No início de 2009, a Mandi e a Nanna, na época administradoras do RPBR conseguiram uma entrevista exclusiva com Justin Kelly, produtor do filme “How To Be” (Uma Vida sem Regras). Pelo skype, tivemos uma conversa bem descontraída com Justin onde falou sobre como foi fazer um filme independente, como foi trabalhar com Rob entre muitas outras coisas. Vale lembrar que em 2010 a Paris Filmes comprou os direitos autorais do filme, e ele foi exibido em algumas redes de cinemas brasileiros. Hoje você pode encontrar o DVD do filme em algumas lojas na internet.

Olá Justin! Temos algumas perguntas pra você.
Oh, sim, obrigado pelo interesse no filme.

Nós que agradecemos. É um filme muito interessante. Eu gostei muito.
Isso é ótimo. Então, vocês viram o filme?

Algumas de nós sim.
Estou feliz que você tenha gostado.

Justin, como foi fazer um filme independente?
Muito difícil. (risos) Nós levamos mais ou menos dois anos para conseguir o dinheiro, com investidores particulares. Nós tivemos que negociar com várias empresas, para conseguir bons preços e tudo mais. Nós tivemos que convencer a equipe a trabalhar com baixos salários para conseguirmos fazer o filme.

Eu posso imaginar… Algum dos personagens tem alguma característica sua, ou de outra pessoa, ou foi tudo inventado?
O filme é mais baseado nas experiências do diretor (Oliver Irving) e seus amigos. Que são Michal Perce, que interpreta Nikki, Johnny White, que interpreta Ronny e o compositor Joe Hastings. Eles são todos amigos e todos trabalharam juntos para escrever o roteiro, com base em experiências que eles tiveram e de histórias que eles ouviram de amigos.

O filme foi exibido em vários festivais, inclusive em um aqui no Brasil. Vocês tiveram algum retorno financeiro com isso?
Não, nós não recebemos retorno financeiro de nenhum festival. Nós temos que passar o filme para distribuidores, para conseguirmos um retorno financeiro. Os distribuidores tentarão colocar o filme em cinemas, ou DVD ou até mesmo TV. Assim que o dinheiro será feito, mas não em festivais.

Gostaríamos de saber, se vale à pena, fazer um filme independente, tendo que pagar do próprio bolso e tudo mais, se vale à pena, quero dizer, trazer a história imaginada à tona, mesmo com os gastos?
É muito caro, fazer um filme. São custos básicos, como câmera, equipamento, salário da equipe e do elenco, viagens. Fazer qualquer filme custa um certo preço. Nós tivemos que pagar muitas coisas. Acho que gastamos todo o dinheiro que tínhamos muito bem. Acho que conseguimos colocar no filme, tudo o que estava no roteiro. Eu fiquei orgulhoso do que fizemos e como fizemos. Com o dinheiro que tínhamos, claro que ficaria melhor se tivéssemos mais dinheiro, mas acho que fizemos um bom trabalho com o dinheiro que tínhamos. E contamos a história que queríamos contar.

Você acha que ter Robert Pattinson no filme, ajudou na divulgação?
Sim, definitivamente. Quando decidimos ter o Robert no filme ele só tinha feito um filme (Harry Potter e o Cálice de Fogo) e ele não tinha certeza sobre atuar, ele não tinha certeza se ia continuar atuando porque ele não sabia se gostaria dos personagens que teria que atuar, então ele aceitou fazer parte de How To Be como uma chance, para ver se ele continuaria atuando e ele não era uma estrela e nós costumávamos brincar, enquanto estávamos filmando How To Be, que o Robert seria uma estrela e que nós não conseguiríamos segurar ele e agora, dois anos depois olha o que aconteceu. Ele é um cara muito legal, mas agora tem muita gente em volta dele, querendo controlá-lo, então é difícil conseguir falar com ele.

