Confira à seguir os scans e a entrevista traduzida de Robert Pattinson para a Marie Claire da Itália onde ele fala sobre as roupas que ele usa, sobre com o que ele gastou seu primeiro cheque milionário, sobre seus velhos amigos, e sobre seus projetos para o futuro. Acompanhe.


x Scans > Internacionais > 2013 > Setembro 2013 – Marie Claire (Itália)

Nosso primeiro encontro foi mera coincidência, “Nós já não nos vimos antes?”. Essa é a cereja no topo do bolo da minha viagem de quatro dias à LA. Como se não fosse suficiente ter me hospedado no Beverly Hills Hotel, e jantado em restaurantes onde várias celebridades vão, e ter feito todas essas coisas que fazem as garotas arderem de inveja. Mas por que você se preocupa com isso quando Robert Pattinson o novo rosto da Dior Homme diz pra você “Eu acho que já vi você antes?”. Eu, de fato o encontrei há 5 anos atrás no Festival de Filme de Roma, na premiere de Crepúsculo. Naquela época não imaginávamos que a Saga iria se tornar um sucesso tão grande, mesmo que os livros estivessem vendendo como água. Talvez ele ainda não sabia que ele seria super famoso, e com a luz dos refletores em seu rosto, juntamente com uma nervosa Kristen Stewart, que não conseguia parar de tremer a perna, estava enfrentando milhares de fotógrafos e adolescentes fervorosas. Ele me diz que nunca irá esquecer aqueles primeiros momentos.

Naquele tempo, ele se vestia casualmente; mas agora ele é o novo rosto da Dior, será que ele vai se preocupar mais com o que veste agora? Ele sorri, com seus dentes brilhando, e aponta para o boné de baseball que está usando com a aba para trás, a camiseta escura com mangas curtas, uma jaqueta cinza por cima e jeans pretos. “Eu não deveria”, ele ri. “Eu não gasto muito tempo pensando sobre o que vou vestir. Eu compro roupas de forma aleatória, dependendo do meu humor. Eu poderia usar a mesma coisa por dias – afinal, não é como se a gente estivesse sempre comendo no mesmo prato. Até mesmo um daqueles macacões para bebês seria legal, com pequenos botões na frente”. Embora na noite anterior, na festa da Dior no Soho House, ele parecia à vontade (e muito bonito) em um terno escuro. Você pelo menos usa o perfume?, insisti “Eu estive usando nos últimos dias”!, Ele ri. O seu assessor de imprensa lhe dá um olhar severo; ele recupera a compostura. “Brincadeiras à parte, é algo novo pra mim. Eu tentei usar perfume naquele tempo quando você começa a notar as garotas e derrama em si mesmo um monte de perfumes de péssima qualidade e elas diziam “Mas que cheiro é esse?”. Eu estou aprendendo a usar agora.”

Eu tinha falado com Romain Gavras, diretor do comercial, poucas horas antes. “Parece que há algo intrigante entre vocês”, eu falei para o Pattinson. “Oh, sério? O que ele lhe contou?”. “Que durante a cena do carro na praia, você dirigiu direto para a água”. Ele cora, mas está satisfeito de uma maneira louca. “Ele também disse que você é culto e inteligente”, eu adiciono. “E que vocês trocam sms, como ‘hey o que você está vestindo agora?’” Ele começa a rir. “É verdade! Ele começou com isso – e eu não pude acreditar no que os meus olhos leram, e eu pensei ‘o que? Que diabos é isso?’ Então eu respondi da mesma maneira. Romain é tem uma mente jovial e é ambicioso, mas não se leva muito a sério. Ele tem senso de humor e é um pouco anarquista. Eu gosto dele. “

Percebo que ele já não está mais pálido. Ele está começando a pegar o tom de pele da Califórnia. O que mais eu quero perguntar a ele? Ah, sim, falando em ambição, você é rico agora. Como gastou seu primeiro cheque? “Em uma guitarra. Em seguida, uma casa em Los Angeles. Melhor aqui do que em Londres, minha cidade natal, onde as casas são muito caras. Eu não gosto de administrar dinheiro, eu tenho um administrador que cuida disso. Mas eu não gasto muito.” E quem arruma a cama pra ele todos os dias nessa casa nova? “Acredite ou não, eu não tenho uma governanta”. Então ele mesmo arruma? “Não, eu não arrumo. Eu deixo do jeito que está”. Pergunto-lhe o que as pessoas superestimam e subestimam sobre atuar. “Eles acham que é um jogo. Mas realmente é um trabalho – ótimo, mas desafiante. Por outro lado, eu não entendo esses atores que dizem: “De jeito nenhum” quando perguntados se seus filhos seguirão os seus passos. Eles não se dão conta de que eles têm um dos melhores trabalhos do mundo, é espiritualmente libertador.”

