Robert é a capa da Esquire do mês de outubro. Juntamente com um ensaio maravilhoso, o ator concedeu uma entrevista, confira:


PHOTOSHOOTS > 2017 > ESQUIRE MAGAZINE UK

Os materiais mais sombrios de Robert Pattinson
Três anos desde o último encontro com a Esquire, Robert Pattinson continua dedicado a redefinir-se como um ator expressivo além da histeria herói-adolescente de sua carreira inicial. Em seu novo filme, o thriller sobre um roubo, Bom Comportamento, ele encontra a redenção como um criminoso de coração frio e alcança o quase sobrenaturalmente impossível – andar em torno de Nova York, sem ser reconhecido.
Quando ele estava filmando seu último filme, Good Time, em Queens no ano passado, Robert Pattinson começaria o dia com uma corrida. E ele seria reconhecido, como sempre. Tal é a vida para o ator de 31 anos, anteriormente conhecido como Edward Cullen, o vampiro emotivo nos filmes de Crepúsculo. Ao longo de cinco anos e cinco filmes, ele inspirou um seguimento tão vasto e histérico que, mais do que qualquer estrela de sua geração, ele se tornou prisioneiro de sua própria celebridade. Ele foi forçado a vender sua casa em Griffith Park, Los Angeles, por causa de paparazzi aos portões. Eles o perseguiram em todos os lugares, envolvendo todos os tipos de Jason Bourneism, como trocar roupas com amigos e assistentes em banheiros de restaurantes, enviando-os em carros de chamariz, até cinco por vez. E se ele falhasse, se apenas um tweet estivesse com sua localização, então exércitos de paps e Twi-hards, enlouquecidos e gritando, iriam galopando pelo horizonte como as hordas Dothraki.
Mas depois de cada corrida, aconteceu algo extraordinário. Ele vestiu o traje de seu personagem em Good Time, Connie Nikas, um criminoso grego-americano de Queens, e assim, o olhar parou. Ele podia andar pela rua sem ser molestado. Este último filme é o seu melhor desempenho por alguma distância, um tiro elétrico, adrenalina de um filme que o estabelecerá como um dos atores mais vitais do dia. Mas este dom de anonimato pode ser igualmente precioso. Good Time colocará o nome de Pattinson nas luzes enquanto simultaneamente o ajudaria a se fundir. Tirar isso deu-lhe a vida de volta. Entregue ao prisioneiro um conjunto de chaves, porque, como Nikas, Pattinson poderia passar pelo mundo de novo. Ele estava livre.
“Foi incrível. Capa de invisibilidade”, diz ele. “Eu sempre me perguntei o que você pode fazer, apenas uma coisa simples para o seu rosto para que você possa apenas … existir no mundo. E agora eu sei. Escureça sua barba e coloque essas coisas de cicatriz de acne e as pessoas irão olhar diretamente para o seu rosto e nem mesmo um segundo de reconhecimento. É fascinante. Também brincos, há algo sobre brincos de diamante falso.”
Ele parece um pouco com o Connie Nikas hoje, na verdade. Estamos em um estande em um clube de membros privados em West Hollywood, e ele está vestindo uma jaqueta de esporte em cima de um casaco de moletom, não importa que este seja o auge do verão. Jaqueta da Lacoste; Bem hipster eu disse a ele. E ele ri.
“Tem alguém que não seja um hipster hoje em dia? Eu acho que é apenas uma cultura normal”, diz ele. “De qualquer forma, eu encontrei isso no eBay, então, você sabe … Eu seria legal se eu tivesse isso na escola, como” Eu tive isso por anos. Eu ainda me visto exatamente como eu me vestia quando tinha 12 anos. ‘ Ha ha ha!”
