Robert Pattinson e o diretor David Cronenberg se reuniram para serem entrevistados pela Orange Film UK para divulgação do filme Cosmopolis, dando comentários sobre o longa-metragem, o novo filme que irão trabalhar junto, sobre o personagem Eric Packer interpretado por Robert e muito mais! Confira completa clicando aqui.

Não parece ser um reflexo do movimento que ocupa no filme – o que te bateu com esse grupo e como é que eles informam o filme?
David Cronenberg: Bem, eles não informaram o filme em tudo, porque nós realmente nos prendemos ao script – apenas aconteceu que o que Don DeLillo [autor do livro original] escreveu era presciente e clarividente, e me senti como se o mundo estivesse se aproximando com ele. Mas por exemplo, Paul Giamatti me mandou uma mensagem e disse: ‘Eu não posso acreditar que eu só vi Rupert Murdochobter  com uma torta na cara ‘, porque tínhamos acabado de filmar a cena em que Eric Packer (Pattinson) recebe uma torta na cara! (Risos) Foi certamente estranho estar com as cenas anti-capitalistas tumultos nas ruas de Nova York e depois de ler sobre o movimento que ocupam. Mas realmente não há anti-capitalistas no filme e é possível verificar que a ocupação da  parede em movimento da rua não é anti-capitalista, eles querem um pedaço dele, eles querem 99% de uma parte do sonho capitalista. O personagem de Giamatti Benno ama o capitalismo e investimentos  e sua queixa é que ele foi deixado para trás por Eric, que é destruído a maneira Benno.
Bem, há a paráfrase do manifesto comunista visto no filme, com banners de ler “Um fantasma  ronda o mundo – o fantasma  do capitalismo”, e você mudou a moeda que aparece bastante na trama de ienes japoneses do romance para o chinês yuan…
David Cronenberg: Isso foi apenas a minha débil tentativa como um ignorante em termos de economia para dar ao filme uma carta futurista. Desde que o livro foi escrito, o iene caiu, e então você teve o tsunami que atingiu o Japão, e de repente eles são surpreendentes. Agora é óbvio que o “olhar para o leste” de Don foi correto, mas é a China que será a potência mundial e, em 2015 o yuan será uma moeda plenamente conversível e, portanto, pode substituir o dólar como moeda mundial.