Robert Pattinson concedeu recentemente uma entrevista para a revista Elle da França sobre sua campanha publicitária para a Dior Homme, e falou também sobre sua carreira, sobre seus projetos mais recentes e revelou ser bastante neurótico e não ter nenhuma autoconfiança em si mesmo. Confira à seguir os scans e a tradução feita pela nossa equipe.


x Scans > Internacionais > 2013 > Agosto 2013 – Elle (França)

Robert Pattinson: A Fênix.

Existe vida pós “Crepúsculo”? Essa é a pergunta que o ator vem tentando responder emprestando seus talentos para filmes independentes e seu sex appeal para a fragrância da Dior. Nós nos encontramos com ele.

“A coisa mais importante é ser legal!” Depois de passar 5 anos no centro do furacão de Hollywood, Robert Pattinson finalmente entende tudo. A revelação não veio à ele do nada, enquanto ele passeava com seu cão pelas ruas de Los Angeles. Nós sempre o achamos o rei da inquietação. E ele ainda acha difícil esconder (talvez ele não esteja realmente tentando), o fato de que ele estava fazendo a coisa certa fazendo vários filmes que fizeram dele um ídolo. “Atuar em filmes que normalmente você não veria por vontade própria pode complicar um pouco as coisas”, ele confessa. “É difícil falar sobre isso, difícil de promover, difícil se sentir conectado ao público… Até o momento em que eu conheci David Cronenberg, que me contratou para estar em “Cosmopolis”, eu tinha a sensação de que eu estava literalmente “caindo de para-quedas” em papéis que eu realmente não escolheria. Acima de tudo, porque eu estava tentando não afundar. Pela primeira vez na minha vida, eu senti que fui escolhido pelo meu talento. David me deu a confiança que eu não tinha. Ele mudou tudo na maneira de como eu via o meu trabalho como ator.”

Engraçado dizer que agora ele é o novo rosto da tão famosa fragrância da Dior (em troca de uma bela quantia em dinheiro) e agora vê seu rosto estampado em vários outdoors pelo mundo? Na verdade, não realmente. Claro, que a Dior não é a primeira que tentou ter Rob Patz como garoto propaganda. Antes deles, muitos outros tentaram fazer dinheiro usando a enorme popularidade do astro de “Crepúsculo”. Mas parece que a equipe da honrosa marca francesa souberam quais palavras usar para convencê-lo. Ou “a” palavra certa: a liberdade. Com isso, Pattinson realizou um de seus grandes sonhos como ator: Gravar com Romain Gavras, o talentoso e polêmico diretor francês, que parece estar sempre se aventurando em coisas legais (como o videoclipe de M.I.A. “Bad Girls”) ou de super polêmico (videoclipe “Stress” de Justice). “Eu estava tentando entrar em contato com ele já fazia um ano, e ele nunca atendia minhas ligações. Quando a Dior entrou em contato comigo, eu pensei comigo mesmo: “Tenho certeza que ele adoraria trabalhar comigo se eu lhe oferecesse um anúncio da Dior.”

Bingo! Gavras aceitou, e restaurou a imagem do ator que busca seu legado artístico e da Dior está sempre em busca de credibilidade. A campanha que ele fez é de gato uma bolha de champanhe, uma mistura legal dos anos 60, onde Rob e a modelo francesa Camille Rowe passeiam, fumam cigarros, dirigem em alta velocidade um BMW conversível na praia… muito “New Wave”, sensual e novo. Como o belo fã que é, a estrela fala incessantemente sobre sua admiração pelo “anarquista” Gavras. “Ele tem uma concepção totalmente diferente da que eu tenho do mundo. Ele é extraordinariamente auto-confiante. Eu sou muito neurótico. É irritante, mas, ao mesmo tempo, eu gosto dessa minha falta de confiança é a única coisa que eu acho interessante em mim.”