Ele parece feliz, energizado. As mãos se movem, o Lacoste mexe, ele está mastigando um palito e inclinando a cabeça para rir e rir. Ele parece um cara que fez uma aposta com si mesmo e ganhou, e ele fez. E é isso que ele está aqui para nos dizer: perseguir o que você quer na vida, correr o risco, quem se importa com o que as pessoas pensam no final. Esta é a sua vida, não a deles.
A última vez que vi Pattinson para Esquire, há três anos, ele tinha acabado de fazer essa aposta. Ele veio para a minha casa para o almoço, e nós começamos o churrasco, havia cervejas – coisas que as celebridades nunca fazem – e falamos sobre The Rover, um filme que ele fez com o diretor David Michôd (Animal Kingdom). Foi o seu primeiro grande passo na rota longe de Crepúsculo e para o Bom Comportamento, uma vida que ele realmente queria. Ele tinha feito um pacto consigo mesmo para escolher apenas papéis que não diferiam de tudo o que ele havia feito antes, que o amplia como ator e ser humano, e só trabalharia com cineastas que ele amava, sem comprometer. Então, pós-Crepúsculo, seu CV é apenas um autor após o próximo, em uma série de filmes que não ganham dinheiro, mas que sempre são atraentes. Além do The Rover, está o seu segundo filme com David Cronenberg, Mapas para as estrelas de 2014; A Infância de um Líder dirigida por seu amigo Brady Corbet; The Lost City of Z com o cineasta James Gray, para não mencionar os irmãos Safdie, Josh e Benny, que fizeram o Good Time.
Em 2014, ele estava morando ao lado do empresário de rap, Suge Knight, em uma comunidade fechada em Mulholland Drive, ainda escondida dos fãs de Crepúsculo. Era uma vida isolada, com apenas um barco inflável e um assistente de companhia. “Aww, sinto falta do meu assistente”, diz ele. “Ele agora é um agente imobiliário em Phoenix. Não consegui mais.’Tudo o que você faz é jogar videogames!'” A maior parte do tempo de Pattinson foi gasto em uma sala, assistindo filmes e lendo livros, como é hoje.
“Provavelmente, a minha melhor lembrança daquela casa é assistir as três primeiras temporadas de Game of Thrones durante quatro dias”. Ele ri. “Tão ridículo essa ser a minha memória mais bonita!”
Ele sonhava com a fuga. #Vanlife no Instagram tornou-se uma obsessão, postagens comemorando o novo mundo hippy de jovens e atraentes tipos de surfistas que vivem a vida de espírito livre em acampamentos vans, livres de todas as posses materiais além de uma rede, um livro de poesia e um telefone celular para carregar selfies para pessoas loucas em escritórios de cubículos.
“Eu quase fiz isso”, diz Pattinson. “Eu estava 100% indo viver em uma van, mas não apenas qualquer van – uma van furtiva! É um nicho especial, não como viver em um trailer. As vans furtivas se parecem com uma van de transporte normal, para que você possa estacionar na rua, coloque sinais dizendo que você é um encanador ou o que quer que seja e ninguém irá notar.”
Van life prometeu anonimato, liberdade, mobilidade: todas as coisas que lhe faltava e queria.
“É essa coisa, onde você pode simplesmente sair no meio da noite e, como, dirigir até Nebraska”, diz ele. “E com energia solar, você está totalmente fora da grade. Eu adoraria tanto. E eu era como, ainda sou jovem, esta é a minha chance…”
Então ele procurou. O Mercedes-Benz Sprinter parecia arrumado; Tinha um vaso sanitário e um chuveiro na parte de trás. Mas não.
“O Sprinter é muito extravagante. Ele chama a atenção. Então, eu visitei diferentes empresas para se adaptar às viaturas Transit, mas é complicado”, diz ele. “Uma vez que você constrói um banheiro e um chuveiro, não pode obtê-lo segurado e blá blá blá”.