Nós fizemos o site para mostrar que o Robert não é apenas Cedrico Diggory ou Edward Cullen, queremos mostrar seus outros trabalhos, como How To Be, Little Ashes, filmes independentes. Nós queremos mostrar que o Robert não é apenas esses personagens famosos. Então nós gostamos de ajudar a divulgar How To Be e os outros filmes….
Yeah, muito obrigado por isso. Isso é muito bom, porque nós também achamos que o Robert é um ótimo ator. Nós estamos muito felizes em falar com vocês, talvez vocês possam escrever pra gente, pra ajudar a divulgar as informações de How To Be.

Gostaríamos de saber, o que você acha do Robert, como ator. O que você acha da versatilidade dele, porque nós podemos ver que os personagens que ele interpreta são muito diferentes.
Bem, eu posso falar um pouco sobre ele, mas essa questão seria melhor respondia pelo diretor Oliver Irving (diretor do filme). Mas do meu ponto de vista, Robert é um ator com muito “alcance”, muito honesto, então, ele acredita no personagem e ele é muito amigável, uma pessoa fácil pra trabalhar junto, ele é paciente e conseguiu se dar bem com o resto do elenco e da equipe.

Você ajudou no processo de seleção dos atores? Como foi isso?
Sim, eu tive que ajudar. E o Robert foi o melhor, ele pareceu entender o personagem. Durante as audições, Robert errou suas falas, então ele improvisou e mostrou que tinha entendido bem o personagem, usando suas próprias falas.

Você trabalhou em algum outro filme, antes de How To Be? Ou você vai trabalhar em algum outro filme, ou algo assim?
Esse foi o primeiro filme que eu produzi e nós temos dois outros filmes em andamento, mas eles estão em um estágio bem inicial, nós estamos trabalhando nos roteiros ainda.

Como foi começar a trabalhar como advogado?
Bom, eu trabalhava como advogado na área de filmes, um exemplo, direitos autorais e toda a área jurídica de filmes, trabalhava pra pagar as contas (risos), mas depois resolvi mudar e ir pra a área de produção.

Uma coisa levou à outra, então?
Exatamente!

E você pensava como uma profissão inicialmente, ou só como um hobby?
Como uma profissão, mas mais divertida… advogado mesmo era mais pra pagar as contas.

O que você prefere, advocacia ou produção?
Eu gosto mais de produção, mas eu gosto muito de minha carreira como advogado também. Desde que eu tinha 20 anos eu comecei como advogado e com 34 eu comecei com produção. Eu conheci o Oliver Irving, e ele tinha acabado a faculdade de cinema…nos tornamos amigos e ele me mostrou o script. E eu pensei ”Porque não posso fazer algo diferente na minha vida?” foi aí que resolvi começar com produção.

Vocês vão fazer uma continuação de How To Be?
Estamos pensando em uma série, como uma mini serie… contando a vida do Art e de seus amigos depois que acaba a história do filme, como uma continuação. Estamos trabalhando no roteiro, mas ainda não temos data prevista pra lançamento nem nada do gênero.

E como será o DVD?
Quanto ao DVD, terão 20 minutos de extras, com making of e cenas deletadas.

Eu lembro de ter visto alguns vídeos de How To Be, de Making Offs antes do filme ser lançado… vão ser os mesmos, ou vídeos diferentes?
São vídeos diferentes, making offs exclusivos.

Bom, é isso Justin… muito obrigada pela sua paciência, espero que mantenhamos contato! Muito sucesso na sua carreira, tudo de bom.
Eu que te agradeço, pelo apoio ao filme e ao interesse em falar comigo. Sucesso pra você também, o que quiser saber, pode mandar e-mails ou o que precisar. “Obrigado”. (em português) Foi muito bom falar com vocês, obrigado. Bye bye, tchau (tchau em português)

Entrevista exclusiva do site Robert Pattinson Brasil! Não reproduza sem os devidos créditos!