Uma fã escreveu um artigo falando sobre Robert, sua música, suas opiniões e várias outras coisas. Nesse artigo tem comparações, além de um depoimento incrível da carreira dele, muito bom de se ler. Leia um trecho ou leia o artigo completo.

Como fã eu adoro sua voz, se fosse anunciado amanhã que ele iria lançar um álbum, eu compraria. Eu fico grata que ele não vai fazer isso. Agora, os fãs gostando ou não, Crepúsculo sempre é citado nos artigos sobre Rob. A franquia ao longo dos últimos anos se tornou o saco de pancadas favorito dos escritores online. Na minha opinião seria melhor aceitar Crepúsculo do jeito que é, e focar nos péssimos filmes que invadem os cinemas todo ano. Os escritores se divertem fazendo as crianças abaixarem um pouco a crista. Mas eles simplesmente têm o desejo de quebrar o que eles próprios ajudaram a criar, eles frequentemente eles desmerecem os atores que estão tentando fazer o seu trabalho e obter melhores resultados em seu ofício. O primeiro passo de uma franquia é definir seu conteúdo independente do que a imprensa pense. Um teste de figurino ainda tem que ser feito, para que os papéis não sejam mal distribuído. Rápido para julgar. Rápido para culpar. Rápido para parar o processo criativo. Por outro lado, temos alguns fãs que não gostam de ver seus artistas prediletos sendo criticados. No meio disso está o Rob. Eu nunca li uma entrevista onde ele proclamou-se o ator de sua geração, ou o seu desejo de ter uma parede cheia de prêmios antes de seu trigésimo aniversário. Ouvi-lo apenas expressar o desejo de crescer e aprender em seu processo criativo. Quanto a música, estou com medo que ele seja vítima do mesmo cenário. A diferença, entre sua atuação e sua música é que em relação a atuação ele se permitiu ser criticado, já na música, ele teve poucas experiências desse tipo, só a tornou pública em Crepúsculo e outras raras ocasiões. Ele mantém sua música segura longe dos fãs e das críticas.