Ainda assim, ele não descartou isso. Um dia talvez. Por enquanto, no entanto, em vez de Nebraska, ele se mudou para outra mansão isolada nas colinas. Só que desta vez não é uma existência tão espartana. Ele mora com “Twigs”, também conhecido como FKA Twigs, a cantora britânica e sua cachorrinha Solo. Ele não falará sobre ela, embora eles possam estar noivos depois de três anos juntos. E não se pode culpá-lo; A base de fãs Twi-hard já a submeteu a uma torrente de abuso racista. Em parte, por que passam a metade do tempo deles em Londres, ao leste, perto de Hackney Downs (nível hipster: alto). Pattinson é assediado muito menos em casa. “Eu passeio na minha bicicleta”, ele diz, “então eu sou basicamente um fantasma.”
Ele estava profundamente em #vanlife quando viu um still do filme dos irmãos Safdie de 2014, Heaven Knows What. Era apenas um close-up da atriz Arielle Holmes em uma luz rosa/azul, seus olhos fundos e desfocados como se estivesse no efeito da heroína; ela estava interpretando uma viciada sem-teto, uma vida que levava até Josh Safdie se aproximar dela em um metrô de Manhattan e pediu para fazer um filme sobre ela. O realismo era palpável. E Pattinson estava viciado ao mesmo tempo: ele tinha que trabalhar com essas pessoas.
“Foi tão legal, essa foto, teve uma vibração incrível, mas também são americanos. Normalmente com uma imagem como essa, o diretor acaba por ser checo ou algo assim”, diz ele. “E meus agentes também não ouviram falar deles, então eu soube que encontrei algo antes de qualquer outra pessoa”. Isto é o que Pattinson ama mais do que qualquer coisa – fazer descobertas.
Sem sequer ver o filme, ele escreveu os Safdies um e-mail rico com elogios, uma estratégia testada. “Eu basicamente falei: ‘Olha, não estou brincando. Eu gosto muito pouco das coisas e eu gostei dessa coisa que você fez, acho que vocês são bons, e eu apenas … sei!’ E depois fiquei ligando repetidamente. “
Ele fez isso com James Gray, com a aclamada diretor de cinema francês, Claire Denis (que está escrevendo e dirigindo seu próximo filme High Life). É uma estratégia vencedora. “Eu percebi há cerca de quatro anos, essa é a melhor estratégia. Eu nem falo com os meus agentes.”
No início, Josh Safdie estava hesitante. Ele estava trabalhando em um filme sobre o distrito de diamantes de Nova York e Pattinson simplesmente não era a pessoa certa para isso. Mas eles clicaram e, uma vez que se encontraram, Josh viu algo: “Ele tem uma vibração de veterano de guerra ferida, como se houvesse um grande trauma em sua vida e ele está constantemente tentando passar despercebido, tentando não ser visto. Achei que era perfeito para um cara fugindo.” Assim, os Safdies criaram um projeto para Pattinson, essencialmente escrevendo um filme.
A coisa sobre Josh e Benny”, diz Pattinson, “é a energia e a movimentação. É surpreendente. E é assim que seus filmes se sentem, como se houvesse muito combustível no carro! Eu queria essa energia, algo super cinética. Muitas das coisas que eu fiz antes eram reativas, então eu queria ser forçado a entrar em uma situação. Esse é o tom deles: trem de fuga. Seu gênero é literalmente pânico. E esse é o tipo de pessoa que eu também sou. Então eu disse: “Apenas pressione pressione pressione, seja o mais audacioso possível. ‘”
A história se centra em torno de Connie, um criminoso de rua sociopata que não aguenta o pensamento de seu irmão com problemas mentais, Nick – interpretado brilhantemente por Benny Safdie – sendo institucionalizado. Então Connie o leva a um roubo de banco, a primeira de várias decisões terríveis, cada uma em cascata caótica com a próxima. É um filme que o pega pelas lapelas e não solta por 100 minutos.
