A coletiva de imprensa de “Cosmópolis” aconteceu na manhã desta sexta-feira no Festival de Cannes e já é noticia na mídia brasileira. O Estadão dá destaque à Robert Pattinson e sua opnião sobre Cosmópolis: “Às vezes penso que o mundo merecia ser limpo e lavado”.

CANNES – Robert Pattinson pode não levar a Palma de melhor ator, mas leva com folga o troféu de galã do Festival de Cannes 2012. A coletiva de imprensa de Cosmópolis, novo filme de David Cronenberg, que integra a competição oficial do festival, foi uma das mais concorridas até agora. Antes de iniciar a batelada de questões, o moderador adverter: “Por favor, deixem a cama e os assuntos de vampiro de fora desta conversa.”

A imprensa obedeceu e o que se seguiu foram declarações contundentes do astro que cada vez mais se distancia da imagem de galã adolescente e se torna um ator de grande porte. Em Cosmópolis ele vive é Eric Packer, um jovem milionário que circula pelas ruas de Nova York refugiado em seu próprio mundo, ou melhor, em sua limusine. O longa retrata um dia na vida de Packer, que começa sua jornada com um único desejo: cortar o cabelo. Para isso, vai ter de cruzar a cidade até chegar no velho barbeiro que o conhece desde menino. Terá também de encarar uma cidade caótica, em que personagens surreais rondam as ruas, outros tantos entram e saem do microcosmo que a limusine representa, protestos anti-capitalismo.

Questionado sobre as semelhanças entre sua vida como celebridade, que o obriga muitas vezes a circular por espaços fechados e ter pouco acesso à ‘liberdade de circular’, o ator afirmou que não via muita semelhança. E ganhou a ajuda de Cronenberg para responder: “Não há semelhanças entre a vida deles porque Pattinson tem de lidar com o fato de ser uma celebridade. Já o Packer não é famoso. Ele é um cara que força todos venham par ao seu mundo. Criou a limosine para ser seu barco, viver ali completamente isolado. Gosto da estrutura de que ele força todo mundo a fazer tudo para ele. É um cara estranho e silencioso.”

Continue lendo no blog do Estadão.

Agradecemos à querida Lis pela dica!