Durante o Festival de Cannes, Robert Pattinson concedeu várias entrevistas e duas delas foram para a tv francesa. Vejam a seguir um trecho das entrevistas e na íntegra aqui.

Uma palavra sobre este carro. O que ela representa, esta carvoeira onde o herói se isola bem do mundo que o cerca?
Rob: Completamente, é o seu escritório, ele criou um mundo para si mesmo. Ele meio que se isola de cada aspecto de sua vida e qualquer um que entra em seu mundo, tem que se comportar como ele, eles tinham que falar a sua língua. Não é nem o Inglês convencional que ele fala. Tudo controlado do seu ambiente é totalmente… E estranho, é tão pequeno lá, é muito… por todo o filme. É muito mais na limusine, o filme inteiro, isto lhe dá a sensação de claustrofobia.

Eric Packer, este jovem garoto de ouro que você retrata, está em busca de emoções. Ele sempre precisa de mais, depois do dinheiro, depois do sexo, ele está saciado de tudo e a morte se torna um desafio. É isto ou não é?
Rob: Sim, acho que ele teve uma ideia estranha sobre morrer também. Não acho que ele sente,… , Não acho que é uma ideia convencional de morte. Morte é só… Ele é tão egomaníaco que a morte é puramente uma escolha para ele, não há coisa alguma como destino. Então, não é como se ele estivesse tentando se matar, é apenas o que ele quer fazer.