Em entrevista para a revista GQ do Reino Unido, Robert comenta sobre a liberdade que recebeu na campanha Dior Homme e como se sente em relação ao trabalho feito.


x Inicio > Scans > Internacionais > 2013 > Setembro 2013 – GQ (UK)

Até agora, Robert Pattinson nunca tinha representado uma marca em sua vida. A estrela de Crepúsculo pode ter impulsionado os seus ganhos com os contratos lucrativos, mas optou por não representar nenhuma. É quarta, 12 de junho de 2013, e isso está prestes a mudar. Estamos no Soho House, em West Hollywood para a estreia mundial da nova campanha Dior Homme e Pattinson é o cara. Ao som de Led Zeppelin ‘ Whole Lotta Love’ e dirigido por Romain Gavras , 1000 Lives é um filme de um minuto que narra a história de um casal – pelas ruas de Nova York – muito distante de Edward e Bella .

Vestido com um terno azul de dois botões e camiseta preta, Pattinson fala sobre a sua primeira contratação. “Eu estava reticente em fazer comerciais”, confessa. “Eu estou sempre muito hesitante em trabalhar com grandes empresas”. Para convencê-lo, a Dior deu carta branca para Pattinson no projeto, desde o conceito até a execução. “Romain foi a minha primeira escolha, desde o início”, diz ele. “Eu não tinha ideia do que esperar dele, estávamos inventando um monte de coisas que eu nunca tinha feito antes”.

A ideia de Gavras era transformar o anuncio do perfume em um arquétipo – “um cara bem vestido dirigindo carros caros ” – em sua cabeça. Portanto, há uma  BMW – que Pattinson caiu dele no primeiro dia – e um único interesse amoroso: a modelo que virou atriz, Camille Rowe. De acordo com Pattinson, o eixo da história são duas pessoas em um relacionamento “autodestrutivo”, como “ímãs que se repelem”, mas que quando tocados por um breve segundo, conseguem “algo que não deveria ter acontecido”, deixando que a gente reflita se ele se inspirou em sua própria experiência com a Kristen Stewart.

Aos 27 anos, Pattinson está claramente querendo se libertar de suas origens como o adolescente vampiro: “Foi um período estranho, não estar mais interpretando ele. Foi a primeira vez que eu me senti como um adulto”. Refletindo sobre a campanha, Pattinson revela: “Eu estou muito ligado a isso agora. Parece honesto, talvez porque era divertido fazê-lo. Não sentimos como se estivéssemos fazendo um comercial. Mesmo de fora, não parece que eu esteja tentando vender alguma coisa”. O que nos traz de volta a razão pela qual a Dior o contratou : vender fragrância . Então, qual foi o seu primeiro perfume? “Minha tia me deu L’ Eau D’ Issey (Água de Colônia) quando eu tinha 12 anos – foi no mesmo verão que eu descobri o gel de cabelo e pensei que eu era super elegante”.

Tradução: Denise Simino.