Durante as filmagens de The Rover no deserto australiano, Robert Pattinson e o diretor do longa David Michôd falaram sobre o filme. O ator contou como foi sua experiência com o personagem e ficar dois meses longe de tudo. Veja também em nossa galeria, uma imagem dos bastidores.


001 x Filmes > The Rover > Bastidores das Gravações > Bastidores das Gravações Oficiais

The Sunday Morning Herald: “É muito estranho”, Robert Pattinson diz. “Há algo estranho e perturbador sobre essa relação inteira.” O ator de Crepúsculo fala sobre os dois personagens que estão no centro de seu novo filme, The Rover, que ele terminou de filmar no sábado no deserto do Sul da Austrália. Ele interpreta um jovem, Rey, pego em uma desconfortável aliança perigosa com um estranho, Eric (Guy Pearce), em um futuro não muito distante.

The Rover é o novo filme muito aguardado de David Michôd, o escritor-diretor do Animal Kingdom. O título refere-se ao personagem de Pearce: danificado, solitário, completamente sem esperança. Pattinson esteve lançando sua rede mais amplamente desde que seu papel principal nos filmes de grande sucesso de Crepúsculo o transformaram em celebridade e lhe deram uma certa quantidade de atenção dos paparazzi. Ele é rápido e às vezes autodepreciativo, e tem uma surpreendente gargalhada. À procura de papéis pós-Crepúsculo, ele diz, “Eu não sei se sou necessariamente bom em esculpir uma carreira ou algo assim. Mas eu sei o que quero fazer.”

Ele queria ser parte de The Rover, porque “era um roteiro original e era uma dessas coisas em que você lê e pensa, ‘Eu adoraria fazer disso, mas eu sei que nunca vou conseguir.’” Dai, “já estava me autoderrotando antes de sequer começar”, diz ele.
Neste filme, ele percorre um longo caminho desde o encantador do século XIX, o francês de Bel Ami ou o bilionário de Nova York de Cosmópolis, dois de seus papéis mais recentes. O futuro próximo que Rey habita tem um quebrado, improvisado e desesperado sentimento, e a aparência de Pattinson está de acordo: despenteado e barba por fazer, com maquiagem que descolore os seus dentes.

Rey é um americano que veio para a Austrália com seu irmão. Ele é como Pattinson diz, “o tipo de pessoa que foi educada para acreditar que eles são incapazes de viver de forma independente. Alguém sempre tem que cuidar dele.” Quando ele está separado de seu irmão “quase na primeira pessoa que se aproxima, ele se agarra. Não importa como ele é tratado.” E Eric o trata muito mal no começo. The Rover foi filmado ao longo de sete semanas, terminando a mais de uma quinzena na remota cidade pequena de Marree, 685km ao norte de Adelaide, cuja população de 90 e poucos, dobrou a presença da equipe de filmagem. Quase todas as partes de Marree foi incorporada no mundo do filme. Os cineastas disseram que sentiram como em seu próprio estúdio de Hollywood.
The Rover toma o lugar “em um futuro próximo não especificado relativamente, após um certo número de anos de sério constante declínio econômico Ocidental” Michôd diz. “Não é pós-apocalíptico. Essa é uma Austrália que foi quebrada como um país de Terceiro Mundo rico em recursos.”

Ele não começou com a ideia deste futuro próximo, mas com o inconstante relacionamento enigmático entre os dois personagens centrais. Ele escreveu o papel de Eric para Pearce, mas não começou a pensar sobre Pattinson até que se encontraram em Los Angeles. Ele não tinha – e ainda não viu – nenhum dos filmes de Crepúsculo, mas foi informado de que Pattinson era interessante. Ele achou que Pattinson era “muito inteligente, e não o tipo de menino bonito que eu esperava. Assim que chegou a hora do teste… ele foi minha primeira escolha, por um longo caminho.”

The Daily Telegraph: Edward Cullen não duraria cinco minutos no calor escaldante em Marree, uma pequena cidade há 650km ao norte de Adelaide. Mas Robert Pattinson canalizou o desconforto físico de sua filmagem de verão de sete semanas no meio do deserto australiano em um personagem que ele espera passar uma impressão indestrutível igualmente como o vampiro de Crepúsculo.

“Isso acrescentou muito para o desempenho – estar coberto de terra, derramando suor, com toneladas de moscas ao redor de você. Você perde suas inibições muito rapidamente”, a estrela Inglesa disse no set de seu último filme, The Rover, em que ele ostenta um corte de cabelo bruto e dentes ruins e cariados.

Um neo-ocidental estado em um brutal futuro anárquico próximo, o filme de US$ 12 milhões do diretor David Michôd é muito aguardado seguimento do aclamado internacionalmente, Animal Kingdom. Guy Pearce interpreta o personagem principal, um estranho amargurado com quem Pattinson, a vítima ingênua, faz uma aliança desconfortável. Marree, com população de 90 pessoas, está quase tão longe de Hollywood como um ator pode estar.

“Isso é bom em alguns aspectos”, diz Pattinson. “Você definitivamente acaba fazendo um filme diferente. Estar no deserto tem um efeito engraçado. Ele muda você de uma forma.” Pattinson confirmou sua participação em três próximos projetos: Queen of the Desert com Naomi Watts e Jude Law; Maps to the Stars, uma comédia dirigida por David Cronenberg (Cosmópolis); e Hold on to Me com Carey Mulligan.

Courier Mail: Edward Cullen não duraria cinco minutos no calor escaldante de Marree, um pub de cidade a cerca de 650 quilômetros ao norte de Adelaide. Mas Robert Pattinson canalizou o desconforto físico do verão de sete semanas filmando no meio do deserto australiano em um personagem que ele espera fazer uma impressão indelével igualmente como fez com o vampiro de Crepúsculo.

“É acrescentou muito no desempenho – ser coberto de terra, derramando suor, com toneladas de moscas ao redor, você perde suas inibições muito rapidamente”, disse o astro inglês no set de seu último filme, The Rover, no qual ele ostenta um cara bruto, um corte de cabelo curto e dentes cariados.

Um set neo-ocidental em um brutal e anárquico futuro próximo, o filme de US$ 12 milhões é do diretor David Michod do internacionalmente aclamado e ardente seguimento chamado Animal Kingdom.

Guy Pearce interpreta o personagem título, um estranho amargurado com quem faz uma aliança desconfortável com a vítima ingênua (personagem de Pattinson). Localizado entre Oodnadatta e Birdsville, Marree, a população de 90, é de cerca distante de Hollywood como um ator pode ter.

“Isso é bom em alguns aspectos”, diz Pattinson. “Você definitivamente acaba fazendo um filme diferente. Estar no deserto tem um efeito engraçado. Ele faz você mudar de uma maneira”.

Pattinson, cuja vai e volta de seu relacionamento com a co-estrela de Crepúsculo Kristen Stewart tem sido um assunto de muitas revistas, admite que os diferentes fusos horários e da falta de recepção do telefone celular tornou-se um pedágio em sua vida privada. “Sim, é difícil. Mas no final do dia, foram apenas dois meses.”

Pattinson disse que ele tinha a intenção de ficar as próximas três semanas fora, mas confirmou sua participação em três próximos projetos: Queen of the Desert de Werner Herzog, com Naomi Watts e Jude Law; Maps to the stars, uma comédia dirigida por David Cronenberg (Cosmópolis), e Hold on to Me, com Carey Mulligan.

Via | Tradução: Marjorie Nobre