Ao contrário de tudo o que ele fez, Pattinson esteve envolvido durante todo o processo do roteiro. Ele estava na selva da Colômbia no momento, fazendo Z – A Cidade Perdida, uma experiência perigosa no final das contas: ele tem histórias de vermes na barba e membros da tripulação sendo mordidos por cobras. Mas no final do dia, ele encontraria uma série de e-mails (há wi-fi na Amazon, aparentemente) dos Safdies sobre Connie Nikas, sobre criminosos, sobre o mundo do filme.
Trabalharam juntos cuidadosamente no passado de Connie e Robert leu todos os livros pelos quais os irmãos se inspiraram, The Executioner’s Song de Norman Mailer e In the Belly of the Beast de Jack Henry Abbott. Ele assistiu os documentários que eles enviaram, especialmente One Year in a Life of Crime (1989) de John Alpert, e episódios de Cops, a TV de realidade dos noventa que apresentou o policial perseguindo e prendendo toda uma coleção de criminosos de rua. Josh o chama de “maior série de TV da América“. Muitas vezes, haveria diálogo ou comportamento que seria útil na construção de Connie Nikas. Quando Pattinson estava pronto para se mudar para Queens, ele já estava no meio caminho.
Pattinson não tem método; ele é mais ou menos desinteressado, além de um curto período na Barnes Theatre Company de 15 anos. Os Safdies o apresentaram a um novo nível de improvisação e pesquisa. Eles tinham Robert como Connie escrevendo cartas a Nick como se estivesse na prisão. Depois, eles fizeram uma turnê pelo Manhattan Detention Complex.
“Rob veio como Connie, mas ele ainda não tinha o sotaque, então ele simplesmente observou e ficou na dele,” diz Josh Safdie. Eles conheciam pessoas com quem Connie poderia ser amigo. “Meus amigos no Lucky’s Automotive Repair em Yonkers, basicamente. Começamos a trazer Benny como Nick então”. E a partir daí, Rob e Benny levaram seus personagens para o mundo, indo para Dunkin ‘Donuts, até trabalhando em uma lavagem de carro por uma semana.
“Nós tínhamos Nick para tirar os carros depois que eles eram limpos,” diz Benny. “Mas Nick tem problemas. Ele não pode fazer o que Connie quer, então houve tensão entre eles, quase ficou violento. E isso é o que queríamos. Queríamos dar a Rob uma história das emoções que ele sentiria em certo momentos.”
Criticamente, porém, ninguém reconheceu Pattinson por meio de tudo isso. O gerente de lavagem de carro sabia quem ele era, mas ninguém mais sabia, e eles não perguntaram. Foi uma revelação. Como Connie – com a roupa, os cabelos e a maquiagem – Pattinson poderia não ser reconhecido de tal forma que quando eles gravaram em uma cena no final de um bloco de apartamentos, os moradores locais nem o viram como ator. Eles sabiam que uma estrela de cinema estava em seu meio, mas tinha ouvido que era Bradley Cooper.
“Então, eu estava nesse elevador cheio e as pessoas perguntavam, ‘Yo, você é o segurança do Bradley Cooper?’ Foi surpreendente.” diz Pattinson.
Uma das alegrias de Good Time é lembrar o quão diferente Robert e seu personagem Connie realmente são. Pattinson é do sudoeste de Londres, onde foi ao Harrodian, uma escola pública agradável em Barnes. Filho de um pai vendedor de carros vintage e mãe booker de modelos, ele cresceu na classe média e confortável, um tipo artístico que partiu em uma carreira musical (o nome de sua banda: Bad Girls) antes de atuar vencer vencer. Ele nunca encontrou personagens como Connie Nikas na vida real, então ele o imaginou; eles eram “figuras de fantasia”, como ele os chama. E, como tal, não menos influente.
“Crescendo, você vê Pacino e quer ser isso”, ele diz, e depois ri. “Eu pareço um babaca já, comparando-me com Pacino!”