Ele me diz que ainda sai com seus velhos amigos e eu pergunto como eles lidam com o sucesso dele. “Eles são ótimos. Nós não temos segredos. Quando estou com eles, eu raramente tenho problemas com fãs, em parte porque se os fãs me vêem com eles, deixam pra lá. Mas se alguma coisa acontece, eles se tornam protetores.” Então eu pergunto o que ele considera uma traição de um amigo e ele diz que, um verdadeiro amigo nunca iria apunhalar pelas costas, e se ele faz isso, então ele não é um verdadeiro amigo. E achar novos amigos não deve ser fácil para um astro. “Não, de jeito nenhum, eu posso facilmente ver se alguém não tem um bom caráter”. Eu tenho a sensação de que ele conseguiu não desestruturar sua vida – a vida que ele tinha desde durante a primeira entrevista cinco anos atrás. Ele é tão calmo que você quer saber como ele era na escola, se algo sugestionou o que ele se tornou atualmente. Se ele era um líder, por exemplo. “Eu nunca fui um daqueles que seguem os outros, com certeza, mas nunca fui entusiasmado ao ponto de ter a responsabilidade para ser um dos que dita as regras também. Eu ficava na minha.” Um rebelde como esses garotos que agitam pelo mundo todo? “Para falar a verdade quando eu era mais novo eu costumava pensar que se rebelar era ficar constantemente bêbado. Não, isso é terrível- estou brincando!” Ele imediatamente retifica, rindo. “Mas quando eu penso em toda essa revolta em todos os lugares, eu percebo o quão sortudo eu sou. Eu nasci num país onde não há necessidade de fazer uma revolução, mas quem não foi tão afortunado, eles têm o direito de se rebelar se as coisas não estão indo da maneira como deveriam”.

Rob está ficando sábio – menos adolescente e mais um adulto. “Eu também estou ficando velho. Admito que fiquei um pouco preocupado com o que iria acontecer depois de Crepúsculo. Tudo correu bem por tanto tempo, me pergunto se é uma profecia de algo terrível. Fiz 27, vários outros morreram aos 27.” Isso não é verdade! “É sim! Jim Morrison, Amy Winehouse, Janis Joplin … E eu preciso esperar até maio para os 28 anos”. Ele ri. De qualquer forma ele tem seu sucessor Douglas Booth, nas asas. Pensa nele como um rival ou um herdeiro? “Eu nem sequer sei quem eu sou ainda, talvez ele possa me dizer. Não, sério, essa coisa de te dar uma cópia assim que você começa a ficar um pouco mais velho, não faz sentido.” Mas ele também não foi descrito como o herdeiro de outra pessoa desde o início? “Sim, Jesus. O novo Messias”. E ele ri.

“Agora eu estou no set de Maps to The Stars”, ele continua, “com David Cronenberg. É uma nova experiência porque eu tenho uma participação menor do que o usual – até agora eu tenho sido sempre o ator principal. Mas tudo bem, eu ainda prefiro produções independentes, eu ainda não estou pronto para as maiores: elas tiram toda a sua liberdade. Aqui, por outro lado, estou trabalhando com Julianne Moore, que é extraordinária, e o roteiro é fantástico. Eu adoro Cronenberg, Videorome e Screanners são uns dos meus filmes favoritos”.

Agora você vive em LA, eu pergunto a ele, você acha que Hollywood representa a sociedade? Ele morde o lábio com um olhar sério. “Não, eu não acho. Na verdade neste momento é difícil representar o mundo contemporâneo, inclusive com a música. Nós estamos num período de transição. Os anos 70 e 80 foram definidos. Os 90 tiveram o grunge. Mas o que os 2000 tiveram? Internet? Telefones móveis? Minha geração será lembrada por segurar um iPhone, com foco em conversar e enviar mensagens de texto sem dizer nada? Eu não estou em nenhuma rede social, nem mesmo com um nome falso. Eu tentei uma vez, mas excluí minha conta, porque não fazia sentido: meus amigos não podiam nem me achar. Me senti estúpido.”

Falando em estupidez, eu pedi que me falasse sobre um momento imperdoável e um momento memorável. “Um momento inesquecível foi quando meu filho nasceu” , ele ri. “Brincadeira, não tenho filhos! Mas nunca me esquecerei, quando eu estava no Estádio Olímpico de Munique para promover Lua Nova, haviam 30.000 fãs gritando e Taylor Lautner, atordoado, estava dizendo: ‘o que diabos está acontecendo aqui?’. O momento imperdoável tem que me incluir?” Ele sorri. “Porque para minha sorte eu não tenho um.”, diz orgulhoso.

Ele se vê como uma pessoa romântica? “Eu acho que sim. Um pouco romântico. Às vezes”. Ele sorri. Então ele boceja “Desculpe, você está me fazendo relaxar”, ele cora. Eu gostaria de convidá-lo a sentar no meu colo enquanto eu canto uma canção de ninar, mas não parece ser apropriado. Em vez disso eu pergunto o que ele gostaria de fazer antes de completar 30 anos. “Publicar um álbum, eu estou escrevendo um monte de coisas. E dirigir um filme. Eu tenho uma ideia, e eu estou trabalhando nisso. Devo fazê-lo.” É muito cedo para perguntar sobre o que se trata, mas ele prefere “finais felizes para sempre” ou “finais em aberto”? “O último, sem dúvida!”. Tempo esgotado. Nos levantamos do sofá e eu dou-lhe uma mão. Ele segura com ambas. “Então  te vejo para uma terceira entrevista?”, diz ele. Um cumprimento delicado. Do lado de fora há uma colega jovem e bonita , falando no telefone com o namorado. Ela assegura que não, o vampiro bonito não está tentando seduzi-la, não está interessado em uma menina normal, ela diz. Eu não daria isso como garantido.

Fonte | Tradução: Ana Paula Oliveira