadas. Até Kumail Nanjiani, que interpretou o primeiro super-herói sul-asiático nos recentes Eternos da Marvel, falou da dismorfia corporal que desenvolveu enquanto lutava para colocar seu super-herói no lugar.

Pattinson alguma vez sentiu pressão para se parecer de uma certa maneira?

“Eu fiz essa entrevista que realmente voltou para me assombrar”, diz Pattinson. “Literalmente, tudo o que eu disse foi que acho muito idiota falar sobre como você se exercita. Meio que fiz uma pequena piada sobre isso. E então, literalmente, eu vi [que foi interpretado como] ‘Sim cara, eu não estou malhando nada’ e a quantidade de ódio que recebi depois foi tipo, ‘Você não está levando o papel a sério!’.”

Ele geme. “Tipo, é uma coisa muito chata de se falar. Mas também, é mais embaraçoso se você está fazendo uma cena altamente coreografada onde você está batendo em 10 caras e então quando você tira sua camisa, não tem como isso acontecer [porque você não tem músculos]. Faz parte da natureza do personagem.

“Tem sido difícil, no entanto. Você está se exercitando antes e depois do trabalho todos os dias. E normalmente, quando você está fazendo longos, longos dias no set, você fica tipo, ‘Oh, eu quero uma barrinha de chocolate’. Isso está tudo fora da mesa. Especialmente para certas cenas, você está literalmente morrendo de fome. Mas, você sabe, você está interpretando o Batman. Você meio que sabe qual é o acordo.”

Fonte | Tradução: Bruna Rafaela – RPBR

Diz pra gente o que você achou!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.