Mas o ponto é claro; Para Pattinson, Connie cai na tradição do Sonny de Pacino no filme Um dia de Cão, ou Johnny Boy de Robert De Niro em Mean Streets, os personagens que inspiraram pessoas como Pattinson a se tornarem atores em primeiro lugar. Como todas as crianças da classe média, ele ansiava a autenticidade de Connie.
“Todo mundo quer dizer, ‘eu passei por dificuldades’ ou o que quer que seja. E algumas crianças na escola ficaram tão obcecadas em parecer durões que, eventualmente, eles simplesmente eram. Eles estavam assaltando pessoas. É como, ‘Por que você está assaltando pessoas? Você viva em Wimbledon! Mas você pode ver a progressão “, diz ele. “Nasceu do desejo, não da necessidade. É fascinante.”
Quanto a Pattinson, ele apenas mentiu.
“Eu decidi que a melhor maneira de ser real é fingir! Eu costumava mentir o tempo todo quando eu era mais jovem. Como se eu tivesse um sotaque de Londres, eu diria às pessoas que eu cresci em uma fazenda em Yorkshire. era tão arenoso quanto eu conseguiria.”
Sua própria vida de crime limitou-se a roubar mochilas de pornografia, 11 anos, uma história que ele contou Howard Stern. Eventualmente, ele foi pego, é claro, no momento em que a humilhação se incendiou na memória, quando, diante de uma fila de senhoras que colecionavam suas pensões, o dono da loja alcançou sua bolsa e tirou uma revista pornô após a outra.
“Eu comecei a chorar e tudo. Eu estava desesperado!” ele diz. “E quando minha mãe ouviu, eu dedurei um dos meus amigos: ‘Dan fez isso!’ É muito aterrorizador quando você está contra a parede. Quando as pessoas perguntam como você se comportaria em uma emergência, agora eu sei. Eu sou um covarde! Eu acho que isso é bem óbvio! “
Ele diz “covarde”, mas há uma força silenciosa por trás dessa frente auto-apagada e afável. Nem todo mundo confessaria ser um filho covarde, ou mentir sobre seus antecedentes, pois pessoas inseguras não admitem suas falhas tão livremente. Uma das razões pelas quais ele estava tão atraído pelo papel de Connie, por exemplo, era a falta de medo ou vergonha do personagem. “Eu sou o oposto. A vergonha é a coisa mais incapacitante. Eu nem sei o que é, não está conectado a nenhuma outra emoção. Então eu escolho trabalhar para combater diretamente elementos da minha própria personalidade.”
Josh Safdie viu a ambição de Pattinson desde o começo. “Há uma mania nele”, diz ele. “Um desejo maníaco de conquistar o mundo. Fiquei muito feliz em ver isso.”
E por toda sua auto-depreciação, existe um orgulho no que ele conseguiu pós-Crepúsculo. Nenhuma das suas escolhas de filmes subsequentes é, obviamente, comercial, o que lhe convém perfeitamente: independentes de baixo orçamento, ele diz, têm uma expectativa baixa para se equilibrar e, com seu estrelato internacional, cortesia de Crepúsculo em grande parte, ele geralmente pode descansar com facilidade. Às vezes, seu envolvimento é o que faz com que esses projetos realmente aconteçam.
Mas artisticamente – e é aí que ele definitivamente não é um covarde – cada projeto é um risco, um teste, um salto, mais uma oportunidade de falhar e cair muito publicamente em seu traseiro. Mas é assim que ele gosta. Os nervos, a ameaça de fracasso o deixam interessado.
“Eu gosto de uma grande montanha para escalar”, diz ele. “Alguns personagens os quais ninguém pensaria para mim e não as culpo”.
Por que ir para esses papéis, no entanto, se eles são tão contra o seu tipo? Ele dá de ombros.
“Provavelmente apenas para provar que posso, na verdade.”
