Robert comentou em uma entrevista concedida à revista Interview (Versão da Alemanha) sobre o seu mais novo filme, Cosmopolis, Cannes,  e seu cachorro, Bear. Leia abaixo!

Seus fãs ficaram muito entusiasmados quando Robert Pattinson visitou Berlim, há algumas semanas. O ator não estava aqui para promover o seu papel de vampiro em “Crepúsculo“, mas apresentar a adaptação de David Cronenberg, do filme “Cosmopolis” de Don DeLillo. Nós falamos com o inglês sobre seus papéis antigos e novos e também sobre seus melhores e piores momentos do ano passado.

INTERVIEW: Sr. Pattinson, seu cabelo cresceu de novo. Você fez corte de cabelo bem curto antes disso. Foi por seu papel em “Cosmopolis” ou “Bel Ami?”
ROB: Nenhum deles, era para um filme em que eu estou interpretando um soldado que encontrou Sadam Hussein. As filmagens eram para começar na primavera, mas foram adiadas até o outono.

INTERVIEW: Os seus papéis deixaram o gênero de fantasia e tornaram-se mais realistas, você concorda?
ROB: Como ator, você só tem que ter muita sorte para conseguir bons papéis e quando eu gostar de um, eu vou aproveitar a oportunidade. Se eles ficam mais realistas, ou é uma coincidência ou isso acontece inconscientemente.

INTERVIEW: Na frente do “Kino International” aqui em Berlim – onde “Comospolis” vai estrear esta noite – os fãs fiéis estão acampados desde ontem. Você pensa sobre a possibilidade de assustá-los com esses papéis [como o seu em Comospolis]? Seus fãs podem querer ver o vampiro Edward Cullen em vez de Eric Packer, um bilionário com uma crise de identidade.
ROB: Eu não acho que seja o caso. Desde que eu filmei “Bel Ami” alguma coisa estranha aconteceu: os meus fãs me deram meus livros favoritos como presentes. Ontem eu estava em Paris e na estréia havia uma fila de pessoas que queriam me dar livros! É incrível, não é?

INTERVIEW: Você está feliz com os livros? E você realmente os leva todos com você?
ROB: Claro, havia livros realmente excelentes entre eles. Incluindo um escrito por Lawrence Ferlinghetti.

INTERVIEW: Você espera que seus fãs aprendam alguma coisa com os seus filmes de adaptações?
ROB: Mesmo que apenas uma pessoa entre centenas seja inspirada a ler o livro correspondente e tratá-lo em maior profundidade, seria maravilhoso. Cinema pode ser mais do que puro entretenimento, pelo menos às vezes.

INTERVIEW: É por isso que você disse que não quer atuar em filmes adolescentes mais? Eu li isso.
ROB: Sim, eu vi isso também. Alguém me entendeu mal ou quis entender. Quem diz que “Cosmopolis” não era um filme adolescente? Se há uma cena de sexo ou de violência em um filme ele é automaticamente classificado como um filme para adultos, independentemente do sobre o que o tópico seja. Essas categorias são completamente absurdas. Não, eu nunca realmente diria algo como isso!

INTERVIEW: Mas “Cosmopolis” não é realmente um filme para adolescentes, é?
ROB: Bem, eu não era facilmente chocado mesmo quando adolescente. E para ser honesto: todo adolescente assistem pornôs hardcore nos dias de hoje e, provavelmente, tem visto coisas mais evidentes do que as coisas no nosso filme.

INTERVIEW: Sim, é verdade. Isso significa que os pais não têm razões para estar apreensivos com “Cosmopolis”. Todos os fãs de Crepúsculo podem ir ao cinema sem hesitação!
ROB: A menos que os pais têm alguma coisa contra diálogos. Se eles pensam “Oh não, eu não quero que meus filhos lidem com tantas palavras!” então eles provavelmente devem estar apreensivos com nosso filme!

INTERVIEW: Falando em classificações de filmes: você está nu em cada filme seu.
ROB: Certo? Isso é verdade.

INTERVIEW: Como você se sente quando você tem que tirar a roupa no set?
ROB: Eu sou britânico. Eu estou sempre mais inseguro do que os outros. Todo mundo está sempre relaxado no set, mesmo quando está filmando uma cena de nudez. Eu estou sempre muito tenso e ansioso.

INTERVIEW: E isso não melhora?
ROB: Quando eu confio no diretor e quero que o filme fique ótimo, fica mais fácil agora. Mas se esse não for o caso eu me sinto como uma prostituta. (Risos)

INTERVIEW: Você teve um ano excitante, qual foi sua experiência mais incrível e qual foi a pior?
ROB: Bem… hm, houve muito de ambos. Eu diria que o fato de que nosso filme foi aceito no Festival de Cannes é um dos mais surpreendentes. Estou muito grato por isso. Você sabe, eu esperava ter um filme em competição, em talvez 10 anos, mas de repente isso acontece exatamente agora. Absolutamente inacreditável.

INTERVIEW: Isso significa que você não tinha um plano para sua carreira que conduziria diretamente você a Cannes?
ROB: Você sabe que, desde o primeiro filme de “Crepúsculo” todos os jornalistas me perguntaram se eu estava com medo de só ser lançado para certos papéis. E então o primeiro filme que eu filmei quando eu terminei a Saga Crepúsculo vi à competição em Cannes. Isso me surpreendeu totalmente.

INTERVIEW: E o que você pensa de si mesmo no seu primeiro papel não-vampiro?
ROB: Eu amo o filme. Eu acho que é meu melhor trabalho. Eu sempre me senti desconfortável me assistindo no cinema até agora, mas neste caso foi o oposto total.

INTERVIEW: O que você mais gosta no seu papel?
ROB: Isto pode soar um pouco estranho, mas eu gosto do som das palavras, quando você fala em voz alta. A linguagem, as frases, como elas são organizadas – é tudo bonito.

INTERVIEW: Qual frase você gostou mais?
ROB: Eu pensei “Isso são meus amendoins que você está cheirando” foi incrível. “Creio que o meu órgão sexual está recuando pra dentro de meu corpo agora” também é muito grande e absurda.

INTERVIEW: Agora que nós falamos sobre seus melhores momentos, quais foram as piores, então?
ROB: Meu cachorro ficou doente, isso foi muito triste (risos). Mas, sério, foi terrível! Ele está se sentindo melhor agora, apesar de tudo.

Fonte | Tradução: Marina Rozado