Podemos dizer que com Robert Pattinson, há sempre uma grande dúvida. Seu romance com Kristen Stewart, e todas as fofocas que cercava o casal, até seu recente término há alguns meses certamente não o ajudaram a melhorar essa sua falta de confiança em si mesmo. E ele realmente está ciente disso. “As pessoas me viram em um ou dois filmes e acham que sabem quem eu sou. Cabe a mim procurar os diretores com quem eu quero trabalhar. E eu estou fazendo isso, mas para isso, preciso perder a minha timidez. Há alguns dias atrás, isso aconteceu, eu conheci alguém que eu admiro muito em um jantar. Enviei uma mensagem de texto no dia seguinte dizendo que adoraria trabalhar com ele. Após três horas sem nenhuma resposta, estava prestes a enviar outra mensagem de texto pedindo desculpas e dizendo algo como: “Desculpe, desculpe, foi muito presunçoso da minha parte. Mas ele respondeu, antes de eu enviar.”

Fervoroso como uma jovem apaixonado, Pattinson tem uma mistura de paixão, desprendimento e lucidez extrema, que faz o seu trabalho diário complicado. Mais uma vez, “Cosmopolis”, e sua primeira experiência de Cannes deu uma virada em sua vida. “Prometi a mim mesmo que só vou fazer coisas que eu amo. “Não é fácil pisar nas terras dos países das grandes produções, onde os profissionais te aconselham a “construir seu público masculino”. “Eu nem sei o que isso significa ‘construir um público masculino”, não posso forçar os caras a irem ver os meus filmes”, diz ele, rindo. Mas o jovem lobo não é completamente inocente e entende que ser “legal” é um pré-requisito para o cinema independente no qual ele está interessado no momento. “Na verdade, é marketing, e o mais importante no marketing é ser coerente. Significa que eu tenho de ignorar dezenas de proposições. Por exemplo, há um risco neste negócio que está em constante evolução, nós rejeitamos projetos, até que um dia em que ninguém mais te oferece nada. E quando esse dia chegar, tudo que você pode fazer é estar no “Dancing with the stars.”

No momento ele estará no próximo filme de Werner Herzog, juntamente com James Franco e Naomi Watts (ele não confirma esta informação), e acabou de gravar “The Rover”, o primeiro filme de David Michod, escritor popular, conhecido por “Hesher” e “Animal Kingdom”, muito perto dos irmãos Edgerton. É o que ele precisa ser aceito pelos fãs do cinema independente nos EUA. Em seguida, ele e a sua fada madrinha, Cronenberg trabalharão juntos novamente em “Maps to the Stars”, roteiro de Bruce Wagner, figura de destaque da nova geração de escritores americanos. A curto prazo, mesmo que ele encontre um prazer retorcido em esconder-se por trás de seus personagens, Pattinson está muito determinado e cheio de coragem, para construir uma carreira que está lentamente começando a representar a pessoa que realmente é. Afinal, DiCaprio também foi perseguido pelos gritos de meninas malucas também, bem como Brad Pitt que mostrou seu peitoral em “Thelma e Louise” e até mesmo em um episódio de “Dallas”, muito antes de David Fincher, Neil Jordan e Terry Gilliam darem as chaves para papéis mais substanciais. Ninguém os criticou por isso.

E podemos perdoar Rob Patz por estar fazendo filmes independentes. Especialmente enquanto ele ri, sob o olhar de seus novos amigos da Dior, e que vai fazer um esforço no que diz respeito a sua aparência: “Eu adoro moda, mas eu não fico confortável com a ideia de que as pessoas irão me julgar pelo que eu estou vestindo. Então eu sempre uso a mesma coisa. Mas veja eu tenho esse casaco da Dior que eu ganhei e eu vou usá-lo todos os dias!” Nunca é tarde demais para fazer as coisas direito, Rob. Esperemos que com este look impecável, você mantenha sua franqueza. “Alguns meses atrás, eu comecei a desenhar vestidos para as mulheres, vestidos de alta costura…” Morrendo de rir novamente. “Foi provavelmente um sinal de que eu estava no meio de um colapso nervoso!” Frágil, cativante e irresistivelmente sexy apesar de si mesmo, Pattinson, o ídolo teen tornou-se finalmente um homem.

Fonte | Via | Tradução: Ana Paula Oliveira