À medida que a conta chega da nossa refeição, Pattinson morde alegremente  outra rodada de palitos de dente. Parece que ele ficou completamente sensível desta vez. Nem uma cerveja. “Se eu beber, vou parecer um idiota”, diz ele. “Na verdade, provavelmente pareço um idiota já!” De qualquer forma, ele está economizando espaço para uma prova de conhaque mais tarde com os produtores do Good Time. Não é o tipo de coisa que ele faz com frequência, mas estes são tempos intensos, com a emoção em torno do filme, a aclamação da crítica. É um zumbido que faz com que mesmo a turnê de imprensa não seja tão dolorosa. Há espaço para alguma travessura, de qualquer forma.
Em Jimmy Kimmel Live!, ele tentou zoar Josh Safdie, mas deu errado. Ele disse a Kimmel que Safdie pediu-lhe para masturbar um cachorro. “Ele deixou Peta [caridade animal] com raiva … todo mundo. Era como um tumulto americano por um dia e meio”, diz Josh. “Ele é uma merdinha, eu prometo a você. Mas eu adoro isso com ele.”
Na maior parte, porém, Pattinson leva uma vida bastante tranquila. É só ele, Twigs e Solo relaxando em casa. Quando ele não está trabalhando, ele diz, ele está procurando trabalho.
“Eu basicamente navego nas páginas de Loot todos os dias. Eu vivo a vida de uma pessoa desempregada”. E para ele, isso significa assistir a filmes, frequentar sites geek de cinema e – desde que Game of Thrones não esteja passando – ligando para diretores.
Em algumas semanas, ele vai para a Alemanha para treinamento de cosmonauta, para o filme que ele está fazendo com Claire Denis. É sobre outro ex-presidiário, desta vez no espaço como parte de um experimento de reprodução humana. Ele mencionou isso em uma sessão de Q&A em Los Angeles após uma exibição de Good Time, e ninguém na audiência tinha ouvido falar de Denis. Tal é o gosto particular de Pattinson.
“Eu não acho que Claire tenha feito um filme ruim, em tipo, 20, mas eu não sei se algum foi comercialmente bem-sucedido!” ele ri. “Isso é o que eu gosto na França. Há um mercado para filmes menos convencionalmente comerciais, e esse é o mundo em que eu quero fazer parte. Eu só quero fazer coisas que as pessoas estão fazendo apenas para si mesmas, porque acaba sendo, por definição, mais singular.”
O projeto que o animou vem no final do ano: The Devil All Time, de Antonio Campos, que fez Christine no ano passado, um drama brilhante sobre uma âncora de notícias depressiva, dos anos setenta na Flórida. (Para o registro, Pattinson ligou para ele também.) “Há essa fala nele – e às vezes isso é tudo o que você precisa. E é tipo ‘Ooh … é assustador dizer isso’. e eu serei a pessoa dizendo isso. Você literalmente não pode ficar mais sombrio. É bem sombrio. Este personagem é um pregador evangélico no Sul nos anos 50, mas ele é alegremente ruim e engraçado e carismático também. Eu sei, é irresistível.”
Como, sexualmente repulsivo, violento?
“Mmm … sim, tudo isso. Mas você sabe quando os atores dizem:” Eu me recuso a fazer alguém que faz algo ruim “. Eu fico, tipo, por que? Isso é louco. Você não pode fazer nada de ruim em sua vida real. Penso que se alguém precisa fazer um herói o tempo todo, é provavelmente porque eles estão fazendo coisas realmente grosseiras em sua vida real.”
Então, você está me dizendo, esta é a única chance de você ser mal?
Ele ri, e se levanta para vestir sua jaqueta Lacoste, sua camuflagem e virar o capuz embaixo. Agora ele está seguro para deixar nossa reunião sem causar um incidente. Mas agora é impossível não ver sombras de Connie,  o ladrão de bancos, sociopata de Queens.
“Sim”, ele sorri. “O resto do tempo, eu sou um anjo!”
Fonte – Tradução: Alexandra Barranco – Equipe Robert Pattinson Brasil