Confira a seguir trechos da entrevista que mencionam Robert Pattinson, do diretor de Cosmopolis, David Cronenberg, para a revista Télérama. O diretor revela, mais uma vez, o que podemos esperar do ator no longa metragem. Confira:

Télérama: Como você apresentaria o filme aos fãs do Rob?
DC: Nós poderíamos dizer a eles que a história é sobre um vampiro de Wall Street. É quase verdade, embora um pouco enganador. Nós podemos enfatizar que Rob está em todas as cenas, que ele às vezes está nu e que tem relações sexuais com Juliette Binoche. Isso, os fãs não acharão em Crepúsculo, é um cinema mais conservador. Durante as filmagens de Cosmópolis? Milhares de garotas estavam esperando Rob no set, nas ruas, a qualquer hora do dia e da noite. Elas fizeram camisetas com a arma estranha do filme e o nome ‘Nancy Babich’ que serviu como código para usar a arma. Foi muito fofo. Assim como os websites sobre Cosmópolis, que os fãs do Rob fizeram quando o filme recebeu sinal verde.

David fala sobre um personagem no início do filme – um empresário de 19 anos- que diz que sua carreira está acabada e que ele não pode enfrentar a abstração do capitalismo de hoje.

Télérama: E você, pode enfrentar isso?
DC: Eu revelo a natureza em termos concretos. O cinema não é uma arte abstrata. Tudo deve ser incorporado aos personagens. Eric Packer, que Rob interpreta, representa o triunfo do capitalismo empurrado para a autodestruição. Atualmente, muitas pessoas pensam que isso vai se corroer, explodir ou implodir. Meu filme não fala disso, mas não posso dizer para Rob: “Você é o símbolo de um capitalismo autodestrutivo”. Ele não pode interpretar desse jeito. Ele tem que interpretar um personagem. O cinema é forçado a ser, de certa maneira, extremamente realista e eu gosto disso.

Fonte | Tradução: Isis Teixeira